Dolar retoma alta e quase toca os R$ 4,20

O pessoal do “agora vai” tocou as fanfarras cedo demais, com a cotação do dólar já beirando, e de novo, os R$ 4,20.

Por menos que seja, um avanço de quase 5% no preço da moeda norte-americana não tem como bater no preço dos importados, sejam produtos ou matérias primas.

De outro lado, os preços dos produtos cujo abastecimento interno compete com as exportações – carne, óleo de soja, açúcar, café, grãos para rações animais, etc… – tende a subir ou a não ter espaço para cair.

Claro que, ao contrário de outras épocas, você não vê o alarmismo nas manchetes. Aliás, nem manchetes. Aliás, nem chamadas, em geral.

Nada difícil de prever, porque aqui se alertou na segunda-feira que a moeda dos EUA subia e com fôlego para subir mais na semana.

E a turma, quieta.

No entanto, o preço do dólar, sem trocadilho é real.

4,1967 “real”, no momento em que pingo este ponto que, infelizmente, não é final.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

6 respostas

  1. A coisa vai ficar pior com o fechamento do acordo comercial China/Estados Unidos. Parte de nossos créditos desaparecerão com a substituição na importação de commodities do Brasil, que passam a ser supridas pelo agronegócio estadunidense. Existe ainda um agravante, é a possibilidade de substituição também pelos países do Oriente Médio, tendo a frente o Irã. Existe um fato que poderá ser determinante para a perda de espaço do agronegócio brasileiro no futuro, o uso indiscriminado de agrotóxicos, muitos deles considerados cancerígenos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *