Dólar, preços e pobreza voltarão a subir, novo fiasco Guedes-Bolsonaro

Não há mágica em economia, embora sejam muitos os truques que sobre ela praticam.

Ontem, Jair Bolsonaro e Paulo Guedes gritaram “segure a tabela de preços” aos comerciantes.

Deixaram de lado o fato que eles vinham até segurando, porque contaram com uma queda no dólar, em maio, que começou com a moeda norte-americana a R$ 5 e terminou a R$ 4,73.

Combustíveis sem reajuste e a queda da bandeira vermelhíssima na energia elétrica e, ainda assim, 0,5% de inflação, ainda em dois dígitos.

Nos dez primeiros dias de junho, fez-se o caminho inverso e o dólar acaba de voltar aos R$ 5.

A inflação norte-americana voltou a subir, e muito, marcando 1% em maio, bem acima do que era esperado (0,7%) e acumulando 8,6% em 12 meses, o pior resultado desde dezembro de 1981.

Isso torna certeza que o BC de lá, o Federal Reserve, vão aumentar os juros e não menos que 0,5. Portanto, sobem os juros aqui também e vamos , fácil, a 13,75% ao ano.

“Pendura” nas transações entre agricultura, indústria e comércio, nem pensar.

A inflação, mesmo com a pequena queda de maio, ainda está em estratosféricos 11,73% e como o “descarte” de junho passado é menor (0,53%),é bem provável que o acumulado, quando vier, volta a superar a casa dos 12% .

É assim que chegamos ao quadro vergonhoso de hoje, quando a pesquisa do IBGE, um órgão oficial do governo indica que os 10% mais pobres entre os brasileiros tiveram perdas maiores que 30% de sua renda familiar de mais de 30% de sua renda domiciliar em apenas um ano (2021 sobre 2020) e, em uma década, os 5% mais pobres, os miseráveis, perderam quase metade da renda, reduzidos a meros R$ 39 mensais.

O inferno, que Guedes dizia ter passado, está bem aqui, sem dar sinal de ir embora.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *