Guedes elege o novo inimigo da Nação: o servidor público

Diz o G1 que o ministro da Economia, Paulo Guedes, comparou funcionários públicos a “parasitas” ao comentar, hoje, as reformas administrativas pretendidas pelo governo federal. em palestra na Fundação Getúlio Vargas, em São Paulo.

Segundo ele, seria absurdo o reajuste anual dos salários dos servidores que, segundo ele, já têm como privilégio a estabilidade no emprego e “aposentadoria generosa”.

Como todo autoritário, apela para estratégia de criar um “inimigo interno”, aquele que deve aparecer como causador de todos males.

Os “parasitas”, certamente, não incluem os servidores militares, única categoria com aumento de vencimentos que, este ano, importará numa despesa extra de R$ 4,7 bilhões, mais R$ 7 bi em 2021 e R$ 9 bilhões em 2022.

Nem acha que a “aposentadoria generosa” é a do capitão Jair Bolsonaro, aos 33 anos de idade.

Claro que há maus servidores públicos, daqueles que querem que “o mundo se acabe em barranco para morrerem encostados”. Mas há também, em muitísimo maior escala, o caso do servidor malvisto porque é que personifica “a cara” do serviço público deficiente.

Ou será que você vai achar eficiente o sujeito que, depois de você esperar horas na fila, diz que seu benefício previdenciário, pedido há seis ou sete meses, não tem data para sair? Ou que o exame que você precisa, no hospital, vai demorar três meses?

Além disso, como seria ilegal – e Bolsonaro já afirmou que não se proporá isso – que a reforma valha para os atuais servidores, o impacto sobre as despesas com pessoal da União será, do ponto e vista prático, nenhum.

Como só valerá para novos servidores e os concursos estão suspensos, será zero.

Mas serve para a campanha de ódios.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

29 respostas

  1. Guedes fala de corda em casa de enforcado. Esquece que o clã a que ele serve se alimentou de funcionários fantasmas e rachadinhas durante muitos anos.
    E o que se diz daqueles que se locupletaram nas escandalosas FRAUDES DOS FUNDOS DE PENSÕES?
    Superparasitas?
    Macaco em loja de louças.

    1. Olha, Mary Rose, os verdadeiros parasitas da sociedade são os banqueiros. Paulo Guedes é banqueiro.

      1. Especulador, com cara de permanente preocupação. Um olho na mercadoria e outro na esquina, porque nunca se sabe o que vem de lá.

          1. Canalha, é a designação mais adequada, na falta de adjetivo mais forte.

  2. O caminho é sempre o mesmo, vc começa a desqualificar a pessoa, grupo de pessoas, ou um movimento (a Globo faz isso quase diariamente), fabrica o consenso e depois vem com uma pesquisa dizendo que a população não quer isso. Fizeram com o MST, com o PT, com as reformas e agora atacam o funcionalismo público. O cidadão comum, induzido por essa propaganda velada, esquece que o vilão não é o funcionário público mas sim a criminosa concentração de renda e riqueza nas mãos de muitos parasitas que vivem de rendas (o dito capital improdutivo)

  3. Engraçado também como não há menção dos parasitas do judiciário, esses frequentemente ganhando acima do teto constitucional, com penduricalhos pra todo lado e, no caso dos juízes, o bônus de ser aposentado quando for julgado culpado por crimes.
    Guedes e Bozo são os típicos trogloditas que reclamam como a casa está caindo aos pedaços, com o martelo em mãos.

  4. De um certo modo ele tem razão pois ele é um servidor público, e é pai desta incompetência econômica que o país está vivendo.

  5. Egocêntrico, autoritário, arrogante, presunçoso.

    Parasita é quem vive de juros.
    Os amigos dele que levam quase metade do orçamento do estado, o “hospedeiro que está morrendo”.

  6. Guedes se acha. Certamente ele não se considera funcionário público no sentido amplo, mas funcionário de um muito restrito público. É um frango que pensa que é pavão.

  7. em 88 minha alegria com a estabilidade era a defesa do “serviço publico”não do servidor,não faz sentido precisar de gratificação pra demitir servidor aposentado ,pois ai ele não é servidor virou “empregado publico”trabalhava comigo um “funcionário” que no minimo botava cinco atestado médico por mês ,agora aposentado entrou na justiça pra não ser demitido,aposentou tem que ter fim estabilidade pega o que teu e vai pescar ou estudadr mais e voltar noutro cuncurso

  8. Velho desgraçado, certamente irá para o inferno.
    Deu um aumento monstro para os milicos de merda deste país, que almoçaram de graça a vida inteira, incapazes que são de produzir até uma vassoura com palha de milho, mas que agora passaram a ganhar cada um, como se fosse um astro do futebol internacional.
    Em comparação, o funcionário público essencial para a população e o andamento do país, além de receber uma merréca e não ter aumento, é chamado por esse mal elemento,fraudador de fundos de pensão e que nunca trabalhou na vida, de parasita.

  9. Esse VICÁRIO,gosta somente do funcionário público,que lhe pediu ao longa da vida,DINHEIRO A JURO.Pois é agiota,desde que nasceu. É mais garantido,pois desconta em folha.

  10. Parasitas são os rentistas, como ele, q não trabalha e vive de explorar a sociedade para ter lucros estratosféricos.

  11. É lamentável que tal manifestação desmerecida, aos servidores públicos do Brasil, venha de um ministro do povo que, constitucionalmente, conforme o Parágrafo Único do Artigo 1º da Constituição Federal diz: “Todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos ou diretamente, nos termos desta Constituição”, outorga-lhe autoridade nos termos da lei específica, para ele ajudar o seu governo sim, a realizar para o bem da nação e do país o que dispõe o Artigo 3º da CF, que trata dos Objetivos Fundamentais da República Federativa do Brasil.
    Para os que não conhecem ou não lêem a Constituição Federal, justifica repetirmos aqui, a íntegra desse importante ítem constitucional que, todos os cidadãos conscientes deveriam tê-lo na ponta da língua, aí está “Art. 3º Constituem objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil:
    I – construir uma sociedade livre, justa e solidária;
    II – garantir o desenvolvimento nacional;
    III – erradicar a pobreza e a marginalização e reduzir as desigualdades sociais e regionais;
    IV – promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação.”
    Voltando ao assunto, que se caracteriza como desrespeito e ofensa ao que todos os servidores públicos do Brasil, fizeram para que essa pátria fosse livre, forte, independente, segura, soberana, fraterna e cenário de bem-estar e de felicidade para sua população.
    Se este país chegou a ser reconhecido e respeitado no mundo inteiro, foi porque, atrás de cada Política Pública e na sua implementação, estavam servidores públicos das mais variadas atividades dos 03 Poderes da República Federativa do Brasil.
    Se o Brasil conheceu momentos em sua história de preocupação e valorização do ser humano, de combate a pobreza, a desigualdade, à corrupção, à sonegação, ao desenvolvimento mais justo do país, com o fortalecimento das universidades, dos centros de pesquisa e de geração de ciência e tecnologia, das empresas estratégicas, da saúde, da educação, da cidadania, da segurança pública, do agronegócio produtivo, da agricultura familiar e da agroindútria sustentável, da proteção e da conservação do meio-ambiente, da modernização da infra-estrutura física de armazenamento da produção e da mobilidade urbana e rural, etc, só para exemplificar a importância da participação do servidor público em tudo isso, porque, o servidor público é a prova e presença real de que o Estado Brasileiro Existe.
    Agora, ofender genericamente os servidores públicos do Brasil, entendo eu, como cidadão e pratícipe do povo brasileiro, que tal procedimento não condiz com a autoridade que um ministro têm para servir bem o povo que lhe paga para isso. Talvez, o procedimento esperado do ministro pelo povo que depende em suas necessidades, dos serviços cada vez melhores e necessários dos servidores públicos, fosse o seguinte: “de hoje endiante, estamos promovendo estudo para identificar os pontos fracos e/ou gargalos na prestação de serviços públicos por falta de servidores públicos para fazermos a reposição, capacitá-los e valorizarmos tais profissionais, para atendermos melhor a população do país, em suas carências e necessidades.”
    A justificativa para o que sugerimos, e talvez, vossos assessores não tenham notados, estão nos links abaixo que, dentre outras coisas, mostram que o Brasil, dentre as 10 Potências econômicas é o que menos tem proporcionalmente à sua população, menos servidores públicos pois, pois enquanto ele, 2º o IBGE, tinha em 2012, 1,6% de servidores públicos, e talvez por isso, seja um dos países mais injustos do planeta, já que essa mesma pesquisa do link, mostra o contrário, os países mais desenvolvidos, ricos e mais justos, são os que apresentam maiores percentuais de servidores públicos do que nós, em relação á população.
    E verdade que nem um cidadão brasileiro concorda com pessoas intituladas “servidores públicos” que não trabalham e nem produzem, pois são os oportunistas ou espertos que como muitos outros tipos de gente, vivem à sombra dos outros, no Brasil.
    Pense melhor no que falou e quando vier a públicos cite os dados do IBGE que, diferente de 2012, hoje deve ser muito menor.
    São as nossas sugestões e contribuições, ao assunto.
    Anexo os links abaixo:
    https://jornalggn.com.br/noticia/pronunciamento-de-guedes-nao-e-surpresa-diz-sindireceita/ ;
    https://oppceufc.wordpress.com/2019/01/17/os-15-paises-com-mais-servidores-publicos-no-mundo-2/ ;
    https://valor.globo.com/brasil/noticia/2013/03/15/ibge-funcionarios-publicos-eram-16-da-populacao-brasileira-em-2012.ghtml ;
    Sebastião arias
    Um brasileiro nordestinamazônida

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *