Economia: o silêncio dos cúmplices

O caro leitor e a cara leitora, talvez enfadados com a super-atenção que este blog tem dado aos movimentos do mercado financeiro, devem conceder-me a tolerância de verificar quantos dos comentaristas de economia estão dando de importância à crise que se abate cobre o mundo – e sobre o mundo onipresente dos negócios que governa a própria redonda Terra.

Há mais de um mês falam, no máximo, de “preocupação” com o surto – que só não é pandemia porque até a OMS está preocupada em não jogar lenha na fogueira com o uso deste nome – de coronavírus.

Ia “passar” em uma semana, depois duas, quem sabe até o fim do mês ou, talvez, com o trimestre. Daí as coisas se recuperariam, as compras e a produção atrasadas se poriam em dia e tudo seria apenas um insignificante acidente de percurso.

Ontem, com o circo desabando, Miriam Leitão falava de “um susto” e que “ainda não está claro o quanto o mundo será atingido”.

Só o Valor dimensiona o desastre, trazendo como manchete do site Ibovespa cai 7% e tem pior sessão desde o “Joesley Day”, exatamente o que ontem se dizia aqui.

Foi, você se recorda, o sepultamento das ilusões de uma recuperação cantada em prosa e verso com a equipe econômica dos sonhos”, com Meirelles e Companhia.

Amanhã você lerá que mais de R$ 300 bilhões de reais foram vaporizados com a queda da Bolsa. Não é verdade. Como acontece com os prestidigitadores, “some” aqui e reaparece ali, em outras mãos, logo depois.

O investidor de classe média, empurrado pelas ilusões do “Ibovespa a 200 mil pontos”, pelas Betinas milionárias e pelo “agora a coisa vai”, saiu das aplicações de renda fixa e foi para o cassino.

O cidadão que botou os R$ 30 mil que suou para juntar e que não lhe davam na poupança nem R$ 80 por mês, muito menos que a inflação, foi parar nas XP da vida, se sentindo o Luciano Huck e, em meio ao naufrágio descobre que “nossos botes salva-vidas estão com excesso de demanda, tente mais tarde”.

Da semana passada para cá, se aplicou num fundo lastreado no Ibovespa, perdeu 10%, ou R$ 3 mil, na quinta, sexta e hoje.

O pífio crescimento de 2%, alegria de pobre, está irremediavelmente comprometido, porque a aposta no capital estrangeiro se desmancha no fato de que, no furdunço mundial, não há dinheiro que venha para cá e, do que está aqui, ninguém é besta de meter em investimento produtivo.

No mínimo, o primeiro semestre do ano está perdido, porque os efeitos sobre o comércio mundial ainda estão por ser ser sentidos e a retração se dá sobre negócios futuros não sobre aquilo que já estava contratado, muitas vezes em contratos de mercado futuro.

Nada, neste raciocínio, como você percebeu, apela para coisas que poderiam ser chamadas de “terrorismo”, como imaginar uma epidemia no Brasil ou mesmo nos Estados Unidos. Não tenho talento para “cinema-catástrofe”.

Só um fator interno ela leva em conta e este é meio óbvio: não temos um governo capaz de prover segurança política, ao contrário. Temos um disseminador de crises e crises contínuas.

Conta, é verdade, com o handicap de uma tolerância da mídia, mercadista que só.

Ainda assim, consegue dissolvê-lo e vai para o isolamento.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

34 respostas

  1. “não temos um governo capaz de prover segurança política, ao contrário. Temos um disseminador de crises e crises contínuas”
    Exatamente. E crises internacionais não são álibi, pois todos os governos passaram por alguma crise em algum momento.

  2. O bozó nao passa de um fantoche do mercado, um inutil desqualificado, é que nem uma abelha, quando não ta voando ta fazendo cera.

  3. O bozó nao passa de um fantoche do mercado, um inutil desqualificado, é que nem uma abelha, quando não ta voando ta fazendo cera.

  4. Quero que o mercado e o capital financeiro quebrem mesmo, que a classe média que apoiou o golpe e votou em bozo, se foda bonito de verde e amarelo. Quanto pior, melhor, mais rápido a canoa vira. Por enquanto, ta lindo, espero que piore muito mais.

    1. Seu comentário demonstra sem és um cara misto de sociopata com desinformado ..Colega, reflita sobre as ultimas crises que se abateram (a de 2008, ou de 2013) ..e quem mais perdeu ? ..veja a tonelada de desempregados, de desassistidos, de direitos contidos, de fome, mendigos, de corte em gastos sociais, na saúde e educação. PORTANTO, deixa de ser infantil e pense um pouco mais antes de despejar BESTEIRAS juvenis.

      1. Pouco importa sua opinião, vá a merda e pare de agredir quem nao conhece. Sociopata é a puta que lhe pariu. Você foi um dos patos amarelos, apoiou o golpe contra dilma, como se pode ver no comentário abaixo, onde, alem de surrar o português, coloca dilma, bozo e temer no mesmo balaio, votou em ciro em 18 e agora fica choramingando. Sim, quero que os patos amarelos como vc se fodam muito mais.

        1. Temer e Bozo são nomes próprios, assim, bom escrever com letra maiúscula, sabichão ..kkkkk ..sociopata é pouco, é sociopatO, isso sim ..desejar o pio pra todos, como pode ? VOCÊ é doente, cidadão ..vai se achar com a turma do BOZO (com maiúsculo mesmo)

          1. Kkkkk, o cara que escreve “a” uma década, com “a” , ao invés de há uma decada, quer dar aulas de português hahaha… so mesmo no Brasil de weintraub pra isso acontecer.

      2. Romanelli, você fez uma bela e deprimente lista de desgraças sociais muito pertinentes, mas não levantou a principal questão, pois veja: O Bostanaro foi eleito por todo o sudeste, centro-oeste, e sul do país. Aqui no meu estado ele, no segundo turno, teve mais de 70% dos votos e em muitas cidades das regiões que mencionei ele chegou a ter mais de 85% dos votos. Conclui-se então que ele foi eleito pela imensa maioria dos miseráveis, pobres, classe média baixa e classe média da cidade e do campo. Para esses milhões o SUS, direitos trabalhistas, baixo índice de desemprego, universidades públicas, dinheiro sobrando, o Pré-Sal e todas as suas maravilhosas possibilidades e etc e tal não estava bom, eles em tudo queriam o “padrão fifa”. Pois bem, existe um ditado que cai como uma luva para esses milhões, “Se não aprende pelo amor, terá que aprender pela dor”. Então o Guilherme Rocha fez um comentário relevante, que todos esses milhões sofram, que os Quatro Cavaleiros batam de porta em porta e aí, quem sabe, eles aprendam a ser brasileiros e amar os brasileiros e não os Genocidas do Norte e seus jagunços nacionais. Pessoalmente duvido e acredito que nas próximas eleições, até a de 2022, os milhões por mim mencionados elegerão a maioria da extrema-direita, principalmente no legislativo e aí, meu caro, até o LULA não dará jeito neste Brazilzão velho de guerra. Talvez, e digo talvez, daqui uns 10 anos ou mais, quando todo o sofrimento espalhados pelos Quatro Cavaleiros tiver transformado o Brasil num imenso campo de concentração, surgirá movimentos e ações que realmente mudem este País para melhor, mas um melhor permanente, não os “melhores” conseguidos por Getúlio Vargas e LULA.

