Escola sem partido, mas com patíbulo

cartilha

Recebo, chocado, via Luiz Costa Pinto, e vou verificar na Cartilha do Participante – Redação no Enem 2017, distribuída pelo MEC, a passagem que reproduzo acima.

Numa tradução simples, não se constituem atentados aos direitos humanos aqueles que, sob a cobertura do Estado e da lei, vilipendiarem a vida de um ser humano.

Pelo estranho senso de direitos humanos dos autores (desculpem, não posso chama-los de professores), as degolas de pessoas a cimitarras na Arábia Saudita são ” contratos sociais cujos efeitos todos devem conhecer e respeitar em uma sociedade”.

O enforcamento, com baraço e pregão, de Tiradentes, seguido do esquartejamento e salga de suas terras e a maldição de seus descendentes eram, igualmente, normais, porque as leis conferiam ” ao Estado a administração da punição ao agressor”.

A escravatura estava nos códigos imperiais e na Constituição, até a Princesa Isabel. Com direito a poste e chicote em praça pública, porque, consagra o Direito, a pena deve ter caráter pedagógico e desestimular, pela punição, o cometimento de crimes que terão castigo exemplar.

Então, o garoto ou a garota poderá escrever, sem medo do professor que lerá sua redação, um parágrafo assim:

“Diante da atual onda de violência que caracteriza um sofrimento da sociedade, é justo que ela reaja no mesmo diapasão, fazendo aprovar leis que condenem à morte e ao suplício os acusados de crime e, para que isso produza efeito, que isso se faça com transmissão pelos meios de comunicação. Leis, claro, que a todos obriguem e não mero sadismo individual, o que seria, aí sim, uma afronta aos direitos humanos.

Deve, ainda, prever legalmente que a execução se faça – dentro do espírito de uma legislação que desestimule o crime – com meios que evidenciem o castigo que a coletividade confere aos que a agridem, com a decepação progressiva de seus membros e a exposição – há o precedente legal da “Lei de Talião” – da dor e sofrimento que causaram ao desrespeitar o que deviam ” conhecer e respeitar em uma sociedade” Claro que, com a misericórdia que nos obrigam nossas tradições ocidentais e cristãs, deve haver regras legais para a duração do suplício, digamos que dez minutos, para não dispersar o interesse coletivo, até a aplicação do golpe de misericórdia’.

Dez, nota dez!

Deus do céu, regredimos não anos, milênios!

contrib1

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

11 respostas

  1. O regresso aos tempos medievais.Mendoncinha e seus pares do MBL,misturados com o surubento Jucá e o ator(?) pornô Alexandre Frota dá nisso aí.

  2. é inacreditável!
    contra estado de exceção, exceção do estado. se este admite que justifica-se prisão perpétua ou pena de morte, que os da trincheira da cá decidam quem deve estar nas masmorras e nos patíbulos. então a luta de classes agora é guerra.

  3. Isso quer dizrr, então, que se um dia o povo brasileiro chegar ao século XVIII, poderá levar conspiradores, golpistas e entreguistas à guilhotina?

  4. Quem leu Foucault ou Pierre Bourdieu já sabia do abismo medieval-inquisitorial a que os nazifascitóides e descerebrados do golpe nos levariam.

  5. acho que, num acesso de pudor, não incluíram o pau de arara e a cadeira do dragão.

  6. Parece um decreto de um reino medieval. Com trombetas e tudo para anunciá-lo. E me remete à pergunta que não irá calar e que é de todos os tempos humanos: Por quem os sinos dobram? (de John Doe, se não me falha a memória).

    1. Corrigindo, o autor é Jonh Donne. Nunca é demais relebrar.
      “Nenhum homem é uma ilha, isolado em si mesmo; todos são parte do continente, uma parte de um todo. Se um torrão de terra for levado pelas águas até o mar, a Europa ficará diminuída, como se fosse um promontório, como se fosse o solar de teus amigos ou o teu próprio; a morte de qualquer homem me diminui, porque sou parte do gênero humano. E por isso não perguntes por quem os sinos dobram; eles dobram por ti”.

      Meditações VII, John Donne

    2. O nome do autor é John Donne. Está mais atual do que nunca. Foi referência para o romance de Heminghay que virou filme com esse título. Se o aluno do Enem resolver citá-lo, será que terá aprovação?
      “Nenhum homem é uma ilha, isolado em si mesmo; todos são parte do continente, uma parte de um todo. Se um torrão de terra for levado pelas águas até o mar, a Europa ficará diminuída, como se fosse um promontório, como se fosse o solar de teus amigos ou o teu próprio; a morte de qualquer homem me diminui, porque sou parte do gênero humano. E por isso não perguntes por quem os sinos dobram; eles dobram por ti”.

      Meditações VII, John Donne

  7. O QUE ESPERAR DE UM BANDO DE CRIMINOSOS QUE ASSALTARAM O PODER E SÃO SUSTENTADOS PELAS BANCADAS DA BOLA, BOI E BÍBLIA, ONDE EDUARDO CUNHA É ÍDOLO.

  8. ESCOLA COM ENSINAMENTO POLÍTICO DE TODAS AS CORRENTES DE PENSAMENTO -essencial- (é mais danoso a sociedade um analfabeto político de que um péssimo estudante de matemáticas )
    PRÁTICA ATIVA DO QUESTIONAMENTO EM TODAS AS ÁREAS
    PRÁTICA CONSTANTE DE ROTINAS DEMOCRÁTICAS NAS ESCOLAS .

    Estas são algumas ideias que nos ajudariam a ter uma sociedade de INDIVÍDUOS PENSANTES.
    Me pergunto por quê os pts além de facilitar o acesso a educação não deram um basta nessa instrução de robôs produzidos em série que é a escola brasileira.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.