Fux suspende processos de Bolsonaro que ele próprio não fez andar

Segundo episódio de “câmera lenta” do dia.

O ministro Luís Fux suspendeu dois processos que tramitavam no Supremo Tribunal Federal contra Jair Bolsonaro, que dizem respeito suas agressões à deputada Maria do Rosário (PT-RS), sobre quem disse que não merecia ser estuprada, porque era “muito feia”.

Juridicamente, correto, por está na Constituição que o Presidente da República não pode ser processado por atos estranhos ao seu mandato, enquanto ele durar.

Mas a notícia, lá em O Globo, está lá pelo quinto parágrafo:

Os dois processos poderiam ter tido desfecho diferente. Em 1º de fevereiro de 2018, no primeiro dia dos trabalhos do STF no ano, Fux, que é o relator das duas ações penais de Bolsonaro, disse que a Primeira Turma da Corte deveria julgar os processo nos meses seguintes. Depois disso, porém, ele autorizou o adiamento de alguns depoimentos nos processos, não marcou o interrogatório de Bolsonaro e nunca os levou a julgamento. Com a posse dele e a suspensão agora dos processos, o depoimento dele deverá demorar para ocorrer.

Fux, portanto, já tinha feito pelo pai o que, há um mês, fez pelo filho: parar processos. Especialidade cada vez mais característica dele, como aconteceu com o auxílio-moradia, suspenso apenas depois de ser pago por quatro anos aos juízes e promotores.

Ao matar no peito os processos de Bolsonaro, o ministro que achava que uma simples entrevista de Lula poderia abalar as eleições mostrou que, para Bolsonaro, até um simples interrogatório poderia ser prejudicial ao candidato.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

14 respostas

  1. De onde saiu o FUX, de saiu o BOZONARO?
    DA MESMA CAMARILHA CARIOCA ONDE TODOS SE DÃO BEM E TODOS SE PROTEGEM.

  2. QUEM RECOMENDOU ESTE QUADRILHEIRO DE TOGA AOS PTS??????
    NÃO É POSSÍVEL ACEITAR QUE TENHAM SIDO TÃO INGÊNUOS,ESTE CARA TEM ESCRITO NA TESTA SUA INDECÊNCIA.

    1. O PT é “republicano”. É ético. É a virgem no puteiro. O Luiz Inácio indicou o Joaquinzão pois queria um negro no STF. Deu no que deu.

    2. Nas suas memórias José Dirceu escreveu que foi um dos responsáveis por esse colossal erro!
      Segue o trecho do livro Zé Dirceu – memórias vol. 1:

      No governo Dilma Rousseff, que indicou cinco ministros para a Suprema Corte —Luiz Fux, Rosa Weber, Luís Roberto Barroso, Edson Fachin e Teori Zavascki —, não tive nenhuma participação, com exceção do caso Fux, do qual tratarei mais adiante, um “case” de como erramos e feio nas indicações, ao ponto de sermos enganados por um charlatão togado.

      1. Pois é. O Dirceu deveria saber que a melhor escolha de ministro é aquela em que o escolhido inicialmente recusa o cargo, e que só o aceita depois de muito ser rogado. Todo aquele que demonstra vontade ou ansiedade por ser ministro do Supremo, principalmente aquele que faz campanha por isso, não merece que seu nome sequer seja considerado.

  3. Mas é assim que sempre funcionou essa tal justiça. Sempre diante do interesse de CONDENAR, ABSOLVER ou ‘barrigar’, somente dependendo da cara do freques.

    Fazer JUSTIÇA não é bem interesse dos tais juizes. Nunca foi. É so lembrar os casos envolvendo pessoas ligadas ao PT e rigorosamente qualquer outro caso.

    A ingenuidade da expressão ‘doa a quem doer’ só doi às pessoas ligadas ao PT.

  4. Assim como a maioria de seus coleguinhas de “supremo de merda”, Fux é um gigantesco monte de BOSTA !

  5. A cada dia mais abismado com as escolhas do PT para o supremo…pqp vai ser republicano lá na Grécia antiga…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *