Ibope mostra queda forte e rápida na confiança em Bolsonaro

Era esperado, mas não tanto, tão depressa

A pesquisa Ibope divulgada há pouco registrou um declínio intenso da aprovação de Jair Bolsonaro como presidente, recebendo classificação “ótimo ou bom” de 34% e “ruim/péssimo” de 24%, com apenas dois meses e meio de governo.

Tal como aconteceu na pesquisa XP dada a conhecer ontem, o ex-capitão perde para todos os seus antecessores, exceto para o segundo mandato de Fernando Henrique e de Dilma Rousseff.

O mais grave, porém, é a velocidade com que isso acontece: sair de 49% de “ótimo e bom” para 34% significa perder, aproximadamente, um em cada três apoiadores.

Já a rejeição – “ruim ou péssimo” – mais que dobra, saindo de 11% para 24%.

A levantamento confirma o que esra possível sentir: o bolsonarismo vai refluindo para suas falanges originais, em função da incapacidade do chefe de Estado em falar para ninguém mais além do seu grupo de fanáticos.

Tanto é assim que a confiança dos entrevistados no presidente caiu de 62% para 49%, entre janeiro e março, enquanto a desconfiança subiu de 30% para 44%.

A queda foi ainda mais forte nos estratos mais pobres da população, nos grandes centros urbanos – nas capitais, a desconfiança passa de 33% na primeira pesquisa para 52%, agora – e no Nordeste, onde sobre de 35% em janeiro para 53% no levantamento feito entre os dias 16 e 19 deste mês, com 2.002 entrevistados em todo o país.

O relatório da pesquisa está aqui.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

10 respostas

  1. Deixa este aneurisma do bozo lá! Não tira não! Ele está destruindo a direita e como este povinho bonzinho que é o brasileiro não tem culhões para cobrar das elites a cagada que elas fizeram, deixe que eles se destruam por conta própria.

    1. Parece que vc precisa ser lembrado que nesse barco também estamos nós ,o nosso futuro e dos nossos descendentes.

      1. Label, nós, o nosso futuro e o dos nossos filhos será viável e estará muito melhor se o poder das elites, da direita, for deslocado para o povo (que é o que diz o artigo 1º, cláusula pétrea, da constituição). Se as esquerdas, o “povo”, não têm a capacidade de fazer isso, facilita muito a destruição das elites por ela mesmo.

    2. Está provado, graças ao desempenho exuberante de Bolsonaro: O Brasil se dividiu agora somente entre dois partidos: O Partido do Brasil, e o Partido dos Estados Unidos. Bolsonaro deixa bem claro que não é do Partido do Brasil, e muito se orgulha disso. E os militares, onde ficam, nesta nova polarização partidária?

  2. E o Guiadó? O homem prometeu os céus a quem desertasse da polícia e das forças armadas venezuelanas e, claro, só quem lhe deu ouvidos foram alguns soldados rasos e simplórios, desses que acreditam em tudo o que seu pastor político diz. Agora estão lá, cerca de duzentos pobres diabos, protestando na Colômbia porque não conseguem entrar em contato com o “presidente” Guiadó, estão longe de suas famílias, que deles dependem para se alimentar, e não recebem ajuda de ninguém, em troca de haverem traído sua pátria e desertarem de seu exército. https://www.youtube.com/watch?v=ABbw6QtmTOs

    1. Isto é verdade? Ele disse isso mesmo? Confesso que mesmo sabendo quem é Bolsonaro é difícil de acreditar

  3. Ainda tem muita gente com vergonha de admitir que fez burrada, mas no seu intimo já sabe que seu voto de ódio custou muito mais do que previa.

  4. Quando o Bolsonaro disse que “a maioria dos imigrantes não têm boas intenções”, até o repórter da Fox se arrepiou, escandalizado. Mas o melhor da visita foi a charge da #BolsonaroShamesBrazil, publicada pelo Washington Post – “Make my shoes clean again” (Faça meus sapatos brilharem novamente), diz o Trump com o pé estendido ao Bolsonaro agachado diante dele, beijando seus pés.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.