        1. Entendo a sua posição – essa revolta TB me toma a alma, mas há que superarmos. Bozo foi eleito com 55% dos votos válidos, não por toda população ..ademais, parte significativa de ignorantes e iludidos, iludidos por ex pelo governo de Dilma-levy, e mais, 35% do eleitorado já tem menos que 35 anos, ou seja, sequer sabem o que lula significou pro Brasil ..FATO, os desmontes e passivos que estão se avolumando condenarão gerações de brasileiros inocentes TB ..não penso que ficar desejando ou trabalhando pelo pior adiante ..sem dúvida que Bozo precisa cair o qto antes, mas seus danos precisam ser limitados ao máximo em prol dos mais frágeis e marginalizados ..é o que penso .. abçs

  5. Fernando Brito. Gosto do que você escreve, é lúcido. Mas isso que está aí é resultado da decisão de 57.797.847 que votaram no mico, 2.486.593 que votaram em branco, 8.608.105 que anularam seus votos e 31.371.704 que nem foram votar, totalizando 100.264.249 cidadãos brasileiros responsáveis por este estado de coisas. O menor responsável é a pessoa que tem a faixa presidencial: desde o início disse que iria fazer o que está fazendo. Zero novidade. A questão não é reclamar da mídia golpista, do injusticiário golpista, dos endinheirados sem rumo, mas descobrir e divulgar quem está fazendo algo de bom para sairmos dessa lambança. Até o impeachment não é solução, os sucessores também fazem parte do problema. Infelizmente.

  6. Não acho que os leitores fiquem enfadados com as postagens sobre economia do Tijolaço. As avaliações feitas aqui são cuidadosamente ocultadas pelos “especialistas” da carcomídia. E acredito que este governo cairá não por discursos no Congresso, pedidos de impeachment ou denúncias de envolvimento com o crime organizado. Não, o capitão cairá como resultado do desastre econômico que se avoluma. Então, julgo ser fundamental acompanharmos o desenvolvimento da crise.

  7. Não só da mídia, faço questão de, mais uma vez, ser justo com o povo brasileiro: é impressionante como NADA faz o brasileiro médio se abalar com a devastação completa do país. NADA que esse governo monstruoso faz, parece incomodar a massa. A democracia não merece o menor zelo por parte dos brasileiros. Estão se lixando com a ameaça de ditadura. A verdade é que a grande maioria, podem pesquisar, AINDA atribui nossas mazelas aos governos do PT e ponto final. Resumindo, de um modo geral os brasileiros continuam de quatro, zurrando e comendo grama.

    1. Do saudoso Ivan Lessa:”O brasileiro é o único povo que tem os pés no chão,e as mãos também.”

    2. Experimente, durante 15 dias, informar-se unicamente pela mídia comercial e, se possível, frequentando alguma igreja (há exceções, embora poucas). Findo o prazo, vc, quase certamente, irá para as ruas gritar “mito, mito”. Ah, durante o dia, ouça bastante rádio (aqui as exceções são raríssimas)

  8. Todo mundo com o mínimo de bom senso e que não esteja atrelado ao mercado de risco tem feito declarações e dado alertas semelhantes aos vistos aqui, no Tijolaço. É sabido que os papeis estão sobre valorizados e não somente por aqui. Cedo ou tarde o valor de mercado vai dar de cara com o valor da expectativa de resultado que é dado pelo valor patrimonial + investimentos das empresas em inovação, modernização e expansão. Nestas plagas o valor patrimonial está abaixo do valor de mercado e os investimentos estão letárgico, para dizer o mínimo.Vai ser um meltdown geral e como boi lerdo bebe água suja, o pequeno investidor irá ver seus ganhos e até seu capital inicial virarem fumaça.

  9. Tampouco costumo ser “terrorista” ou “alarmista”. Entretanto, não há catastrofismo algum em esperar que a epidemia bata com força por aqui, e quando digo isto não falo especificamente em número de vítimas fatais, embora a mortalidade do Covid-19 esteja por ser determinada nestas paragens. Bater com força significa acometer um número razoável de indivíduos, o que poderá causar transtornos incontornáveis à vida nacional, seja por sobrecarga e colapso da rede de saúde pública (se alguém acha que o SUS, que já trabalha no limite do gerenciável, aguentará um “tranco” com disseminação da ordem de uma centena de casos ao dia, felicitações pelo otimismo), seja pelas consequências socioeconômicas. Não precisa haver pilhas de mortos pela rua para uma epidemia ser desastrosa, a ausência de perspectiva clara do que acontecerá e o pânico, a desestruturação dos meios produtivos por absenteismo laboral e a desagregação social que advém deste fato já bastam para causar problemas.
    Por que acho que temos boas chances de ter um evento significativo? Porque as condições para isto estão dadas há muito tempo. Temos uma urbanização ruim, com franjas periféricas superpovoadas e com baixas condições de saneamento básico. Temos ali uma população mais envelhecida e frágil, desprovida de informação e entendimento mínimo das necessidades que uma epidemia traz, além de uma bagagem pesada de doenças crônicas mal cuidadas, o que facilita o trabalho dos agentes infecciosos. Temos uma saúde pública em luta pela própria sobrevivência, em meio a um processo de desmonte acintoso. Temos autoridades que oscilam entre o mais cínico oportunismo e a mais absoluta ignorância. Temos um governo que oscila entre a despreocupação e o desprezo pelo amparo à maior parte da população, pensando e agindo apenas em favor dos que menos precisarão de auxílio, em caso de epidemia. E, claro, não podemos esquecer que há o grupo de habitantes do topo da pirâmide social que acha que tais situações são ótimos momentos para fazer a engenharia social que desejam, e se veem impedidos de fazer pelo zelo hipócrita à sua imagem pública. Não hesitam em pressionar as autoridades para impedir ações preventivas que possam prejudicar-lhes o lucro, cientes que estão de que dificilmente serão atingidos mais seriamente. Do que mais precisamos?

  10. Vc acaba de repetir o que ouvi do Sardenberg há pouco, ou seja, o corona vírus vai passar e tudo volta ao normal. Por sinal, ontem ouvi, durante uns 15 minutos, a entrevista do ministro da saúde, que insistia em falar em “gripe”

    1. Me divirto vendo os palhaços da Globonews. Mas este Sardenberg, o pior deles, não merece ter meus olhos e ouvidos. Ôh, Sardenberg, VTNC.

  11. Um dado importante é que os trabalhadores e os pobres nunca sentem ou só raramente, os humores da bolsa. Bolsa de valores é coisa para gente fina e endinheirada. Os reflexos dela na economia do pobre demora um tempo muito maior que as próprias flutuações, para cima e para baixo, da própria bolsa. Estas flutuações são rigorosamente ligadas a apostas, fraudes e negociatas. Somente os ricos se locupletam deste cassino. Não sou economista, mas sei que durante os governos do pt o avanço da economia e os benefícios auferidos pelo esforço dos trabalhadores não tiveram nada a ver com as bolsas, daqui e de outros países. Bolsa tem a ver com capital financeiro e não capital produtivo. O capital financeiro é parasita do produtivo, de modo que o baixo crescimento e os prejuízos que causa ao país atinge os trabalhadores somente a longo prazo.

  12. Sei que poucos ou nenhum,lê comentários que fazemos nos blogs,contudo,se alguém ler,vai constatar que as pessoas,continuam tratando o CAPITALISMO ,como se estivéssemos no início do século vinte.Isso acabou,senhoras e senhores,o CAPITALISMO esta em seu leito de morte.Pode reagir,aqui e ali,mas FOI PRO SACO.A produção industrial,mola mestra do “REGIME” CAPITALISTA,a produção de bens consumíveis,não tem uma das pernas,O CONSUMIDOR,pois este,esta sem atividade econômica e ficou a mercê ,da atividade AGIOTISTA.Os que restaram disso tudo.Quanto à classe MÉDIA,que é na verdade,nos dias atuais,a NANICA burguesia,outrora PEQUENA,foi pro saco.Então,o que restou?Os pobres,gostam e se contentam,em votar,e votam nos BÓSTA-NARO das nossas vidas.Fora disso,não tem magica,ou O SOCIALISMO,OU A BARBÁRIE.

    1. O espetaculo da violencia aliada aos pastores de tv destroem qualquer reaçao. Isso vale ate em cidades pequenas com suas radios com programaçao alienada da realidade diaria

  13. Por enquanto a letalidade do corononavirus tem se mantido nos mesmos níveis duma gripe comum (pior ainda pra humanidade é a malária, tuberculose e a dengue com seus 10%) ..pela facilidade de contágio podemos falar em PREJUÍZO, mas não em morticínio.
    FATO – essa gripe, parece, vai servir pra dar uma enquadrada no preço de alguns ativos e esvaziar alguns estoques ..ativos estes que no BRASIL de BOZO, TEMER e Dilma de Levy, estão depreciados a UMA DÉCADA.
    Tomara que a humanidade não tenha a sensação de que a CHINA exagerou ..vc já imaginou se no imaginário do POVO ficar valendo a estória do João e o LOBO ?

    1. Uma pandemia, e você chama de gripe. Deixa de ser desinformado cara! Mané cirista. Português de weintraub, sabe a diferença entre “há ” uma década e “a” uma decada, como escreveu? Pelamor, afffffff….

      1. sua capacidade de diálogo é de raciocínio é espantosa

        sobre se ser Cirista, não lhe dei informações nem te devo satisfação, e isso não faria a menor diferença para o assunto que tratamos.

        Aliás, VOCÊ sabe a diferença entre morticínio (tipo gripe espanhola), e uma GRIPE que se enquadra nos mesmos PATAMARES duma gripe comum contemporânea, entre 2-3% de fatalidade ?

        ..qual seja, se por todo o globo ou em um país, 2% são 2%, e todo país enfrenta gripe TODO ANO

        ..e aqui, segundo técnicos, o pior estaria pra chegar no inverno ..e a CHINA, apesar de ter se MAL protegido, NÃO estará livre qdo se abrir e passar a IMPORTAR novamente o “bandido” de outras regiões do globo (e essa gripe, ESPERTO, não sou eu quem digo, ainda esta pegando uma população mais fragilidade como cardíacos, diabéticos, idosos, renais etc)

        1. Nao discuto com quem erra o verbo haver. É vergonhoso. E vc se orgulha de sua ignorância. Tome um merecido block.

  14. Só uma coisa ainda segura o bolsonarismo à beira do abismo. E esta coisa não é outra, senão o apoio da elite empresarial do país. Não são os militares, é ela, a dona do PIB. Ela foi induzida por forças ocultas, externas e internas, a eleger Bolsonaro, pensando em como o fascismo pode impor políticas econômicas liberais extremas. Mas a implantação do liberalismo de sopapo na Itália durou apenas um ano e meio, enquanto Di Stefano não caía em desgraça com Mussolini. E o Dr. Hjalmar Schacht, o gênio econômico que recuperou a Alemanha sob Hitler, todos concordam que era um legítimo keynesiano anterior ao próprio Keynes, e também durou apenas ano e meio no poder, antes de sua substituição por Goering e da implantação do trabalho escravo industrial de guerra. Assim como o fascismo de Mussolini nasceu no dia 23 de março de 1919 em Milão na sede da Federação das Indústrias, o fascismo brasileiro parece ter nascido na Federação das Indústrias do Estado de São Paulo, em alguma convenção patológica que pariu milhares de patos e os espalhou pelo país afora. Agora fica difícil tanger tantos patos de volta para o viveiro. Gozado é que o pequeno empresário que hoje ainda mais pugna pela consumação da ditadura Bolsonaro é um tal de Edgar Corona. Lembra a outra desgraça global, o coronavirus.

  15. Como diria o Sábio dalém mar o rico nao passará ou aqueles q exploram seus irmãos em juros exorbitantes

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.