Fauci: parar os EUA poderia ter salvo vidas

Recomendo, a quem compreender inglês, a entrevista do Dr. Anthony Fauci, chefe do Serviço de Doenças Infecciosas do EUA e integrante do comitê do governo norte-americano para o enfrentamento da crise gerada pelo novo coronavírus.

Fauci – a quem um amigo, médico infectologista, chamou de “papa” da virologia – disse, com todas as letras, que muitas vidas poderiam ter sido salvas se não houvesse demora na implementação de medidas restritivas à circulação de pessoas.

“A mitigação mais cedo, poderia ter salvado vidas”, disse ao programa da CNN State of theUnion, sem fixar data para o levantamento das medidas. Ele disse que não há data para volta à normalidade, embora, adiante, se possa discutir alguma redução. “Não será um interruptor de luz que dizemos: ‘OK, agora é junho, julho’ … clique – o interruptor de luz liga novamente”.

A maior parte das expectativas de melhoria da situação, por lá, agora é setembro.

PS. Enquanto escrevia, Donald Trump anunciou a declaração estado de calamidade pública que entra em vigor em todos os 50 estados de uma só vez. Tomara que o imitador por aqui, desta, repita o “chefe”.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

19 respostas

  1. O Bozo não vai mudar de idéia, não adianta, a tendência é ele conseguir suspender a quarentena até o fim da próxima semana. O povo, por alienação e negação, já está voltando às ruas e deve aumentar a movimentação na próxima semana. Se vier a catástrofe que tantos estão anunciando, só vai restar encará-la com coragem e união.

  2. O problema é que o Jim Jones tupiniquim não está nem aí para salvar vidas; ele quer o caos. Só quando morrerem 10 mil, 30 mil ou 50 mil, o Jim Jones estará feliz.

      1. Ainda que tenha ocorrido assassinatos de opositores depois, a fase da matança feroz da ditadura pode-se considerar que foi até dezembro de 1976, com a chacina da Lapa.
        Em 1976 a população brasileira era de 109.8 milhões. Como hoje somos em torno de 212 milhões, os 30 mil que bolsonaro disse lá atrás que deveriam ter sido mortos, por um ajuste aritmético seriam correspondentes a ~58.000 assassinatos hoje.
        Não duvido que este celerado faça cálculos desse tipo e nas contas dele como mais ou menos 1/3 da população tem viés de esquerda, para matar este número de esquerdistas com o coronavirus o total de mortos teria que alcançar pelo menos 175.000.
        Na mente doentia destes necrófilos tudo é possível quando se trata de barbárie.

    1. E o Trump quer? Ele está apavorado é com a eleição. Pegou muito mal essa atitude dele e agora está correndo do prejuízo. Vidas pro Trump vale tanto quanto para o Bolsonaro. Todo esse movimento de barrar exportações da 3M e apreender materiais comprados por outros países é pra plateia Red Neck dele que é tão idiota quanto os bolsominions brasileiros.

  3. Não vai porque é burro. A vida das pessoas sensatas e do gado que muge quando ele fala não vale nada para ele.

      1. Vão jogar a culpa no SUS e no governo “corrupto” do PT. Se não tivessem destruído a receita do MS com a extinção da CPMF e com o golpe subversivo de Aécio, Temer, Moro, STF& tudo teríamos menos mortes e um governo agindo para salvar vidas. Onde estão os que babando ódio gritavam “saúde padrão FIFA”?

    1. Não vai porque a eleição é daqui a dois anos e ele sabe a capacidade infinita da população brasileira de esquecer tragédias.

  4. Ele só vai descansar quando o Coronavirus fizer…
    “um trabalho que o regime militar não fez: matando uns 30 mil”
    (Jair Bolsonaro)

  5. Bolsonaro é muito limitado intelectualmente não só de cultura, mas principalmente de cérebro.
    Ele só raciocina com atraso de dias ou meses.
    Dificilmente irá copiar o Trump nessa medida.
    Só pensa na economia imediata, mas se esquece que não tem economia sem vidas, sem saúde.
    Quem vai querer ir ao shopping ou restaurante podendo trazer para casa um vírus letal para sua família.

  6. O Bozo Amarelo ignorou o alerta desesperado das autoridades de saúde americanas no final de fevereiro, através de 3 emails mostrando o perigo que se aproximava.
    Agora ele está com cara de apavorado e dando uma série de desculpas inaceitáveis sobre sua irresponsabilidade, tanto que a reabertura do país marcada para amanhã foi adiada para o início de maio.
    O Bozo Burro é bem pior, pois é além de canalha e vagabundo, é uma cavalgadura inigualável e continua querendo abrir tudo em seguida, apesar de todos alertas.
    Os USA em um mês apenas tiveram 555000 infectados e 22000 mortos, mostrando o perigo desse vírus imprevisível que em alguns casos causa somente a perda por um ou dois dias do olfato e sabor, mas em outros casos pode matar em 2 dias, e pode ser isso que esteja chegando por aqui ,com um povo estúpido, despreparado e desinformado, que apoia o apodrecido presidente e vai passear com a família na rua, sem nenhuma proteção.
    Uma prova definitiva do perigo dessa pandemia é que os Estados Unidos, pela primeira vez em toda a história, está com os 50 estados, em estado de emergência, ao mesmo tempo, enquanto aqui a esculhambação é total, causada pelo ser mais vil e asqueroso que nasceu no planeta em qualquer época.

    1. O jogo é político visando 2022 no imenso Auschwitz que nos transformamos. Qtos vão morrer não interessa. Os que apoiaram a destruição da CPMF, a subversão de Temer, Aécio, STF&tudo não se preocupam com vidas mas com dinheiro. O resto é carvão para aquecer 2022.

  7. Aqui o jogo é político. É o jogo do poder, seja como for e sobre qtos cadáveres forem. As decisões são para 2022 e não visando deter a pandemia, o gado se reproduz. Qtos morrerão não interessa, somos descartáveis. Há um genocídio, um projeto político de usar as mortes para conseguir o poder. O resto é carvão.

  8. o brasileiro acha q espantara o virus mocoronga com risadas e conversas ao peh do ouvido, com todo mundo embodocado, tudo junto e beeeeem misturado.. entao tah neh? fazer o queh? vamu tratar de ficar bem longe dessa galera, enquanto der….

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *