Geóloga da Petrobras diz que Congresso brasileiro saqueia seu próprio país

saque

Ana Patrícia Laier, geóloga da Petrobras há 18 anos, é especializada em formações geológicas de reservatórios de petróleo. Sabe, portanto, do que está falando ao explicar didaticamente o “caso” das áreas de cessão onerosa que a Petrobras adquiriu durante seu processo de capitalização, realizado em 2010 e, agora, liberadas pelo governo Temer e pela maioria da Câmara dos Deputados para ser, em 70%, leiloada a empresas, certamente estrangeiras.

Trata-se, essencialmente, de áreas do campo de Búzios (antes conhecido como Franco) e ainda a de outros que, somadas, representam um potencial de extração de cerca de 20 bilhões de barris. Isso é mais do que temos, hoje, em reservas de petróleo certificadas. No negócio da capitalização, a União vendeu à estatal o direito de explorar o mínimo que se estimava na época, 5 bilhões de barris, com a revisão de que jazidas excedentes pudessem ser adjudicadas à Petrobras pelo regime de partilha, dividindo com o governo brasileiro o que viesse a ser produzido a mais.

E o mais, viu-se à medida em que os estudos sísmicos e os poços pioneiros avançavam, era muito mais: quadruplicou a expectativa dos reservatórios de óleo. E, com ela, a expectativa de ganhos para o Estado brasileiro, algo em torno de 650 bilhões de reais.

Consumada a alienação de 70% das áreas, claro que este valor cairá. É por isso que a doutora Laier espanta-se: “como pode um Congresso ameaçar saquear seu próprio país?”

A história do pré-sal e o que significa para o povo brasileiro

Ana Patrícia Laier, no site do Clube de Engenharia

A Cessão Onerosa foi a forma encontrada pelo governo em 2009/2010 de capitalizar a Petrobras para a exploração e desenvolvimento do pré-sal, que é a maior província petrolífera descoberta (no mundo) em mais de 35 anos. Antes disto, o Mar do Norte teve sua primeira descoberta comercial com Ekofisk em 1969 e o pré-sal de Santos foi descoberto em 2006 com Parati (1-RJS-617D) e comercial com Tupi (1-RJS-628A) descobridor do campo de  Lula.

Através da Lei da Cessão Onerosa o Congresso Nacional autorizou a União a vender para a Petrobras o direito de produzir até 5 bilhões de barris de petróleo a partir de acumulações que a empresa viesse a descobrir em 7 grandes áreas, 6 definitivas e intransferíveis e uma contingente, a área de Peroba, recentemente leiloada. A lei foi sancionada e o contrato foi assinado entre a Petrobras e a União. Duas certificadoras foram contratadas para calcular os volumes, uma pela Petrobrás e outra pela ANP. Foram alocados volumes nas 6 áreas definitivas: Franco (Búzios); Sul de Tupi (Sul de Lula); Florim (Itapu); Nordeste de Tupi (Sépia); Sul de Guará (Sul de Sapinhoá) e Entorno de Iara (Norte e Sul de Berbigão; Norte e Sul de Sururu, Atapu).

O projeto tinha sido feito por grupo de trabalho formado por técnicos da ANP e da Petrobras em 2009. Tudo dentro da mais estrita legalidade e visando a otimização da riqueza para toda a sociedade brasileira. Algo semelhante havia sido feito pelo governo Norueguês antes da privatização parcial da Statoil com a venda das ações na bolsa de valores em 2001. O governo norueguês vendeu para sua estatal de petróleo e gás parte de seu portfólio de participações na produção de campos de petróleo e gás.

Pelo direito de produzir os 5 bilhões, a Petrobras pagou à União US$ 42 bilhões (quase 75 bilhões de reais). A União aumentou sua participação na estatal reinvestido este dinheiro na mesma. A captação na bolsa foi um sucesso. A Petrobras iniciou então a campanha exploratória nestas áreas. Adquiriu levantamentos sísmicos 3D; perfurou poços pioneiros e confirmou a presença de acumulações onde petróleo de excelente qualidade (grau API dentro da faixa dos intermediários) em reservatórios de excelente qualidade no pré-sal, play ( área de exploração) que já havia sido comprovado a esta altura dos acontecimentos. Lula iniciou sua produção definitiva em 2010.

Conforme previsto no contrato da Cessão Onerosa a Petrobras foi declarando a comercialidade na medida em que finalizava a etapa de delimitação/avaliação destas acumulações e elaborava o plano de desenvolvimento a ser submetido à ANP. Búzios e Sul de Lula foram os primeiros a terem a comercialidade declarada em dezembro de 2013. Itapu, Sul de Sapinhoá e Sépia lhes seguiram em setembro de 2014. E finalmente, em dezembro de 2014, os campos Norte e Sul de Berbigão, Norte e Sul de Sururu e Atapu tiveram sua comercialidade declarada.

