Guedes faz do caos sua bóia de salvação

Não é difícil de entender: o líder de uma equipe teria todas as condições de evitar o que o próprio Paulo Guedes reconheceu hoje ser uma “debandada” na equipe econômica.

Mais uma semana aqui, mais duas ali, nada disso é algo que, em condições normais, uma chefe possa pedir a seus subordinados, invocando a continuidade dos trabalhos em curso e uma transição suave de comando.

Se isso não aconteceu, das duas uma: ou Guedes não tem ascendência alguma sobre sua equipe ou ele joga com a ameaça do caos na economia para pressionar o Presidente da República para viabilizar medidas impopulares e que só passarão pelo congresso com o uso da força de Jair Bolsonaro.

A demissão, no mesmo dia, de Salim Mattar – dono da Localiza e coronel comandante da Divisão de Privatizações do governo e de Paulo Ueda, chefe da unidade de demolição do Serviço Público, devem ser olhadas assim.

Nenhum dos dois ia fazer, nas próximas semanas ou meses, nem privatizações nem reformas administrativas em meio ao caos econômico da pandemia. Mas anunciar, de um só vez, como tendo sido surpreendido, a saída de ambos logo depois de um encontro com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia e ainda dizer que as reformas dependem de o presidente querer para serem enviadas ao Congresso é, na prática, apertar o botão do f….

Que sacrifícios vai pedir dos deputados se não os consegue sequer dos auxiliares que nomeou?

O recado é outro: debanda-se quando se vê o desastre, o horror, o tsunami se aproximando.

Guedes e sua turma sabem que a ilusão de índices melhores dos que os registrados no caos nada querem dizer quando se fala do desempenho da economia e que não era a portinha da loja fechada o que estava arruinando a economia. Abri-las para o vazio , mesmo com álcool gel na porta não é solução econômica.

Ao mesmo tempo, o pequeno crescimento de popularidade de Bolsonaro entre os mais pobres, com o auxílio-emergencial fez o Mito salivar e exigir alternativas para “manter isso” sem novos tributos. Não dá, é claro.

O recado de Guedes aos parlamentares e ao próprio Bolsonaro é claro: façam o que eu peço, senão quem debandará sou eu e as consequências serão terríveis.

Nem com uns, nem com outro isso funcionará.

Guedes está com o passaporte carimbado para sair do comando da economia e, para o mercado, já fará pouca diferença quem administra a xepa estatal neste final de feira.

Os generais palacianos já miram o controle do cofre.

 

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

11 respostas

  1. A sangria desatada sem crescimento não terá solução! E crescimento sem investimento público é impossível. Privatizar na baixa é jogar custo de oportunidade “fora”…o tsunami chegou!

  2. Não sei. Já anunciaram sua queda antes. Acho que é uma tentativa de passar o congresso e o presidente para aprovar as reformas tão necessárias à destruição completa do país.

  3. O problema é que no Chile não o querem. Estão em pleno processo de desinfecção dos últimos traços de neoliberalismo pinochetista por lá, para restaurarem a paz política e social. E quanto aos Estados Unidos, se continuarem a receber peças deste calibre, vão acabar com a cabeça inchada.

  4. O problema é que no Chile não o querem. Estão em pleno processo de desinfecção dos últimos traços de neoliberalismo pinochetista por lá, para restaurarem a paz política e social. E quanto aos Estados Unidos, se continuarem a receber peças deste calibre, vão acabar com a cabeça inchada.

  5. O projeto do Gal. Braga é o projeto da Dilma. Chamem ela, volta querida. Será um PAC de farda.

  6. Há quatro anos e pouco, desde Temer, vem se destruindo os direitos e salários do trabalhador brasileiro, sob o sofisma de que isto geraria empregos. A pandemia só agravou o quadro de destruição de renda em curso. Como se pode esperar uma recuperação, um crescimento do PIB, nesta situação? A mais elementar teoria econômica é que renda gera consumo, consumo gera produção, produção gera empregos. Salvo raríssimas exceções, nenhum país do mundo cresceu sem um mercado interno forte. E nosso mercado interno é hoje um mercado de subsistência, de cesta básica, graças ao arrocho salarial e graças à falta de investimento público. Mas, aparentemente, os incompetentes de plantão acreditam em recuperar a economia e nos tornar uma potência mundial exportando commodities, privatizando (doando) bens e empresas públicas, destruindo o meio ambiente em prol do agro negócio. Sim, vamos nos tornar potência, potência da fome, da miséria, da desigualdade social.

    Guedes, infelizmente, é limitado e burro demais para comandar o Ministério da Economia diante do momento que vive o país.

  7. Acho que é uma ameaça. E isso vai ter que ser digerido pelo congresso, a direitona, os Bozos, a milícia e os milicos barrigudos. Se eles se sentirem ameaçados em seus projetos de poder, dominação ideológica, cargos do centrão, armas para a milícia, prerrogativas neoliberais… então vão sentar e conversar. Caso contrário o Guedes vai pra Flórida, e o novo Posto Ipiranga será fardado.

  8. Acho que é uma ameaça. E isso vai ter que ser digerido pelo congresso, a direitona, os Bozos, a milícia e os milicos barrigudos. Se eles se sentirem ameaçados em seus projetos de poder, dominação ideológica, cargos do centrão, armas para a milícia, prerrogativas neoliberais… então vão sentar e conversar. Caso contrário o Guedes vai pra Flórida, e o novo Posto Ipiranga será fardado.

  9. Vejo isso se desenhando desde aquela reunião de 22 de abril (a famosa pelas loucuras várias, com destaque para Weintraub). Naquele dia, diante da divergência explícita e frontal entre Guedes e Braga Neto, o oportunista Rogério Marinho (aqui do meu estado) ficou do lado do Braga Neto. Desde aquele dia eu raciocino que Guedes estava na corda bamba.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *