O Brasil não cabe em mentes pequenas

mentespequenas

Passado o Natal – como disse, dia de agradecer – vem a percepção de que estamos na soleira de um novo ano, marca inevitável de um momento em que mesmo os mais pragmáticos tiram os olhos do presente e os põem no futuro.

Cada um de nós tem os seus planos, seus desejos, mas todos eles se perderão se presos apenas às nossas pequenas vidas.

Como disse o Tom Jobim, “é impossível ser feliz sozinho”.

Não é preciso falar da tristeza em ver nossos país estiolado, em ver as ruas se enchendo – de novo – de pedintes, e mergulhado no ódio e na perversidade, onde as “grandes conquistas da sociedade” são prender, condenar, enjaular, como nos exemplifica a entrevista de Sérgio Moro chamando de “retrocesso” a garantia civilizada de que alguém só seja preso se não estiver tendo recursos julgados ou se oferecer risco imediato à sociedade.

Melhor falar do que temos pela frente.

Não é apenas se Lula poderá disputar as eleições e quem as vencerá.

Significa mais, a nossa capacidade coletiva de enfrentarmos o destino de mediocridade que o pensamento colonial – devidamente reproduzido na corte das elites distante dos territórios do povão, como a marcar que, aqui dentro, também há metrópole e as lonjuras da colônia.

A classe dominante brasileira não tem um projeto de nação e, por não o ter, só tem como discurso a “gestão” e como bandeira a sua hipócrita “moralidade” . Tudo do que tentam convencer – e aos tolos, convencem – é de que precisamos de um gerente “eficiente” e “honesto”.

Um gerente que nos faça trabalhar mais, ganhar menos, aposentar-se mais tarde (ou nunca), que não desperdice com saúde, nem com educação além do mínimo e que, diante do mundo, espalhe-se em salamaleques e arregace nossa economia ao capital estrangeiro, este benemérito produtor de um progresso sempre prometido e nunca por ele entregue.

Para que possamos aceitar o que, dito assim, figura-se inaceitável, é preciso criar diversionismos. E estes não falta: os culpados pela nossa vida medíocre são os “bandidos”, os corruptos, os devassos, os malandros, os nordestinos, etc…

Missão em que é ajudada pela incrível capacidade de parte de nossa intelectualidade de derivar para a discussão de bobagens, a intromissão na vida privada alheia e a aceitação de uma pauta medíocre de temas que, francamente, só a velha UDN seja capaz de imaginar.  A “moral” – ainda que pelo seu inverso, espelhado, o patrulhismo – ocupa o lugar do real.

Tudo é pequeno no universo desta gente…

Nenhum deles coloca onde deve estar um fato objetivo: o Brasil é um gigante e não pode ser pensado com ideias miúdas.

Na sua visão dos míopes – que só veem de muito perto –  potencial não vale nada, importam os livros-caixa – agora vertidos em planilhas informatizadas – com suas colunas de azul e de vermelho.

As contas públicas, na visão deles, são algo como contar a féria do botequim: mede-se o que se vendeu e o que se pagou e o lápis à orelha emoldura a felicidade ou a tristeza conforme o resultado. Claro, sempre achando que o cearense que atende ao balcão está ganhando muito.

O Brasil só avançou quando se deu conta de que não é uma espelunca que tem de ser administrada como quem vive da mão para a boca.

Que um pais deste tamanho não vive, nem sobrevive sem sonhos, mesmo que a realidade seja cheia de insuficiências, limitações e defeitos.

Como, aliás, cada um de nós é, o que não impede que sejamos felizes, tenhamos autoestima e progridamos com nossos esforços.

Nossas dificuldades, nossas limitações materiais jamais nos impediram de dar o melhor possível para as pessoas que amamos, as nossas diferenças jamais foram obstáculos a que amássemos e aceitássemos os outros (claro que com as correspondentes brigas e incompreensões momentâneas), mossas dores não se transformaram em rancor.

Eles gostam de comparar um país com uma família, dizendo que o fundamental “é gastar menos do que se ganha”. Aceito a comparação, mas não o conceito: o essencial é que nunca falte o básico para ninguém, dentro desta casa.

Que preparemos 2018 assim, falando às pessoas sem ódio, sem verdades absolutas, com tolerância. Sabendo que não somos um rebanho de ovelhas, todas imaculadamente brancas. E que isto é o melhor da vida.
Não é um problema, é uma solução para nossas incompletudes.

 

contrib1

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

35 respostas

  1. “Eles gostam de comparar um país com uma família, dizendo que o fundamental “é gastar menos do que se ganha””. Esse é um conceito muito difundido, porém estúpido na minha opinião. Primeiro porque uma família, diferentemente de um país, é quase sempre homogênea, não se tem na mesma família diferenças gritantes. Não conheço nenhuma família que tenha simultaneamente brancos, negros, indios, lbgts, cristãos, ateus, muculmanos, umbandistas, sem tetos, sem terras, doutores, analfabetos etc,, cada um com suas especificidades e demandas próprias. Os países assim como as famílias crescem e não se pode ficar atrelado ao que se ganha. É preciso ganhar sempre mais. Imagine uma família com um casal que tenha uma determinada renda e esta renda fica estagnada. O que aconteceria quando nascessem os filhos? A riqueza da família seria dividida entre todos e à medida que aumentaria o número de filhos a porção de cada um seria cada vez menor. Se devemos comparar o país a uma família, neste caso é preciso aumentar a renda para que á medida que a família cresce ou o país cresce a parte de cada um acompanhe o crescimento, caso contrário ficamos todos cada vez mais pobres.

  2. Nao sei se Cristo existiu. Pode ser que sim ou que não. Se existiu, o Cristo histórico que está na bíblia, nos evangelhos (basta ler e se esforcem para encontrar uma única exceção ao que segue), não tem nada a ver com esta idiotice comercial do natal (pense no papai noel fazendo ho, ho, ho). Trazendo sua figura e biografia para a atualidade: ele era comunista, agitador político, liderança dos pobres e dos oprimidos, simpatizava e andava com mulheres liberais e prostitutas, esfaimados, doentes e foi chacinado porque colocava o poder dos ricos e dos exploradores em questão e em perigo. Quanto a ele ser filho de deus é uma questão pessoal de cada um e das administradoras da fé (religiões) e não factual, histórica. Passada a comilança do natal, pode-se pensar nisso.

    1. Podes crer. Jesus existiu sim e está cada vez mais atuante no coração dos que nunca perderam o bom senso e o desejo de justiça social a partir de uma vida digna e igualitária para os seus irmãos, filhos deste mesmo pai que tudo observa e tudo vê. Concordo integralmente com a sua visão de Jesus no campo econômico, só acrescentaria uma das grandes citações do mestre onde ele dizia: É mais fácil passar um camelo pelo fundo de uma agulha do que um rico( subentenda-se coxinha egoista) entrar no reino dos céus. Ao natural estes imperialistas do capital vão sendo excluídos do reino prometido. Jesus quer simplicidade no coração dos escolhidos e que seja dado a cada um o ganho sobre aquilo que produzir, sem exploracoes de qualquer sorte. Jesus, com toda certeza, foi no mínimo um socialista convicto e também o mais indicado para nos ensinar o caminho da redenção espiritual. Viva Jesus!

      1. Rui, esta frase:
        o desejo de justiça social a partir de uma vida digna e igualitária para os seus irmãos, filhos deste mesmo pai que tudo observa e tudo vê:
        Não é compreendida pela maioria dos cristãos que conheço, pois a ideia é restrita só aos membros da igreja ou aosmuito próximo aos mesmos.
        Este tal “social” pra eles é o “particular”, “comunitário”, não entendem sobre politicas publicas, só percebem a solidariedade quando os pastores promovem uma pontual festa para atender a momentaneamente a fingida humilde e generosidade natalina.

        1. Se ele tudo vê e observa deveria ter denunciado a oligarquia brasileira desde 1500 e evitado assim a escravidão dos africanos, mas tbm a destruição da população indígena. Onde estava o tal onisciente e onipresente? Religião continua sendo instrumento descarado de domínio arbitrário dos fragilizados e oprimidos.

