Generais de Bolsonaro embolsam até R$ 350 mil além do teto

A Folha acertou hoje um míssil devastador para a imagem dos militares brasileiros que, em sua imensa maioria, não estão na “boca rica” do cercadinho militar do Palácio do Planalto.

Revelou a soma recebida a mais, no último ano, pela dúzia de generais que estão ocupando ministérios e funções de confiança, nomeados por Jair Bolsolaro e beneficiados por uma portaria, assinada em 30 de março de 2021, que lhes permitiu ganhar até o dobro do teto constitucional de remuneração igual da de um ministro do STF (R$ 39.3 mil).

A lista: Luiz Carlos Ramos, o general secretário de Governo, levou R$ 350 mil além do teto; o soturno general Augusto Heleno, um “extra-teto” de R$ 342 mil, O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, em terceiro, embolsou R$ 318 mil a mais em um ano, mesmo tendo dito que a benesse era “imoral”. Em quarto, vem o ínclito general Walter Braga Neto, com “apenas” R$ 312 mil de bônus, porque teve de deixar o ministério para ficar com uma “boquinha” menor de assessor especial, para poder ser o candidato a vice do “Mito”.

Os quatro passaram a uma remuneração anual de perto de R$ 900 mil, sem contar os “atrasados”, porque a portaria “dobra o teto” vale a partir de janeiro passado.

O grupo de privilegiados, claro, é restrito e nele até que Jair Bolsonaro é dos mais modestos, porque recebeu apenas R$ 26 mil de “extras”.

Mas o dano à imagem dos oficiais-generais é imenso.

Se algum deles duvidar, que vá ler a enxurrada de comentários que, poucas horas depois de publicada, a notícia provocou.

E, como diz um dos que comenta, não ser diga que se quer desmoralizar os militares.

Alguns de seus próprios generais se encarregam disso.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *