Dra Raquel, quem paga pela megalomania dos meninos de Curitiba?

A Procuradora Geral da República, Raquel Dodge, pediu a anulação do acordo assinado entre seus subordinados da “Força Tarefa” da Lava Jato para criar a  sua “fundação” com R$ 2,5 bilhões da Petrobras.

Diz que afrontaram “a separação dos poderes e das funções do Estado, a constitucionalidade, a legalidade, a independência e a impessoalidade, que devem pautar as ações dos membros do Ministério Público”

Correto.

Mas falta dizer que os  “meninos de Curitiba”, com a autorização – ou, pelo menos, a omissão de Dodge – firmaram um acordo que diz que esta dinheirama, se não vier para a “fundallagnol”, vai para os cofres do governo americano.

Então agentes da União, como são os procuradores, podem fazer algo manifestamente ilegal para firmar um acordo que lesa o país?

Não tem sanção administrativa, com teria para um contínuo do MP que destruísse algum bem da Procuradoria? Coisa aí de R$ 5 mil ou R$ 10 mil reais? Ou seja, nada, perto dos R$ 2,5 bi do acordo?

O que os procuradores de Curitiba fizeram não precis ser apenas anulado, precisa ser punido, porque – na melhor das hipóteses – terá levado a vulnerar o Brasil a pagar uma indenização bilionária a um governo estrangeiro.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

40 respostas

  1. É pior ainda: a “força-tarefa” pode ter ajudado o judiciário estadunidense a obter provas contra a estatal brasileira, já pensando na “contrapartida”… para o bolso deles! ????????

    1. Nossos rapazes ajudaram aos EUA a condenar a Petrobras por ser uma EMPRESA DESONESTA. E garantiram aos EUA os dados empresariais sigilosos.
      Haveria algo pior?
      Nome: crime lesa-pátria.

    2. Um processo…ou processos com objetivo financeiro pessoal definido…não é lindo…meta financeira..meritocracia?

    3. Os americanos deveriam ter uma instituição que amparasse seus agentes e colaboradores no exterior, depois que fizessem seus trabalhos. Mas não, eles são radicalmente utilitaristas. Deixou de servir, adeus. O resultado é uma multidão de órfãos desamparados pelo mundo afora, que ainda por cima se sujeitam às penalidades locais, quando a situação política mudar.

  2. Aliás uma “lei” criada nos EUA (“CAATSA”) para acionar empresas estrangeiras pela justiça estadunidense é um grande jogada para transferir altas somas de “multas” de outros países para o tesouro do Grande Satã. Se as empresas multadas não pagarem serão submetidas a sanções financeiras que as levaria à falência.

    1. De sanções à países..como a Venezuela…à sanções contra empresas….a evolução da pirataria..com ajudinha interna de lesa pátrias…Guaidós treinados…assassinos econômicos.

      1. Pau democrático…dentro da legislação vigente…no rigor das garantias consitucionais que eles sonegam e distorcem quando aplicam aos outros…sem anistia….ou aposentadoria compulsória precoce….

  3. Acordo da República de Curitiba com o governo americano? Agora força tarefa tem poder para formar acordos internacionais? Não pode ficar de graça!

    1. Exatamente. Este acordo é nulo de direito, uma vez vez que foi firmado por quem não tem autoridade para tanto.
      Neste processo vários crimes foram cometidos. Tem que ser devidamente punidosd. Inclusive a juiza Gabriela Hardt. A função de juízes é a de cumprir e fazer cumprir a lei. O que ela chancelou é completamente ilegal. É co-autora do crime.

  4. O único motivo da SRA. Raquel Dodge estar batendo de frente com o pessoal desse procuradorzinho de merda é porque ela não está incluída no powerpoint do projeto de poder da lava-jato, sendo o plano substituí-la pelo procuradorzinho. As cartas sobre o que é, e sempre foi, a farsa jato estão na mesa para qualquer um que queira enxergar. A verdadeira ORCRIM é a lavajato.

  5. Mas o acordo promete ao EUA todas as informações empresariais da Petrobras.
    Aí entregou tudo. Os 2,5 bi era só devolução de troco.

  6. o acordo para ser assinado no ano passado precisou de algum tempo para ser costurado. enquanto atuava nos processos aqui, negociava este acordo lá. parece-me que há uma contaminação nos procedimentos diante desta revelação. havia interesses pessoais no acordo, e porque não dizer nos processos aqui?

  7. Esse dinheiro é o preço acertado entre “autoridades norte-americanas” e o MPF de Curitiba, como pagamento pela entrega do Pré Sal, e destruição das grandes empreiteiras do país. Essa pseuda “Fundação” é a única maneira desse dinheiro ser introduzido no Brasil. Para quem comprou dois apartamentos do Programa “Minha Casa Minha Vida”, 2017 por 152 mil reais, comprar agora um apartamento de 3 milhões como Dallagnol, é um avanço inexplicável.

  8. Os americanos não dão dinheiro antes do resultado. O que a lava jato passou? como passou, e porque passou, e quem recebeu, se passou alguma coisa, são traidores, e se são traidores o Moro ao sair os traiu, e se o governo Temer autorizou, tem que ser preso e o Moro também. afinal qual segredos passaram? Se as FFAA fossem nacionalistas, botavam todos em cana, e tem outra, como entregar a EMBRAER a uma empresa americana falida? Oque tem por trás disso?

  9. E pior ainda, nem em processo que tivesse sido julgado. A empresa é vítima e ela e que é a ré no processo. Um absurdo. Fizeram acordo com expectativa de perder. Vai você processar alguma empresa do governo. Eles vão até o último recurso e mesmo assim protelam o pagamento. Nenhum funcionário público pode fazer acordo desse tipo, sem brigar até a última instância.

  10. E o GOLPE continua.
    Essa cláusula de: se vocês não me derem, esse dinheiro vai para os EUA. Nada mais é do que a oficialização do escritório e governo PARALELO do governo americano através dessa turma de CUritiba que estão entregando o Brasil.
    Tá bom! Como se essa jogada de malandros não estivesse tudo acordado com EUA.

  11. E não vai ter demissão do DD porque o Isteites não vão deixar. Afinal, ele é um de seus agentes infiltrados para assaltar os cofres desse país.

  12. Nós pagamos, estamos pagando e continuaremos a pagar a contra revolução arrivista enquanto não os sacar do poder e enquanto não os fizermos pagar pelos crimes que cometeram, comentem e cometerão.

  13. E como fica a excelsa e diáfana juíza Hardt, bonitinha mas…, que traz em seu pescoço uma coleira com o nome MORO, e que homologou toda essa safadeza? (“… se continuar assim, teremos problemas…”). Lembram-se?

  14. Não somente os procuradores, precisam responder por um crime de lesa-patria, mas também a juíza que homologou o esquema. Àquela mesma que condenou o Lula, pela segunda vez, sem provas materiais.

  15. Não cometamos o mesmo erro duas vezes.Se a anistía aos genocidas fardados de 64 ,nos levou a te-los de volta no poder ,não façamos o mesmo com a A AQUADRILHA CURITIBANA.Quando o Brasil voltar a ser um Estado Democrático de Direito ,estes surrupiadores do poder popular e dinheiro público em conluio com uma potência estrangeira deverão ser JULGADOS E CONDENADOS
    “Procuradores” ,se ainda não sabiam,a vida ensina —-todo o que sobe ,um dia desce—–.

  16. Os DELINQUENTES curitibanos ,além de criminosos ,são mentirosos.O garotnho de óculos diz que caso não fosse aceita a criação da “fundação” os dividendos do GOLPE voltariam para usa.
    Mentiú ,não existe nada no acordo ilegal e criminoso que assinaram que afirma-se isso.
    Portanto quadrilheiros aproveitem enquanto há tempo de agenciar suas moradías na terra do seus patrões ,ou A LEI OS ALCANÇARÁ.

  17. Brito,

    Com quem é casada essa procuradora? De onde vem o sobrenome “Dodge”? Qual a nacionalidade do marido da PGR? Onde e com que ele trabalha? Qual a formação dele? Onde ele atuou antes de se casar com Raquel e morar no Brasil? Enfim: para quem trabalha e quem representa o marido de Raquel? Investigando e respondendo a essas perguntas ficará claro que o casal Dodge, assim como os integrantes da ORCRIM Fraude a Jato fazem parte dos agentes infiltrados ou cooptados pelo Deep State estadunidense, que hoje dominam o aparelho de Estado brasileiro. Não se engane com essa PGR.

  18. Por isso é tão importante a aprovação da lei de abuso de autoridade. No caso, os procuradores atuaram fora de suas atribuições. Não poderiam firmar acordo nenhum se a autorização do MPF.

  19. Na verdade, o “Acordo” com os americanos previu que 80% do valor da penalidade fossem para as autoridades brasileiras (brazilian authorities). Em momento algum, é mencionado o MPF e muito menos a PGR de Curitiba. Só isso já torna o caso escandaloso. Quanto à possível lesão ao erário brasileiro, isso de fato pode ocorrer com o Acordo tabajara ‘MPF x Petrobras’, mas não como imagina o Brito.

    Com efeito, segundo os termos do “Non prosecution Agreement”, o montante não poderá, jamais, retornar à empresa (Petrobras), direta ou indiretamente, pois representou, a rigor, uma punição a ela. Portanto, a previsão tabajara (MPF e BR) de que metade da quantia (1,25 bi) possa custear eventuais derrotas judiciais da empresa em território nacional ou repor prejuízo de acionistas, configura patente quebra da referida cláusula do acordo de Non Prosecution” (lembram? O dinheiro não pode ser utilizado em proveito da Petrobras), violação grave e que autoriza os americanos a demandar a realização de novo e imediato pagamento por parte da empresa (683 mllhões de dólares), desta feita em benefício dos EUA.

  20. “O que os procuradores de Curitiba fizeram precisa ser anulado E PRECISA SER PUNIDO, porque – na melhor das hipóteses – terá levado a vulnerar o Brasil a pagar uma indenização bilionária a um governo estrangeiro.”… Mas… essa Dodge não é Dart, é uma fubica…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.