          1. Demorei 38 anos para aprender isso, mas foi uma verdade mais libertadora do que qualquer religião. Tornei-me não um ateu, pois o ateísmo é também uma crença, mas um agnóstico. Ficaria muito feliz se Ele se revelasse, mas nada me faz acreditar que um dia acontecerá.

          2. Luiz Ribeiro, Deus deu ao homem o livre arbítrio, ou seja, a faculdade ou capacidade de escolha.
            Quem criou praticamente todo o sofrimento pelo qual a humanidade (e também os outros reinos da Terra) passa (e passou) foi o próprio homem, com suas escolhas habitualmente erradas e egoístas!
            Não culpe Deus pela estupidez e egoísmo humanos!
            A Lei da Evolução para o homem, considerando que ele é dotado de livre arbítrio, requer que ele vá aprendendo com suas próprias escolhas (certas e erradas ou apropriadas e não apropriadas) e com as consequências (boas ou más, desejáveis ou indesejáveis) dessas escolhas. Os sofrimentos, provocados na grande maioria das vezes pelas escolhas erradas do ser humano, são muito úteis ao seu processo de aprendizado espiritual. Assim, com as várias lições que lhe vão sendo ensinadas na escola da vida, à medida que ele as aprende e integra em sua consciência e as aplica em sua vida, ele vai evoluindo, comumente a passos muito lentos, porque habitualmente ele não compreende as lições que lhe estão sendo passadas, e continua cometendo os mesmos erros e mantendo hábitos (mentais, emocionais, físicos, comportamentais) que já deveriam ter sido eliminados ou devidamente ajustados.
            Há MUITA COISA, MUITA COISA MESMO para se falar sobre essas questões, mas aqui não é o espaço apropriado para aprofundar nessas questões, e nem sei se as pessoas estariam interessadas nesses estudos, que considero serem de EXTREMA IMPORTÂNCIA para o verdadeiro progresso (espiritual, moral, intelectual, emocional e físico), de forma integrada, da humanidade.
            Abraços a todos.
            Feliz natal!

          3. Fecho com você Marcos em gênero, numero e grau. Deus está muito acima de todos os sistemas e desorganizaçoes humanas que conhecemos. Um dia todos nós veremos que todas as lambanças que aqui fizemos foram simples instrumentos de aprendizagem, prenunciadas por Jesus e posteriormente afirmadas e confirmadas por Allan Kardec, o codificador do Espiritismo há quase duzentos anos, e por vários outros mestres que este mundo já conheceu. Não percamos a esperança, o joio ja, já será banido do planeta e um vasto trigal nos aguardará com tudo que Deus nos prometeu. A humanidade ainda engatinha em procedimentos do bem. Na hora certa tudo se resolverá.

          4. É isso aí, Rui.
            Concordo com você.
            Se quiser, dê uma olhada no comentário que fiz no Diário do Centro do Mundo em um texto que trata de modo preconceituoso sobre a religião. Gostei do comentário do leitor Antonio Passos sobre o referido texto, e achei apropriado acrescentar a minha crítica àquele texto a fim de contribuir para o aumento da compreensão das pessoas sobre um assunto tão importante.
            Abraços.
            Feliz Natal a todos

          5. Caro Marcos, eu não culpei ninguém porque não acredito em Deus. Sou ateu e tbm agnóstico : não acredito e não há provas sobre a existência. Tanto as maravilhas quanto as mazelas do mundo humano são criações do próprio homem que é constituído tanto do mal quanto do bem. Acredito assim na sabedoria da vida pois é só o que temos. Precisamos viver dignamente e aprender com nossos erros e acertos. O Brasil já teria há muito tempo curado suas mazelas se não fosse pela religião católica e agora evangélica. Esse mal que mutila e cega os homens pois impõe subjugação e fraqueza. Sou muito mais o Nietzsche do Zarathoustra que anúnciou a morte de Deus há mais de um século.
            Feliz Ano Lula 2018 !

          6. Caro Luiz Ribeiro, você tem todo o direito de acreditar ou não acreditar em Deus.
            Apenas para reflexão sobre o assunto, se você assim desejar, vou lhe passar vários belos pensamentos sobre esse assunto:
            “Um pouco de ciência nos afasta de Deus. Muito, nos aproxima,” Louis Pasteur
            “Achar que o mundo não tem um Criador é o mesmo que afirmar que um dicionário é o resultado de uma explosão numa tipografia.” Benjamin Franklin
            “Eu creio no Deus que fez os homens, e não no Deus que os homens fizeram.’ Alphonse Carr
            “Eu entendo que um homem possa olhar para baixo, para a terra, e ser um ateu; mas não posso conceber que ele olhe para os céus e diga que não existe um Deus.” Abraham Lincoln
            “Levantai ao alto os vossos olhos e vede: Quem criou todas estas coisas?!” Isaías (profeta do Antigo Testamento)
            “Deus nos concedeu tanta e tamanha liberdade de pensar que nos faculta até o direito de negá-LO.” Plácido Afonso
            “Os céus proclamam a glória de Deus, e o firmamento anuncia as obras de Suas mãos.” Salmo de Davi
            “Considero uma frivolidade pensar que apenas nosso pequeno planeta tenha vida.” Wernher von Braun
            “Observando a precisão das leis e a uniformidade dos ritmos que regem os astros e os átomos, temos de concluir que uma Inteligência presidiu a criação e a formação de tudo quanto existe.” ´Plínio Salgado
            “Conhece-te a ti mesmo e conhecerás todo o universo e os deuses, porque se o que procuras não achares primeiro dentro de ti mesmo, não acharás em lugar algum.” Frase to templo de Delfos na Grécia Antiga
            “Procura-se Deus na vastidão do firmamento; no entanto, onipresente, Ele se acha no recesso de cada ser.” Leoni Kaseff
            “Além da terra, além do infinito, eu procurava em vão o céu e o inferno. Mas uma voz me disse: – O céu e o inferno estão em ti mesmo.” Omar Khayám
            “O reino de Deus não vem de um modo ostensivo. Não sigais aos que vos disseram: – Ei-lo aqui, ou ei-lo ali.Porque o reino de Deus está dentro de vós.” Jesus
            “Á medida que se vão alargando os limites do conhecimento humano, aquela imagem medíocre que tínhamos de Deus vai se engrandecendo. Deus deixou de ser provinciano para se tornar realmente universal.” Wernher von Braun
            “”Oh! provai e vede que Deus é bom; bem-aventurado o homem que n”Ele se refugia.” Salmo de Davi
            “As leis que regem o Universo estão em oposição com as doutrinas que procuram dominar, restringir, bitolar a consciência do indivíduo. – A educação pelo medo deforma a alma.” Coelho Neto
            “A verdadeira religião ensina, orienta, eleva, edifica, porém não ameaça. A infinita bondade de Deus não pode ser clava mortal para os pecadores.” Austregésilo de Athayde
            “Não basta ser caridoso ou frequentar igrejas. Sem amor ao próximo, sem autoconhecimento, o homem é um hipócrita e um joguete das circunstâncias.” Unidade
            “Não há sentido em orar-se pela manhã com um santo, e viver-se como um bárbaro o resto do dia.” Alexis Carrel
            “Se alguém supõe ser religioso, deixando de refrear sua língua, antes enganando o próprio coração, a sua religião é vã.” Epístola de Tiago
            “A fé sem obras é morta… Qual é o proveito, se alguém disser que tem fé, mas não tiver obras?” Epístola de Tiago
            “Tudo que está sobre a terra condensa-se num único grito para afirmar a existência de Deus.” Victor Hugo
            “Um pouco de filosofia inclina o homem ao ateísmo, mas a profundidade em filosofia leva o homem à religião.” Balmés
            “Todas as fórmulas para uma vida feliz repousam em um ideal superior.” Austregésilo de Athayde
            “Deus é o homem menos o ego.” Sathya Sai Baba
            “Matem o ego!” Sathya Sai Baba (Observação: EGO aqui tem o sentido do falso eu, limitado, condicionado, algo como uma casca construída a partir das falsas crenças e dos comportamentos, valores, interesses, gostos decorrentes dessas falsas crenças. Eliminando o EGO, o falso eu, o que fica é o nosso verdadeiro EU.)
            “Vós dois deuses e filhos do Altíssimo, todos vós… Podeis fazer tudo o que faço e muito mais.” Jesus
            “Eu sou Deus, mas vocês também são. A diferença entre mim e vocês é que vocês ainda não compreendem quem vocês realmente são. Vocês ainda não têm consciência de quem realmente são.” Sathya Sai Baba
            “Fiz na vida o meu escudo desta verdade sagrada: O nada com Deus é tudo, e tudo sem Deus é nada.” Belmiro Braga

          7. Caro Marcos, não aprecio o proselitismo. Não estou pedindo aprovação ou permissão de ninguém sobre supostos direitos meus ou de outros. Insisto : tenho minha própria filosofia de vida e ela me basta. Não costumo impo-la a ninguém. Que a praia de cada um tenha a porção justa de areia e de mar. Abraços.

  3. os trolls estão de folga no natal? já faz mais de uma hora da postagem, e nenhum babão apareceu!
    pelo jeito até a turma dos 1200/mês tem uma folga!

  4. “Gastar menos do que se ganha”. Isso funciona em nossa casa. Comparar um país à uma família é de uma miséria intelectual gigantesta. Se isso fosse verdade, países desenvolvidos não teriam dívidas superiores ao seu PIB. Japão e EUA, só para citar duas grandes economias, tem dívidas de mais de 100% de seu PIB e nem por isso pode-se dizer que estão quebrados. A dívida do Brasil, quando Dilma foi deposta pelo golpe, era de 62% do PIB, muito longe, portanto, de sermos um “país quebrado pelo PT”, como a direita quer que acreditamos, sem apresentar dado algum para comprovar essa falácia. O mesmo vale para a Petrobrás, que está sendo dilapidada por esse governo inconsequente.

  5. Se Jesus existisse e estivesse no Brasil pregando a palavras que estão no Evangelho estaria sendo processado pela Lava Jato, acusado de agitar as massas e fazer palestras com honorarios não declarados de acordo com a delação de um dos seus amigos Judas o qual já foi libertado e vai passar o reveillon em casa.

  6. Excelente mensagem para 2018 Fernando. Estranha moral de quem nunca trabalhou, ricos por herança, pela especulação, ou derivada de uso de cargos públicos em beneficio próprio como de nossas autoridades judiciárias. Feliz 2018 Fernando.

  7. Já que se falou em diversionismos, incrível a capacidade de nossa grande imprensa em reduzir os problemas do país ao futebol ou à bunda com celulite de alguma celebridade.

  8. “Sabendo que não somos um rebanho de ovelhas, todas imaculadamente brancas. E que isto é o melhor da vida. Não é um problema, é uma solução para nossas incompletudes.”

    Enquanto a esquerda continuar a contabilizar os criminosos como necessários é “engenharia social”, mais eu confirmo minha intenção de voto em Bolsonaro.

    1. Kawarinha

      Dilma é uma jumenta ?
      Pelo tamanho da tabaca da sua mãe, tenho certeza que a jumenta é ela.
      Lula é ladrão ?
      Vocês quando veem o nome do Lula começam a dar coceiras nos CUS e desatam a escrever mais MERDA.
      Lave a porra da sua boca pra falar da Dilma ou do Lula.
      Você, Capiau V.C.M.P e o Arnestinha começaram o troca-troca ?
      Vão entrar o Ano com esse troca-troca ?
      A diferença entre eu e você, é que voce, ganha pra disseminar MERDA . Eu faço por puro PRAZER .
      NÃO PRECISO TER PRESSA. TENHO TODO TEMPO DO MUNDO.
      VAGABUNDINHA.
      Xibunguinha !
      Vagaba !
      Otária !

    2. Uma ova que vai votar no Bolsonaro.

      Votará mais uma vez nos Tucanos. Até você já sabia que Bolsonaro era peça a ser sacrificada pra proteger o Tucanato.

  9. As notícias no dia de natal das paginas na web da imprensa corporativa é um desastre – celebritoides, futebor, novelas, escandalos.
    No maior portal de vídeos a audiência é grande em as categorias da estupidez.
    O livre mercado acabou com o espírito de Natal.

  10. Sem dúvida é necessario
    Estarmos e comunhão e
    Rever nossos conceitos
    Gratidão a Deus, sermos
    Irmãos, e sempre ter a
    Oração como principio
    Generosidade para ter
    União entre os povos,
    Esperança e alegria na
    Irmandade

  11. Temos que enfrentar o destino de mediocridade a que nos transporta o pensamento colonial, mas não vais ser fácil. O “lawfare” está a toda vela, e ainda não digeri o “impeachment”.

  12. Eles gostam de comparar um país com uma família, dizendo que o fundamental “é gastar menos do que se ganha”. Aceito a comparação, mas não o conceito: o essencial é que nunca falte o básico para ninguém, dentro desta casa.

    Aplaudo de pé essa frase sua,caro Fernando.

    Nada mais tenho a acrescentar.

  13. Quando os propósitos expansionistas da política externa do governo Lula começaram a se revelar, por volta de 2004, com a abertura de diversas embaixadas na África e com a aproximação a países do Oriente Médio dos quais o Brasil nunca antes havia se aproximado, o senador Jefferson Peres, um moralista conservador que, apesar de pertencer ao PDT amazonense sempre cevou suas ideias na convicção profunda de que o Brasil havia nascido para ser pequeno, atrasado e insignificante, foi tomado por uma cólera tão grande que deixaria o ódio de coxinhas de hoje no chinelo.
    Escreveu um furioso artigo ao qual a Folha de São Paulo deu grande destaque: “Brasil: Megalomania e fracasso”.
    Mais tarde Peres foi grande destaque persecutório na CPI dos Correios que inflou o balão do chamado Mensalão. Para ele, o mundo político era sofrivelmente saudável até o dia em que o PT ganhou as eleições e instaurou o chamado esquema do “Mensalão”. O que mais ansiava, não apenas ele, mas também todo o mundo político conservador do país, era que o PT desaparecesse e o Brasil voltasse a ser o seu pequeno e atrasado Brasil, onde a corrupção era oculta e abafada pela mídia e onde uma ou outra denúncia singela formulada por ele mesmo na tribuna do Senado o fazia uma espécie de combatente eterno por uma moral inatingível na política.
    Livros se escreveram recentemente sobre a “Euforia e Fracasso do Brasil Grande”, onde a política externa dos governos petistas e sua política de construção de empresas campeãs multinacionais brasileiras são tidas como um grande fracasso, já que passaram a ser investigadas (por uma justiça exótica) pela suspeita de que “integravam um esquema de tráfico de influência e pagamento de propina”. Mesmo sendo isso basicamente uma mentira, soa como se pequenos percalços morais anulassem toda construção magnífica do trajeto percorrido. O Brasil Grande foi, apenas de tudo, construído. E fazê-lo recuar à antiga pequenez é impossível.
    As travancas ao desenvolvimento econômico e social do Brasil, quando comandadas de fora por interesses externos, são apenas frias e objetivas. Mas quando comandadas internamente, por quem se compraz em pertencer a uma elite que se julga americana e que vive aqui exatamente como uma elite inglesa do século XIX vivia em alguma ilha de nativos ignorantes que explorava como seres divinos e superiores, então estas travancas não são apenas frias: São feitas de ódio enraizado historicamente e de cruel impiedade para com seu próprio povo. Entretanto, este mesmo ódio é o indício mais claro de que com esta elite, e não com o Brasil, está o inexorável fracasso. Ela vai morrer, vai se extinguir, e o Brasil Grande seguirá em frente para seu brilhante futuro.

  14. O Brasil não cabe em mentes pequenas, mas cabe em corações pequenos. Tem muita gente mesquinha que detesta pobres e principalmente se o pobre for negro.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.