Ao realizar a etapa de exploração e avaliação das áreas, a Petrobras verificou que nelas havia muito mais petróleo e gás do que fora adquirido com a Cessão Onerosa. Ainda segundo um modelo de desenvolvimento que otimizaria a geração de riqueza para a nossa sociedade, foi aprovada a contratação direta da Petrobras para produzir em regime de partilha o excedente da Cessão Onerosa. Isto ocorreu na reunião do Conselho Nacional de Política Energética realizada em 24 de junho de 2014 e presidida por Dilma Rousseff.

Em 2014 o excedente era calculado como sendo algo entre 9,8 a 15,2 bilhões de barris. Para a sociedade serão gerados com este modelo cerca de R$ 650 bilhões, sendo que destes, cerca de 500 bilhões serão destinados à educação. Então, o volume recuperável de petróleo que está em jogo é no mínimo 20 bilhões de barris que a Petrobras já tinha o direito de produzir. Como pode um Congresso ameaçar saquear seu próprio país?! Reage brasileiro!

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

12 respostas

  1. O imperialismo só atinge seus objetivos com a cumplicidade de pessoas sem honra que não hesitam na hora de prejudicar seus países em benefício de estrangeiros. A consolidação das independências de países da América Latina (o que nos inclui) só se dara na hora em que o inimigo interno for combatido e colocado na rédea curta, junto com os estrangeiros que se infiltram para alicia-los.
    20 bilhões de barris de petróleo – não sei se ainformação que tenho é correta, mas hoje a cotação estaria na casa dos US$ 70. 20 bilhões X 70 = US$ 1,4 trilhões, mais de R$ 5 trilhões. A maior parte deste dinheiro, descontados gastos feitos no exterior, ficariam aqui mesmo, gerando atividade econômica, empregos, desenvolvimento e melhoria nas condições de vida da população. Prender, fuzilar, enforcar ou guilhotinar os responsáveis pela entrega de tanta riqueza direta e indireta para gringos não reverterá a situação. O Iraque, Síria, Líbia, Venezuela estão sentindo na pele o preço por tentarem recuperar para si a riqueza. Enfim, bye, bye, brazil…

  2. Fernando, uma correção ortográfica no próximo texto seria interessante para podermos compartilhar.
    Abraços>

  3. A votação do projeto do deputado Aleluia trouxe perdas financeiras a estados e municípios.

    Normalmente esse tipo de coisa é sensível aos governadores e prefeitos, independente de coloração partidária.

    Por que o silêncio? Surpreendo-me com isso.

    1. Ninguém é bôbo. Não fazem ou deixam de fazer por simples engano. Vendida até a alma da 10a geração.

      1. Mencionei governadores e prefeitos, mas também tem os deputados estaduais e vereadores que a princípio também têm grande interesse que não haja perdas orçamentárias – nem que seja para que eles possam mamar mais com as mutretas de esferas estaduais e municipais.

        Um projeto de lei de um deputadozinho da Bahia que é colocado em pauta sem protesto de ninguém, das duas uma:

        1) a gorjeta foi tão bem distribuída que molhou as mãos não só do congresso, mas de inúmeras assembleias legislativas e câmaras de vereadores dos entes afetados – coisa de duas mil pessoas, por baixo;

        2) Botaram algum narcótico na água dessas casas, porque ninguém esboçou reação.

        1. Esse deputadozinho só e festejado por gente descerebrada, os típicos coxinhas, que prefere saltar de avião sem pára quedas a admitir que seus representantes são nocivos a seus (dos coxinhas) próprios filhos.
          Para o baiano que pensa, gente como o Aleluia é grandiosa vergonha!

  4. Eles vendem nossas riquezas á preço vil, recebem uma baita grana por fora, ficam ricos e, se o país quebrar de vez, eles vão morar fora. Simples para esse que se dizem “representantes do povo”. E o povo que se dane!!!!

  5. É muito triste saber que industriado por brasileiros traidores, entreguistas e sem caráter, nosso povo tenha uma visão totalmente distorcida do que seja patriotismo. Para a maioria de nossos ingênuos patrícios, heróis são jogadores de futebol e corredores de fórmula 1 bem sucedidos, gente cujo único feito tem sido ajudar a alimentar a imbecilidade coletiva neste país tão grande e amado.
    E, enquanto nosso insensato povo torce pros bandidos, vemos acontecer, sem a mínima reação popular, esses inconcebíveis crimes de lesa-pátria como o denunciado pela geóloga Ana Patrícia.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *