Folha entra no caso do ‘homem oculto’ na Petrobras

A entrada da Folha – e em longa matéria, com quatro repórteres: Alexa Salomão , Nicola Pamplona , Julio Wiziack e Leonardo Vieceli – no caso da suspeita de conflito de interesses dos indicados de Jair Bolsonaro para a presidência da Petrobras, Adriano Pires, e de seu Conselho de Administração, Rodolfo Landim, é um sinal evidente de que o caso vai escalar, a partir de amanhã, como um escândalo de enormes proporções.

Sobretudo porque a Folha foi ouvir empresários do setor que insinuam que os interesses do empresário Carlos Suarez – um personagem misterioso, que foge de fotografias – são a razão das escolhas feitas pelo presidente:

“A percepção no setor empresarial, após o anúncio da dobradinha, é que estava em curso uma engenharia política no governo e no Congresso para dar espaço aos interesses de Suarez na Petrobras. O empresário baiano também é próximo de muitos políticos, especialmente do centrão, entre eles o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL).
Nesse contexto, a discussão sobre a política de preços dos combustíveis, que justificou a queda do general Silva e Luna, passou a ser vista como uma mera cortina de fumaça, levando à percepção de que a gestão do presidente Jair Bolsonaro (PL) ultrapassava todos os limites éticos ao colocar na Petrobras, de uma só vez, dois homens ligados a Suarez.”

O jornal paulista já esquadrinhou as agendas do Ministro das Minas e Energia, Bento Albuquerque, e encontrou, em três anos, nada menos que 32 reuniões entre Pires e e ele ou seus subordinados do ministério, quase uma por mês, portanto.

E sugere que ele foi “padrinho” da inclusão da obrigatoriedade de geração térmica a gás em localidades desprovidas de gasodutos “enxertada” pelo relator Elmar Nascimento, do Democratas baiano no projeto da Câmara, e acabou sendo encampada pela base governista, para espanto geral. Elmar é um dos mais fortes aliados de Carlos Suarez na Bahia e, disseram empresários ao jornal, o “jabuti” teve o apoio do indicado de Bolsonaro :

Todo o trabalho de Pires em defesa das térmicas no projeto da privatização da Eletrobras é citado como uma mácula em seu currículo por executivos e especialistas da área de energia, pois há consenso de que o uso dessas térmicas não tem sentido econômico.

Desde cedo, hoje, o blog vem apontando – aqui e aqui – o potencial explosivo deste caso.

E, desde muito antes, a incompatibilidade de Adriano Pires com um política para a Petrobras orientada para o interesse nacional.

Bolsonaro não vai “emplacar” Pires facilmente no comando da estatal, anotem aí.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.