Emenda de relator: STF e Lira apostam em quem saca primeiro.

No jogo de gato e rato que virou o relacionamento entre as instituições brasileiras, a presidente do Supremo Tribunal Federal fez, há pouco, o seu movimento, encerrando a sessão inicial do julgamento da constitucionalidade do Orçamento Secreto sem ler o seu voto sobre o tema, como relatora das ações que pedem o cancelamento do maná que representam as chamadas “emendas de relator”, com as quais se distribui algo como R$ 20 bilhões para que os parlamentares “amigos” invistam em suas bases eleitorais ou, pior, destinem a ações suspeitíssimas como as noticiadas pela imprensa.

Com isso, aborta a anunciada chantagem que se faria com uma eventual rejeição da PEC da Transição como represália à declaração de inconstitucionalidade do Orçamento Secreto, da qual dificilmente escapará. Só na quarta-feira o assunto volta à pauta e com a posição de Rosa Weber, mais dura contra o Orçamento Secreto do que aquela que, provavelmente, prevalecerá ao final.

Lula, é claro, não vai meter a mão nesta cumbuca, agora. É melhor, para encontrar as melhores condições de compor sua base de apoio – no que parece ir bem, até agora – que exista um nível de tensão sobre o tema e, experiente como é, sabe que deputados e senadores, por algum meio, não vão abrir mão de toda a indicação de verbas, devolvendo o seu controle ao governo.

Sabe, porém, que pode fazer com que os recursos se destinem a ações que fazem parte do que já são programas e obras que pretende implantar ou restaurar.

Arthur Lira não é um kamikaze que vá queimar seus navios de entendimento com o novo governo tão precocemente, pondo em risco o apoio à sua reeleição estando enfraquecido pela perda do controle do naco do Orçamento que as emendas do relator lhe traziam.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *