Huck entra no lotado caldeirão da direita

A Folha noticia que o apresentador Luciano Huck “intensificou sua movimentação política nos últimos meses, em sinal de que a candidatura [à Presidência] é uma vontade mais viva do que nunca.”

Pode ser verdade, pode ser mentira, como lhe convém manter por enquanto.

Até agora, aparentemente quer o papel de “Fernando Henrique de auditório”, o de liberal com tinturas sociais, como dizia o pavão-tucano, com um caminhão de prêmios do sabão em pó.

O problema é que o caldeirão onde se cozinham as candidaturas da direita está parecendo piscina de clube em dia de sol.

Jair Bolsonaro ainda é o “dono do pedaço”. João Doria tem um pedaço de São Paulo, estado-chave para candidatos conservadores. Witzel experimenta a tiros a temperatura da água e também habita uma raia essencial para o ex-capitão, o Rio de Janeiro. Pode até perceber que é fundo demais para ele e desistir, cuidando da reeleição. Mas, enchendo a boia do “Podemos”, espremido na beira, ainda tem Sérgio Moro…

Por enquanto, exceção feita a Bolsonaro, há mais espuma do que água. Não é mal para Huck provocar o bochincho de uma candidatura, porém: é mídia, é status, ajuda nos negócios.

Mas se Bolsonaro não sofrer um naufrágio de grandes proporções, é o ex-capitão quem tem tudo para polarizar a eleição, drenando os votos do resto da “turma”.

Quem ele quer, do outro lado, é quem ele possa chamar de “comunista”.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

13 respostas

  1. Esse está me deixando extremamente preocupada.
    Já vi alguns evangélicos defendendo ele. Se evangélicos, induzidos pelos pastores, se engraçarem com ele, toda a direita vai apoiá-lo e se bobear ele acaba eleito no primeiro turno.

    1. Trump sai do governo em 14 meses
      Macri ja era
      Reiino Unido e Italia estao se movimentando p esquerda
      Mexico esta no rumo certo
      Ate 2022 o mundo sera esquerda

      1. Outubro vem aí, com o desmascaramento geral e completo dos vigaristas que não tiveram escrúpulos em trair seu povo e vender sua terra natal por trinta dinheiros.

      2. Emília está certa em preocupar-se. Afinal a Beócia é aqui. Somos um país de beócios, onde há até os que pretendem por-se ao largo da idiotia, apelando para o latim. Sem sucesso, of course. Isso sem esquecer de pontuar frases, aqui ou ali, com palavras em outro idioma, afinal, cool é ser cosmopolita. Todos um bando de idiotas muito capazes de votar em Huck, alguns até pensando estarem votando em Hulk, o herói da Marvel ou o football player. Whatever, doesn’t matter, é nóis no poder, mano!
        Agora, também concordo com você, meu caro Flávio. Mas, por outra razão. Não estamos vivendo um surto progressivo Entre o hoje e o dia da eleição presidencial há muita água para rolar por baixo dessa ponte. Como a bitaca que dei em um outro comentário da companheira Emília, o que irá mudar o quadro por aqui é o que muda por outras plagas, ninguém suporta perda de direitos e liberdade sem contrapartida compensatória, ou seja, sem que oportunidades de melhorar de vida, de ter segurança em relação ao próprio futuro e de ver isso realizar-se em um prazo razoável, o prazo que atenda a expectativa de cada um. E, tal prazo, ainda que variando de classe a classe e de pessoa a pessoa, generalizando, está muito próximo da data de validade.
        Não! Não haverá uma virada à esquerda, não tornar-nos-emos uma nação bolivariana, tomada de comunistas, petistas, psolistas e de vermelhos de todos os matizes. Os coxinhas de ontem, transformaram-se nos isentões de agora e são os frustrados de amanhã. Muitos votarão nos candidatos progressistas porque caíram no conto-do-vigário do neoliberalismo, com seu estado mínimo, aliado aos restritores dos costumes pequeno burgueses, os evangélicos e assemelhados. Deram-se conta de que essa combinação tira-lhes os meios e o espaço para viverem seu sonho delirante, onde viveriam na Belíndia, usufruindo da renda e da liberdade da Belgica, vivendo no Chateau de Louvain, sustentados pela classe trabalhadora, os blue collars, condenados a viver em casebres na perifieria de Mumbai. O que essa turma quer – e irá continuar querendo – é isso. Bem, se isso não é possível, pelo menos resta retomar a expectativa de sê-lo que desenvolveram nos governos do PT. Estão a darem-se conta que eram felizes e não sabiam. Muito embora não seja justo, nem certo, essa classe é a formadora de opinião política e define a maioria. Aliados de ocasião com os tradicionais eleitores da esquerda definirá o resultado eleitoral. É por isso e nada mais que a esquerda irá ganhar as próximas eleições. As próximas, de 2020. As eleições de 2022, serão a cereja do bolo. Esperem e verão.
        Uma dica, esperar é a palavra chave. Nada de impeachment do Bozo ou anulação das eleições presidenciais de 2018. Ainda que justificáveis de todas as formas é precipitação, ejaculação precoce. O negócio é aguentar o tranco no osso do peito e deixar o projeto neoliberal sangrar, esvair-se em sangue, encher-se de pústulas e criar asco, nojo, ojeriza até a “elite” berrar de agonia. É preciso que isso ocorra porque a reconstrução será trabalhos de Hércules e, a cada passo surgirão reveses e dificuldades e, se a dita “elite” não estiver carimbada e traumatizada no fundo da alma pela cagada que fizeram, na primeira oportunidade, retomam o velho discurso e usando as dificuldades que eles mesmo criaram para a tradicional fuga da responsabilidade e a volta da prática de culpar-se a esquerda pelos pecados do mundo. Afinal, como dizem los hermanos, el zorro pierde el pelo, pero no la mañas.

  2. As eternas viúvas de FHC e sua busca desesperada por outro príncipe, folgadão, sorridente, limpinho e cheiroso que possa fazer trazer de novo a felicidade e provocar os suspiros apaixonados de sempre da Catanhede (que já viu charme inclusive em Temer, o que é a paixão não?)

  3. Uma solução que fique ainda mais abaixo do nível político lamentável estabelecido por Temer/Bolsonaro não vai tirar a direita do atoleiro. Se pelo menos reconhecessem que o Lula é o que é, um político moderado de centro, ainda haveria esperanças de que evoluíssem para alguém do nível de Juscelino Kubitschek. Mas chegarem a soluções apartadas da intenção de restabelecimento da soberania e da retomada de um projeto de desenvolvimento nacional forte e não-submisso aos interesses financeiros internacionais e aos interesses geopolíticos e econômicos de outros países mais desenvolvidos, não vai levar a nada que não seja novamente falso, mentiroso e, principalmente, perigoso para a Nação.

  4. Como uma cearense ganhou 50 mil no programa do Huck ele esta na pagina de O Povo e Diario do Nordeste em grande destaque
    E a Agatha “moradores do Alemão protestam”
    É isso aí pessoal

  5. “… parecendo piscina de clube em dia de sol”.
    A questão é que com o desastre que o desgoverno prenuncia, a piscina fica cada vez mais rasa, daí o enxame de mediocridades que se apresentam… Vão nadar, nadar e morrer no borda.

  6. Já pensaram sair da presidência um cocô chupacabra, que se ergueu, soltou sua bolsa de esterco e no seu discurso de posse disse apenas “PUTZ”, e entrar no seu lugar um papagaio albino com uma merda falante no ombro?
    Entraríamos em um universo paralelo, plantando bananeira no verso da Terra plana BolsOlavista.

  7. O Huck parece ser um empresário bem sucedido mas é um péssimo apresentador. É daquela leva de paulistas q sp enfia goela abaixo do resto de ‘nozes’ pela força da grana (bom mas isso é passado pq ninguém, normal e q tem opção, mais vê tv aberta, creio), onde só se salva o raul gil q tb é péssimo mas pelo menos é excelente cantor de boleros e afins. Mas não imagino q Huck seja a versão masculina da Bndchen q tudo q anuncia vira ouro. No entanto a cara dele aparece em trocentos anúncios diferentes, em geral na web e isso já faz um bom tempo q ocorre. Ou seja, obviamente faz parte de uma estratégia para eventualmente usá-lo, ainda mais agora, q existe a crença na necessidade ou na lacuna para candidatos ‘centrolinos’. O ex-banqueiro e youtuber disse em um dos seus vídeos q ainda estava no ramo quando os banqueiros começaram a fazer as primeiras reuniões com Bolsonaro e a levá-lo para fazer contatos fora do país. Ou seja, enquanto o outro lado precisa fazer o basicão q é catequizar e converter partidários, a turma conservadora atua com uma fabulosa multiplicidade de ‘armas’ e com uma incrível antecedência. É um jogo muito desigual

  8. Sempre esteve do lado errado, é só verificar seu passado. Será que os tontos voltarão a insistir no lado errado e na falta de escrúpulos?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.