Governo sai em defesa de seus “faketeiros”

Muito embora o objetivo declarado da Ação Direta de Inconstitucionalidade proposta pelo presidente da República seja o de “defender a liberdade de expressão”, está mais que claro que a máquina pública está se movendo para produzir um afago dos núcleos do bolsonarismo hard aos quais a política fez Jair Bolsonaro, provisoriamente, fingir que está contrariando.

Trata-se de um inédito desvio das funções da Advocacia Geral da União, posta a serviço de uma articulação política inescondível: a rede de fake news que dá suporte político ao presidente e, para isso, ataca o Supremo sem pudor, até, de fazer ameaças pessoais aos seus ministros por várias vezes e à quebra da ordem constitucional, sempre.

O fundamento da decisão de Alexandre de Morais suspendendo o acesso deste grupo baseou-se nisso, na continuidade e contumácia dos chamamentos ao rompimento da legalidade constitucional e, portanto, ao cometimento de crime.

Dificilmente se obterá sucesso em tal ação, mas conscientemente se cria um impasse político e, agora, todas as medidas que se tomar contra os “faketeiros” serão, também, contra o Poder Executivo, que os oficializou, com a petição, no partido político cibernético e ilegal do bolsonarismo.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

8 respostas

  1. Brito, isso tem a ver com DINHEIRO tanto do pagamento da fakes pela SECOM quanto por ter quebrado o sigilo bancário de outros financiadores.
    Como não tem como atacar isso tenta-se pelo lado da inconstitucionalidade.

  2. Olha, essa ação é juridicamente nula. Como pode um advogado geral da união não saber disso. Esse tipo de ação só é indicada quando um dispositivo legal: lei, decreto, etc é aprovado. Aí pode-se questionar sua constitucionalidade, mas não cabe para questionar uma decisão no interior de um processo jurídico. Isso mostra: A incompetência do Advogado. 2- A estupidez de um presidente que não sabe que não existe liberdade de expressão sem sua responsabilização e que censura deve ser prévia a priori. Após a publicação não é censura, é responsabilização jurídica pelo que se diz ou publica.

    1. De fato, é uma vergonha que um ministro da justiça aja como um analfabeto jurídico. O desvio de finalidade, o abuso da função pública para favorecimento ilícito estão escancarados. É um escândalo e precisa ser duramente combatido para preservar a ordem pública e o próprio sistema de justiça.
      A responsabilidade está com o MPF e com os parlamentares, que têm o poder-DEVER de agir.

  3. De todos os podres poderes o STF foi o mais perverso,o mais maligno ao não defender a constituição e o estado de direito.
    Se hoje estamos nessa situação insustentável a maior parcela de culpa é do STF.
    Desde o mentirão injustiças e fake news são aceitas pelos VA-GA-BUN-DOS do STF transformado em um bordel com seus onze cafetões das leis.
    Hoje ao ser atingido,ao sentir a água bater na bunda resolve ser guardião das leis e da constituição mas o louvado Levandowski deu falsos ares de legalidade a um golpe sujo contra uma Presidenta honesta.
    Não me enganam nenhuma das porcas instituições desse País.
    Estamos fadados a assistir a extinção de nossa Nação cuja soberania não mais existe e iremos fazer exatamente isso; assistir nosso extermínio sem tirar a bunda da cadeira.

  4. Este monte-de-merda que ocupa a presidência é um mentiroso contumaz e doentio que só com mentiras consegue se sustentar, a verdade o derrubaria a toque de caixa. Não entendo a passividade das chamadas “instituições” diante disso.

  5. Problema é ter que justificar o dinheiro que receberam(STF) esses anos todos sabe-se lá de onde, como esconder isso e interromper essa coisa toda de redes sociais com “noticias falsas”. Espero recuperarmos a história com esses personagens vivos e suas hereditárias famílias serem finalmente espoliadas desse roubo continuado..

  6. Bolsonaro veio para lenhar com o povo, mas também para mostrar a essência da nossa elite de origem escravocrata. Criar as condições para colocar um facínora no poder. E quis o destino que surgisse em plena pandemia, possivelmente na mais grave crise humanitária da história. O temperamento, as ideias do Bozo foram forjadas na negação do humanismo. ” As favas todos os escrúpulos de consciência” Frase histórica do milico Jarbas Passarinho no momento do AI 5. Essa frase voltou quando a elite apoiou o Bozo. A pandemia lançou luzes sobre uma polarização que sempre existiu na humanidade: a disputa entre barbárie e civilização. Temos clareza de que lado está quem cravou 17. E que lado está quem o mantem no poder. Certo, FHC? Certo, irmãos Marinho? Certo, Maia?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.