Disputa no Rio vai se definir com a eleição nacional

O desânimo do eleitor do Rio de Janeiro, depois de Garotinho, Cabral, Pezão e Wilson Witzel é tão grande que, até este momento, seria o “não voto” o grande vencedor das eleições: brancos, nulos e o “nenhum” somam um terço do eleitorado.

É triste para quem cresceu no estado mais politizado do país, ao ponto de ser chamado de “tambor do Brasil”.

Mas isso não será assim até o final, porque a mobilização da campanha nacional vai acabar arrastando o voto nos candidatos a governador e é por isso que eles estão dando tanta atenção a isto, ao ponto de que o candidato à reeleição, Cláudio Castro, está “sob suspeita” do chefe Jair Bolsonaro por não estar atacando Lula tanto quanto o ex-capitão gostaria.

Marcelo Freixo tem um resultado razoável, diante da sua tradicional dificuldade em crescer no eleitorado mais popular. Os 22% com que lidera a pesquisa dão-lhe uma vantagem confortável sobre os 7% de Rodrigo Neves, ex-prefeito de Niterói, que vai também assumir o lulismo.

Cláudio Castro, que obteve de Bolsonaro certa tranquilidade com o regime de recuperação fiscal do Estado, enforcado financeiramente, tem um bom índice (18%) mas deve isso também a Bolsonaro. Seus sonhos de neutralidade na campanha presidencial parecem inviáveis e ele tem de torcer ainda para que não surja outro candidato na área evangélica (ele é católico gospel) como Garotinho ou Marcello Crivella.

Eduardo Paes, prefeito carioca, é outra esfinge desta eleição: seu candidato, Felipe Santa Cruz, a despeito das qualidades pessoais, é inexpressivo (3%). Paes tanto pode abandoná-lo à própria sorte quanto – menos provável – empurrar sua candidatura para uma posição menos figurativa, mas dificilmente competitiva.

Surpresa, mesmo, só os 5% alcançados pelo candidato do PCB, Eduardo Serra.

A esquerda não está mal posicionada para um segundo turno que parece inevitável, ao menos com a situação atual.

Ah, sim: a pesquisa foi registrada no TSE sob o número RJ- 05998/2022 e realizada entre terça-feira e hoje, com 1.218 eleitores no estado. Publico apenas o gráfico com menos candidatos porque os “retirados”, até agora, negam que estejam na disputa.

 

 

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *