A “guerra ao Papa”, no ‘The Guardian’

guerraopapa

Muito boa a extensa reportagem de Andrew Brown, do jornal inglês The Guardian, sobre a oposição crescente e organizada, dentro da Igreja Católica, ao Papa Francisco.

O jornal Público, de Lisboa, publicou a sua tradução e é leitura obrigatória para quem quiser entender o que se passa dentro do Vaticano e como, também lá, as forças da intolerância não suportam a orientação humanista que o cardeal argentino Jorge Bergoglio imprimiu à Santa Sé.

Um aperitivo do texto integral , que está aqui:

O Papa Francisco é atualmente um dos homens mais odiados do mundo. E quem mais o odeia não são ateus, protestantes ou muçulmanos, mas alguns dos seus próprios seguidores. Fora da Igreja goza de grande popularidade, afirmando-se como uma figura de uma modéstia e uma humildade quase ostensivas. Desde o momento em que o cardeal Jorge Bergoglio se tornou Papa em 2013, os seus gestos prenderam a atenção do mundo: o novo Papa guiou um Fiat, transportou as próprias malas e pagou a conta em hotéis; sobre os homossexuais, perguntou: “Quem sou eu para julgar?”, e lavou os pés de refugiadas muçulmanas.

Dentro da Igreja, porém, Francisco tem desencadeado uma reação feroz por parte dos mais conservadores, que temem que este novo espírito divida a Igreja ou até que a destrua. Este Verão, um proeminente clérigo inglês disse-me: “Mal podemos esperar que ele morra. É impublicável o que dizemos dele em privado. Sempre que dois padres se encontram, falam sobre o quão horrível Bergoglio é… ele é como Calígula: se tivesse um cavalo, fazia dele cardeal.” Claro que após dez minutos de repetidas críticas, acrescentou: “Não pode publicar nada disto, senão serei despedido.”

Vale muito a pena a leitura, para católicos ou não, até poque não é a fé que se discute, mas tolerância, humanidade e poder.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

21 respostas

  1. Eu também e principalmente por suas posições que são as mesmas que pregou Cristo. Além do mais tem posição política e é contra governos corruptos e golpistas,por isso jamais virá ao Brasil com um governante como Temer

  2. Gestos humanitários e capitalismo jamais coexistirao em harmonia. Os capitalistas e imperialistas não suportam lideres humanitários que tentam implantar a divisão do Sol em quinhoes iguais para todos. É o velho egoísmo e a ambição desenfreada de alguns estimulando atitudes e procedimentos neste mundo cruel que ainda temos. A história tem fartos exemplos e Jesus é o maior deles. Entre os políticos nem vou citar nomes aqui no Brasil, mas não é difícil de imaginar de quem estou falando. Até quando será permitido que estes tolinhos interfiram na condução do planeta. Só Deus sabe, mas uma hora tudo isto terá um fim. Se Deus quiser.

  3. Sou agnóstico de formação católica e me pergunto como permitiram a um cristão verdadeiro ser eleito papa.

    1. Este é um mistério insondável. Mas chamar o papa Francisco de Calígula, como o fez o prelado inglês, é tão estúpido quanto chamar o próprio Francisco de Assis de Nero.

  4. Criado na igreja católica, hoje afastado, torço para que Francisco consiga mudar essa mentalidade retrógrada.
    É que não venha um novo Papa como o atual arcebispo de sp, capaz de apoiar uma desgraça como a farinata de dória.
    Vida longa ao Papa Francisco.

  5. Parece que a Igreja Católica ainda se mantém com os pés no período da Inquisição. Opus dei, significa alguma coisa???????? Como católico estou envergonhado, PaPa Francisco tem feito a diferença. Homem sábio, moderno, democrático, visionário.

  6. Por isso que a igreja católica perde muitos fiéis, as pessoas se cansam de tanta teoria impossível de viver na prática. Esses religiosos conservadores querem ainda que a missa seja rezada em latim, o Bento 16 propós isso.
    Muitos desses conservadores estão preocupados só com as finanças na igreja católica.
    Toda essa rigidez moral que certos religiosos pregam é só para os pobres, tem rico que casa e descasa e a igreja num fala nada, ou seja, é uma imposição mais para os pobres. Por isso que muitos se cansam e vão embora. E isso acontece no protestantismo também.

  7. Não acredito em religião nenhuma, mas “torço” pelo Papa Francisco. Não entendo muito das coisas, mas me parece que o crescimento das seitas evangélicas e suas igrejinhas de garagem nas periferias pode ser relacionada com a freada que João Paulo II deu no setor progressista da igreja. A igreja católica se afastou dos problemas reais dos pobres e os “bispos” e “pastores” teriam se aproveitado disso. Sei lá, algo assim.

  8. Precisamos saber mais coisas desse cardeal Burke. Ele deve detestar o time do San Lorenzo de Almagro.
    Na próxima eleição papal pelo jeito vai sair fumaça roxa ou verde.
    Pais com governo muito anti povo ele não vai. Padre e bispo tirando fotos dele tempo todo no vaticano, critica. No RJ preso no transito mais de hora parado, disse que nao sentiu medo algum apesar da fama de violencia. Um cara quer audiencia só pra se promover ou mostrar catolicismo , ele evita.
    Mas lembro muito bem qdo Hugo Chavez morreu.Dois dias depois, ja embalsamado a fila gigantesca de pessoas chorando diante do morto e a Midia mostrando.Aquilo ia longe… Mas quatro dias depois saiu a fumaça branca e papa chico foi escolhido..Nao deu outra. Imediatamente a Plimplim mobilizou tudo e fez uma looonga cobertura com entusiasmo. Eu nunca vi uma emissora tãooooo católica na vida e durou + de uma semana. Ate amainar a dor do povo em Caracas.

  9. Este é o melhor sinal de que ele está fazendo a coisa certa. Sou ateu mas apoio o papa Francisco por ser um dos pouquíssimos estadistas da atualidade e pelo seu humanismo. Espero que tenha um longo papado.

    1. Concordo com você sobre Francisco ser um dos pouquíssimos estadistas da atualidade. No mundo ocidental, ele é seguramente o único grande estadista. Na Igreja, seu exemplo moral e humano oxalá destrua a velha igreja elitista e distanciada do povo.

  10. Ou seja, toda e qualquer igreja é um instrumento de domínio dos poderosos, mesquinhos e gananciosos contra os pobres. Se alguma pessoa honesta assume um cargo de importância dentro dessas igrejas, ela é podada quando descobrem que essa pessoa é honesta.

  11. Impressionante a maldade e inveja sem limites que alguns têm da Igreja Católica e seu representante maior: o santo padre, o Papa. As pessoas que saem da Igreja católica nunca foram fiéis, por esse motivo saem… não suportam Sua Doutrina, Sua seriedade… realmente, lá não é o lugar delas. Bendito seja Deus pela vida do Papa Francisco. Homem escolhido por Deus… queiram ou não, todos os olhos do mundo ficam voltados pra ele, esperando qualquer palavra que saia de sua boca… reconhecem que ele é uma autoridade guiada por Deus!

  12. O Natal já passou, mas é bom manter a guarda levantada.

    Há um movimento da banda podre – ao que parece, mais que uma banda – da Igreja Católica no sentido de minar a influência do Papa Francisco. Há até uma corrente mais exaltada que defende a interrupção de seu Papado.

    Acredito que a teoria da sabotagem durante a espera pela morte do Papa falará mais alto.

    Assim, amigos cristãos, rezem, mais rezem muito, muito mesmo para que Francisco tenha uma vida longa e lúcida, porque logo após a sua partida – ou inabilitação – a Igreja colocará o Papado nas mãos do que tem de pior na Cúria Romana. Vai ser de Dom Odilio para baixo. Né não?

  13. Brito, li todo o artigo do Guardian. Francisco só tem uma solução: criar mais cardeais, nomear o máximo de aliados fiéis (e Deus o livre de fazer nomeações à Lula e Dilma para o STF…) para as novas vagas e assegurar que o Colégio de Cardeais que eleger o seu sucessor tenha uma maioria fiel ao seu pensamento, caso contrário, a Igreja voltará às mãos dos seus piores representantes. E se isso ocorrer, vai se esvair, como areia de ampulheta, lenta e inexoravelmente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *