Gebran rejeita decisão do STF e nega nulidade por ordem da defesa

O relator do processo de Lula, João Gebran Neto acaba, no seu voto sobre as preliminares de nulidade, acaba de negar validade à decisão do Supremo Tribunal Federal de que as alegações finais do ré devem ser apresentadas somente após as de réu-colaboradores.

Disse que ela é “ex-nunc”, ou seja, que só vale para processos onde não tenha sido prolatada sentença.

O que é, teratológico – o nome que os juristas dão a absurdos – evidentemente, do contrário sequer valeriam para os casos que o próprio Supremo julgou.

É um sinal, muito claro, de que os desembargadores vão provocar uma nova situação de confronto, porque o recurso ao STF, neste caso, será obrigatório e imediato.

E Supremo será obrigado a dizer se o que decide vale ou não vale.

Aliás, toda a primeira parte do seu voto já é a comprovação que, de novo, o julgamento é essencialmente político: não há uma vírgula que o voto reconheça.

O espírito de Sérgio Moro impera sobre todos eles e não esperem divergências essenciais nos próximos votos.

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

21 respostas

  1. O recurso disso aí só chega ao STF quando Celso de Mello não estiver mais lá, a partir de novembro de 2020. E o tempo até lá será consumido no STJ. É nisso que os canalhas estão jogando, para quando a podridão e bandidagem jurídica lavajateira dominar totalmente o supremo, inclusive chefiada pelo ‘in Fux we trust’.

  2. Cambada de criminosos.
    Há de haver uma reviravolta nesse mundo e esses canalhas vão todos parar na cadeia, que é o lugar para onde merecem ir, por usar suas prerrogativas para mandar para lá quem a lei não ampara.

  3. Alguém esperava alguma coisa boa? O relator de hoje é um dos envolvidos naquele julgamento com voto combinado entre os juízes “ontem”. Será possível, algum dia, anular e desmontar o aparelho de extrema direita que funciona dentro do estado?

  4. O duro disso tudo é saber que pagamos pra esse bosta trabalhar por uma tal de justiça.
    Se esse é o tratamento dado a um ex-presidente, o melhor de todos inclusive, imaginem o que seria de nós frente a frente com esse pústula.
    Revolta, indignação e temor pelo futuro.

  5. O sonho desse moleque gebran é ser enrabado pelo Lula. Adélio nele, com peixeira prá não escapar

  6. Gostaria de ver esses doutos juízes, receber seus salários parcelados e congelados, como a grande maioria do povo trabalhador brasileiro!! vergonha internacional!!

  7. Jogaram todos os princípios do direito penal no lixo, e no lixo serão jogados no julgamento da história. Mas, até lá muito pobre morreu de inanição ou nas balas do excludente de ilicitude…

  8. Algumas acepções do termo AUTORIDADE exigem atitudes maiúsculas, porque mesclam personalidade-instituição. A minuscularidade amesquinha a autoridade e põe em risco a instituição. Pagamos para quê?

  9. So povo pode impor limte, porem a gran de m idia arrebatou as mentes vazias e insanas de uma sociedade desprovida de reflexão e logica

  10. Na minha opinião, Lula não deveria candidatar-se em 2022 nem jogar com essa possibilidade. Sua função seria a de fortalecer os partidos progressistas a nível da política, promover e tornar visíveis novos líderes e ganhar as multidões dispostas a brigar. Este país está dominado por bandidos em todos os níveis do executivo, legislativo e do judiciário. As polícias e as FFAA são organizações podres a serviço desses bandidos. Somente uma sociedade organizada pode enxotar essa corja antes que ela destrua o Brasil. Lula é o único líder que pode aglutinar a população para defender os princípios que regem as nações civilizadas, livres e soberanas. Se ele não fizer isso agora, se perderá uma oportunidade única que não se repetirá. Sua eventual prisão, a que está sendo tramada pelos patetas pilantras de Porto Alegre a mando do conje, teria a função de impedir essas ações. Lula tem que ficar esperto e não se deixar prender outra vez. Na cadeia ele seria inútil.

  11. Não é bem o espírito de Sergio Moro que paira sobre eles e sim, o de P. Michael McKinley, o embaixador americano que chegou logo após o golpe 2016 para comandar a festa, a exemplo de Lynconl Gordon em 1964.

  12. Censurou meu comentário, Brito? Mas ele é muito útil para trazer luz às trevas que estamos vivendo. Duvida? Consulte os documentos desclassificados da CIA sobre 1964.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.