Falta médico, na linha de frente e na última trincheira da vida

Janio de Freitas, na coluna de hoje na Folha de S. Paulo diz que Bolsonaro inaugurou seu desgoverno com devastação do Mais Médicos e fala da dispensa de 12 mil médicos cubanos.

Sim, e estes profissionais farão muita falta na hora de bloquear a chegada da pandemia do Covid-19 não só às periferias como às localidades mais remotas, considerando que o contágio se dá “de fora para dentro” e é das cidades de grande e médio porte que ele chegará lá, onde sequer há hospital, que dirá equipamento para casos graves, difíceis de remover pela distância e pela precariedade das vias.

Fui, então, buscar os números de nosso suporte de pessoal de saúde, com a ajuda de um amigo médico.

Temos, no país, 412 mil médicos. Isso representa 1,9 médico por mil habitantes. Para a comparação: Espanha, Itália e Alemanha, mergulhadas na crise sanitária, têm 4 médicos por ml pessoas. Cuba, a “maldita”, tem 8, na mesma comparação.

São poucos e são mal distribuídos no país: 53,3% estão no Sudeste, 18,45% no Nordeste, 16,5 % no Sul e 8% no Centro-Oeste (concentrados, claro, em Brasília e 4,7% na Região Norte.

Para atuar na última barreira para a morte, com experiência em envolvidos com intubação e ventilação assistida, temos 3.139 intensivistas (destes 75,9% atendem no SUS) e 15.086 anestesistas, dos quais 81,4% com vínculo com o SUS, embora haja médicos de outras especialidades com habilidade para isso.

Claro que nem todos estarão envolvidos neste esforço, e, ainda que estivessem, seriam poucos. Não podem trabalhar 24 horas por dia e o procedimento de intubação, nestes casos, onde o paciente é mantido sob sedação, exigem a presença o médico a cada movimentação do paciente – cuidado necessário em doenças pulmonares , ao menos duas vezes ao dia.

E as enfermeiras e enfermeiros com curso superior, que são a “infantaria” dos hospitais, quem percebe sintomas, dá os primeiros cuidados e o alarme, traz o médico a quem precisa dele e não descansa na vigilância do paciente? Nos cuidados intensivos ou semi-intensivos são necessários em número bem superior ao dos médicos, por estas funções.

São 251 mil, 84% vinculados ao SUS e com a mesma distribuição regional com distorções que a dos médicos.

Este pessoal, mesmo com os trajes adequados, como em países mais ricos, está sofrendo “baixas” de 10% por contágio. Quanto mais sob estresse forem mantidos, por longas semanas e cargas monstruosas de trabalho, mais vulneráveis estarão.

Se queremos que enfrentem esta guerra por nós, é preciso reforçar a tropa, e já, porque isso demanda treinamento.

O governo Federal tem de abrir um programa de contratação para ontem e capacitação para anteontem.

Ninguém se iluda, se alguém puder salvar a sua vida este alguém será do SUS.

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

15 respostas

  1. O Vice Mourão tem mais trânsito e prestigio dentro das FFAA do que o próprio Bolsonaro.
    Bolsonaro como todos sabem tem telhado de vidro, acredito que se for colocado contra a parede pelas FFAA ele renuncia.

  2. POR FAVOR !!
    Estou no NORDESTE, e estou recebendo informações de parentes que trabalham na aérea da saúde no RJ, e todos relatam que a situação é de GUERRA!! Falta materiais.
    E há profissionais se contaminando.
    Por favor, denunciem !!
    O Brasil precisa saber !!
    Nós o povo temos que usar as redes sociais ao nosso favor.
    Outra denúncia que quero fazer também:
    Nas periferias do Nordeste, há pessoas que estão fazendo festas , visitando umas as ouras como se tivesse tudo normal !!
    Vamos pressionar nas redes sociais !!
    Vamos fazer uma campanha pra conscientizar o povo alienado.

  3. O SUS, o SUS…ah, mas importante é o superávit primário e juros reais sempre maiores que o crescimento do PIB – para a dívida pública ser a eterna desculpa que, dos meus 51 anos de idade, ouço desde os 12 (em 1981). A diferença é que mudou majoritariamente de externa para interna.

  4. O presidente Cachorro Louco, disse claramente quando assumiu, que tinha vindo para DESTRUIR, e para liquidar com o POLITICAMENTE CORRETO, e após ,transformar governo em ESCRACHO e governar por TWITTER.

    Ou o povo acaba com esse Anticristo psicopata ,ou ele acaba com o Brasil.
    Simples assim !!

  5. Pois é, e esses médicos que basta ligar a luz da geladeira desandam a darem entrevistas nunca falaram sobre a importância de fortalecer o sus e a política genocida de contingenciamento do tchutchuka e do botafogo, aliás, os dois poupados de críticas pela mídia fazendo o jogo dos genocidas do rentismo que querem preservar os seus lucros nojentos dando a conta da crise para o salário do trabalhador público e privado pagar…..nem nesse momento de crise ia canalhas abrem mão de seus lucros assassinos…

  6. Faz-me rir. Com apenas 37% em confinamento e todo o resto trabalhando, andando de trem, metrô e ônibus, sem testes para controle da transmissão e portanto da epidemia por falta de vontade política do governo e não de grana, pois bilhões foram destinados aos magnatas empresários, Mandetta quer adiar as eleições 2020 para “evitar uma tragédia”. Se quisesse evitar uma tragédia estaria aplicando o teste na população e isolando os contaminados. Outro golpista no pedaço, pois está vendo a notória queda daquela pessoa no planalto e quer evitar sim, um desastre, mas nas urnas.

  7. E mesmo Itália, Espanha e Alemanha com em média 4 médicos por mil habitante e com um potente Estado de Bem Estar Social (apesar dos ataques que sofreram ao longo dos último 40 anos) estão se desdobrando para poder atender a TODA a população. Diariamente os profissionais da área sanitária e saúde pública destes países vem denunciando as dificuldades que vem encontrando para manter os serviços básicos premidos sempre pela falta de pessoal a de material. Está chegando a hora da verdade, da indestrutível verdade factual, dessas verdades que silenciam todas as mentiras que se contam para proteger simples negócios e negociatas ou interesses privados. Os vírus estão ai desde muitos milhões de anos antes que qualquer forma de vida simples ou complexa, para não dizer formas de vida racional, existisse, desconfia-se que os vírus não estão apenas relacionados à morte mas a própria origem da vida. O vírus é o menor mal que nos ameaça. Nossa maior ameaça ainda somos nós mesmos e os vírus da ignorância, do obscurantismo, da prepotência, da ganância, da violência e da guerra que cada um carrega consigo.

  8. Sim, o presidente em exercício disse que veio para desconstruir mas, agora que o risco de vida bate à porta de todos nós, temos que exigir que faça o que a lei manda: governar e cuidar dos cidadãos deste país. Contra os poderes ilimitados de segurança que almeja, quero a prestação da saúde e a segurança alimentar para todos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.