‘Homem da mala’ apontado por doleiro era assessor pessoal de Roberto Marinho

A festejada delação premiada do doleiro Dario Messer produziu um efeito colateral.

A narrativa da Veja é arrasadora:

Em depoimento realizado no dia 24 de junho e que consta no anexo 10 da delação que tem mais de 20 capítulos, o doleiro afirma ter realizado repasses de dólares em espécie para os Marinho em várias ocasiões. Segundo o delator, a entrega dos pacotes de dinheiro acontecia dentro da sede da Rede Globo, no Jardim Botânico. Messer diz que um funcionário de sua equipe entregava de duas a três vezes por mês quantias que oscilavam entre 50 000 e 300 000 dólares.

E quem pegava estas “malas”?

De acordo com o delator, a pessoa que recebia o dinheiro na Globo era um funcionário identificado por ele como José Aleixo.

E quem é José Aleixo? Não só sempre foi o homem forte das finanças da Globo, como assessorava o próprio Roberto Marinho em suas movimentações financeiras desde os tempos dos acordos com a Time Life que permitiram a construção do império. Na tese de doutorado de João Braga Arêas, na Universidade Federal Fluminense, em 2012, a proximidade singular entre Marinho e Aleixo já era registrada:

Em 1969, Marinho comprava a parte de suas empresas que pertencia a Time Life, através de financiamentos obtidos com o banqueiro José Luiz de Magalhães Lins e com o Banco da Estado da Guanabara. Alguns integrantes da empresa norte-americana permaneceriam na Globo, como Joe Wallach, José Aleixo e Homero Sánchez.

Aleixo era, portanto, mais que um funcionário da Globo: era amigo íntimo de Marinho e detentor de segredos que, nesta condição, defendia todo o tempo. Foi, por isso, um dos adversários mais empedernidos do projeto Memória Globo, mas lá acabou aparecendo em um econômico perfil.

Irônico que ele, o homem em que “Doutor Roberto” mais confiava em matéria de dinheiro possa ser o início do fio da meada que descerre os segredos dos negócios bilionários da família Marinho.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

2 respostas

  1. com relação ao novo visual do site nota 1000. Com relação aos marinhos e a globo: já destruiram nosso país e nossa cultura. Não tenho palavras prá descrever meus sentimentos com relação ao que fizeram com nosso país.

  2. Fernando Horta, no jornal ggn de Luís Nassif, põe o dedo na ferida do universo web da esquerda que continua chorando suas pitangas em relação a malfadada pesquisa datafolha que não traz absolutamente nada de novo para análise do cenário eleitoral relativo a 2022. Por outro lado, oferece uma perspectiva perfeitamente aceitável para a compreensão de seus significados na medida em que a define como meramente uma chantagem dos setores de mídia contra o presidente e a sua maldisfarçada compulsão pra assumir sua porção “animador de auditório” desleixando dos objetivos ” sérios” que precisam ser cumpridos pra que se justifique o apoio e sustentação que tais grupos lhe dispensam. A Rede Globo, a Folha, o Estadão e os outros estão dizendo para o Bozo (o presidente na versão animador circense) nós batemos e o desconstruimos quando vimos necessidade e seus índices agora festejados se desmilinguiram, e calamos quando mostrando alguma compreensão do que se passava a sua volta calou-se, recolheu-se e submeteu-se a orientação desejada, melhorando seus índices como o demonstrado pela “providencial pesquisa”. Faltou ao Fernando, em meu juízo, indicar o significado da famigerada pesquisa para o campo da esquerda: sem a frente amplísima capitaneada e incentivada por nós também não há futuro pra vocês.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *