General pede desculpas por Trump ter politizado Exército dos EUA

Se gostam tanto de mirar-se no exemplo norte-americano, os generais brasileiros deveriam assistir o vídeo divulgado hoje pelo militar que ocupa o mais alto posto dos Estados Unidos, general Mark Milley, chefe do Estado Maior Conjunto das Forças Armadas.

Nele, Milley pede, literalmente, desculpas por ter estar ao lado de Donald Trump na caminhada até a igreja de St. John, ao lado da Casa Branca, onde o presidente ergueu uma Bíblia e sugeriu usar o Exército contra os protestos anti-racistas, na semana.

Nossos generais da reserva que se prestam a acompanhar Jair Bolsonaro a manifestações que pregam o fechamento do Congresso e do Supremo Tribunal Federal poderiam perder 48 segundos para ouvir as palavras de Milley.

Porque os da ativa o farão.

Leia a transcrição do que ele fala, logo abaixo do vídeo, ao final.

Como líder, tudo o que você fizer será acompanhado de perto, e eu não sou imune. Como muitos de vocês viram o resultado da minha fotografia na Praça Lafayette na semana passada, provocou um debate nacional sobre o papel dos militares na sociedade civil. Eu não deveria estar lá. Minha presença naquele momento e naquele ambiente criou uma percepção de que militarespoderiam estar envolvidos na política doméstica. Como oficial comissionado, foi um erro, com o qual aprendi e espero sinceramente que todos possamos aprender. Nós, que vestimos a farda de nossa nação, viemos do povo de nossa nação, e devemos defender o princípio de um exército apolítico, que está tão profundamente enraizado na própria essência de nossa república.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

23 respostas

  1. Há uns 4 ou 5 anos, uma juíza da Suprema Corte fez um comentário político que aqui nem mesmo seria levado em conta. Pois ela veio a público pedir desculpas.

  2. Mas esse aí é um general do comando, os nossos aqui são sub-generais do sub-comando. General é general, entreguista é entreguista.

  3. São os mesmos que depois mandam matar ,sem pena nem dor ,e provocam massacres ,nos países periféricos.
    A sua negativa a participar do jogo político INTERNO ,louvável,deveria ser imitada no comportamento que essa turma de genocidas tem ao redor do mundo .

      1. O pior é que um imbecil desses deve se achar o máximo com as milhares de curtidas da robozada…
        A milicia digital transformou os generalecos em cãezinhos de Pavlov.

        1. Esqueceu que esse aí condecorou o Moro por duas vezes pelos bons serviços prestados a Pátria. É para chorar sangue.

  4. Aqui, na reserva, poucos são militares com -M- maiúsculo. A maioria é com -m- minúsculo de miliciano.
    Já na ativa é o contrário.

  5. Lá os caras entram no exército para servir a Pátria, ao passo que aqui, gente que não consegue emprego em lado nenhum,por ser burro, entra no exército para almoçar de graça e coçar o saco 6 horas por dia, e depois voltar para casa para jantar de graça.
    Por isso os Helenos da vida são tão babacas e dizem tanta besteira por minuto.

    1. Exercito “brasilero”, como diria Bento “Carnero” o vampiro “brasilero”. Eu prestei serviço militar, sai de lá apto em, pintar guias de calças e paredes, fazer faxina em geral, e com experiencia em servente de pedreiro. Pois é, marcha soldado cabeça de papel….

  6. Pois é, os gorilas de lá,são diferentes dos de cá, em alguns aspectos,claro.

  7. é que lá o exército é feito para invadir outros países. Cá, o exército foi feito para oprimir o próprio povo

  8. Se nossos generais virem esse video ficarão na dúvida se o general americano não seria um comunista enrustido a serviço da China.

  9. Infelizmente, o Brasil ainda não é uma nação. Como na frase atribuída a Lima Barreto, o Brasil não tem povo, tem público. Por isso os nossos militares são de uma mediocridade medonha, a ponto de darem sustentação a uma das maiores vergonhas da AMAN, o tenente terrorista que pensou em explodir a estação de tratamento do guandu. Eles verão esse vídeo do general dos EUA, mas não entenderão nada, não alcançarão o que está dito ali.

  10. Nos EUA (e devemos defender o princípio de um exército apolítico, que está
    tão profundamente enraizado na própria essência de nossa república.) kkk aqui eh exatamente o oposto q esta enraizado e digamos adubado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *