Financial Times e o demagogia do ‘Capitão Corona’

A reportagem Financial Times nem é dura com Jair Bolsonaro, de quem se diz que pode sair fortalecido da anunciada infecção pelo Sars-Cov 2, mas certamente vai ser recebida com um “disgusting” pelos endinheirados da City londrina.

Afinal, chamado de Capitão Corona e exposto na sua boçalidade, Jair Bolsonaro não parece ser alguém que ofereça seriedade para que a ‘turma da bufunfa’ inglesa resolva investir suas preciosas libras por estas plagas.

Falando da atitude de Bolsonaro frente à pandemia, Andres Schipani, correspondente do FT, diz que “indiscutivelmente, nenhum outro presidente na história democrática recente do Brasil foi tão imprudente consigo mesmo ou com o país”.

(…) o “capitão Corona” – como os críticos o chamam – há muito nega a seriedade da pandemia .Ele chamou o vírus de “fungadela” para ser encarado ” como um homem, caramba “, embora o Brasil tenha sofrido 70.000 mortes e mais de 1,7 milhão de infecções, perdendo apenas para os EUA.

Mas isso, diz Schipani, pode trazer-lhe frutos:

Se esse Trump Tropical, como também é conhecido, sofre apenas sintomas leves, ele se tornaria um exemplo vivo de que o Covid-19 é apenas uma gripezinha (…) A culpa pelas dificuldades econômicas do país poderia ser transferida para inimigos políticos, que pressionaram por medidas de distanciamento social.

O artigo repisa a conflituosa história de Bolsonaro e a sua ” capacidade infalível de brigar com os legisladores” e a paralisia de sua agenda neoliberal, mas estima que sua imagem de “super-homem” venha a se fortalecer com o triunfo sobre sua anunciada doença.

Não creio que o representante do FT vá ter razão. É que, para além da doença (e para além do auxílio emergencial, inclusive) há uma profunda crise, da qual não se sairá depressa. E sem 600 reais.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

6 respostas

  1. Os donos do dinheiro não estão preocupados com o bolsonaro, sua destruição da amazônia ou do país. O que interessa a eles, e nisto o bolsonaro não interfere a não ser para que ganhem ainda mais, é que tudo se faça no jeito deles. E aí tem o guedes, o bolsonaro da economia, disposto a lhes dar tudo que querem e algo mais.
    O golpe deles também destruiu o país.
    E a eles, um Brasil destruído interessa. Explora-se mais facilmente.

    1. Esquecem do botafogo e do nhonho, os que realmente brigam no congresso para as patifarias do governo miliciano sejam aprovadas…..aliás, o botafogo já está cobrando a continuidade das desgraças chamadas reformas, uma excrecencia que não passa de desrespeito a constituição, como se o país tivesse que se submeter as vontade e gostos da gangue no poder…..para essa palhaçada nem precisava de constituição, cada governo que fizesse a sua…

    2. Bastou a Dilma cortar substancialmente os juros da dívida, para que a imprensa inglesa da bufunfa reagisse com fúria total, colocando na capa das revistas o Cristo Redentor como sendo um foguete que pifou e vai se arrebentar sobre o país. Coincidentemente, esta capa de 2013 surge exatamente quando começa a Revolução Colorida contra Dilma, no fatídico ano em que ela se rebela fortemente contra os juros bancários. Eles que denunciaram escandalosamente que o Brasil só estava a crescer 2% do PIB. Eles que começaram os esforços odientos para colocarem lá onde está o Capitão Corona.

  2. É gozado. Então, o Financial Times agora se dá ao trabalho de anotar quantas fungadas por dia o Capitão Corona está a dar? Por que tanto interesse nisso?

  3. Pois eu digo que ele sairá fortalecido e, de quebra, ainda vai reduzir os estoques de cloroquina. No país das fakenews em que ministro doutor em educação propõe o sofrimento da criança como método der aprendizagem, pessoas condenada por degradar o meio ambiente se tornar ministro do meio ambiente, ministra da agricultura fazendeira fica responsável pelo controle dos agrotóxicos e todas as contradições dos demais ministros, tudo, absolutamente tudo é possível, exceto a coerência e o futuro.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.