Ida de Lula à UERJ vira ato pela Educação, que não é caso de polícia

lulauerj

Hoje, na Universidade do Estado do Rio de Janeiro, às 20h, Lula tem seu último compromisso público na caravana que faz ao Rio de Janeiro.

Não há local mais indicado para isso, neste momento em que a Universidade virou alvo preferencial da sanha policial-judicial e se sucedem os ataques de legiões de policiais fortemente armados para prender meia-dúzia de professores que não oferecem nenhum perigo á ordem pública e que, se convocados, compareceriam a depor sem serem levados por uma matilha feroz.

Ninguém está sustentando que, por professores, quaisquer funcionários públicos devam estar acima da lei.

Mas a repetição e a agressividade destas operações traduzem o ódio incontrolado à universidade pública e a selvageria que tomou conta da ação policial judicial, que já levaram à tragédia do suicídio do reitor Luiz Cancellier.

No caso da Universidade Federal de Minas, o espalhafato era tão desnecessário que o próprio Ministério Público se opôs à condução coercitiva. Inutilmente: a “convicção” e a “cognição sumária” de uma juíza mandou a prudência às favas e despachou um esquadrão armado para as casas do reitor, de sua vice e de dirigentes anteriores da UFMG, como publicado por Marcelo Auler, em seu blog.

Professores de diversas universidades começaram a fazer circular manifesto onde dizem que ” está se constituindo uma máquina repressiva insidiosa, visando não só coagir, mas intimidar e calar as vozes divergentes sob o pretexto de combater a corrupção”.

Seu verdadeiro alvo, porém, não é corrupção, mas o amordaçamento da sociedade, especialmente das instituições que, pela própria natureza de seu fazer, sempre se destacaram por examinar criticamente a vida nacional.

O ódio e a burrice vão ganhando terreno, sob o patrocínio de recalcados  que se resolveram a impor ao Brasil a ditadura dos sem voto, mas com toga e distintivo.

É isto que o senhor Luiz Roberto Barroso chama, hoje, na Folha, de “”refundação do país que não tem volta”? E a isto que ele chama de “filme bom”, embora com retratos devastadores?

Hoje, na UERJ, há boas razões para exigir que a ditadura fique só na avant-première pavorosa que se exibe e não volte a entrar em cartaz neste país, agora protagonizada por gente de preto, não mais de verde-oliva.

 

contrib1

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

21 respostas

  1. Não podemos ficar de braços cruzados assistindo tudo qua estão fazendo com o povo trabalhador e o país.
    Fica a impressão que estamos reféns desses golpistas e esse sentimento nos faz perder nossa dignidade, pois cada dia que passa eles se fortalecem.
    Não entendo porque até hoje, nenhum partido “de esquerda” se mobilizou para uma greve geral até que se faça novas eleições diretas.

  2. O ataque truculento às universidades, com o pretexto de combater a corrupção, é obra do fascismo, principalmente quando a ação é acompanhada de espalhafato e exageros. A PF só perde com essas ações que repercutem negativamente tanto no Brasil como no exterior.

  3. Brito,
    É importante dizer que a UERJ é o exemplo mais cristalino da destruição do ensino superior com essa política de desfinanciamento e massacre dos servidores. O que a UERJ vem passando pode virar regra se esses golpistas não forem derrotados.

  4. Mangueira de um lado morro dos macacos proximo tambem, fora a linha amarela so uma bala perdida 7 para ser exato tudo perdida no cachaca seria um presentao

    1. A que achar sua cabeça e nela encravar não será perdida, mas achada. Você é tão canalha que se apropria do apelido-nome daquele que foi melhor Presidente da República, o único de origem operária e que será eleito quase que por aclamação em outubro do ano que vem.

  5. Seu verdadeiro alvo, porém, não é corrupção”
    Por evidente que não é. O objetivo é acabar com a universidade gratuita. Terceirizar o sistema público para particulares locais ou, de preferência, estrangeiros. Para que cobrem muito pelo serviço. Para restringir a universidade para os ricos e para os incautos que financiarem o ensino nos bancos privados. Para criar escravos de uma dívida impagável com os bancos. Como atualmente ocorre nas universidades da matriz no grande país do North. Onde o aluno quando termina o curso deve mais de us$ 80 mil para o banco.
    É a tal da meritocracia: Quem teve o mérito de nascer filho de pai rico estuda, os pobres estarão condenados a serem subordinados ou escravos dos bancos.
    Esse negócio de universidade para todos é koisa de komunista! Onde já se viu pobre doutor? Nem nas américas é assim!

  6. BOMBA? NÃO! MÍSSIL!
    Serviço de Inteligência europeu revela: discurso de Gilmar Mendes com estratégia para fraudar 2018!
    Por eméritos e intimoratos jornalistas Wellington Calasans e Romulus Mais – direto da Suíça e da Suécia. Blogue O Cafezinho
    https://www.youtube.com/watch?v=iX819B-JuII

  7. Assim como disse a diretoria da UERJ, acho um completo desrespeito. A UERJ sofreu ataques midiáticos recentemente e é importantíssimo essa luta em prol da educação pública, atacada de todos os lados.

    Não é este senhor que deveria fazer isso. Seu governo, assim como o de sua pupila, nunca entregou o mínimo orçamentário para a educação. Governos, neoliberais, petistas fizeram todo o tipo de manobra para desviar dinheiro da educação para o sistema financeiro.

    Lula deveria fazer ato em instituições que ele defenda de verdade: os bancos privados!

    1. Teu “não” e tua negativa têm exatamente o sentido freudiano, ou seja, dizem o oposto daquilo que expressas por meio das palavras. Lendo “Crônicas de uma sentença anunciada: o Caso Lula” é fácil notar isso em tuas missivas.

    2. Spinoza, caia na real, há mais de quarenta anos passam o pente fino na vida de Lula e atribuem-lhe posses e valores que não lhes pertencem e desde 2014, através da operação lavajateira, utilizam diuturnamente todos os órgãos de todas as instituições do estado, sem contar o monopólio da mídia, o NSA e órgãos da justiça americana, passíveis de rastrearem-lhe todos os atos, ações, pronunciamentos, responsabilidades, omissões, movimentações financeiras, no país e no exterior, etc., não apenas suas, mas de toda a família até a enésima geração, sem falar de amigos, chegados, conhecidos, advogados, dentistas, médicos, porteiros, admiradores, e por aí segue o roteiro da perseguição e do ‘lawfare’, sem que tivessem conseguido até hoje mísera prova que não os obrigasse a processa-lo e até condena-lo com delação sem prova, de réus confessos presos, e a convicção do ‘imparcial’ de Curitiba e dos ‘intocáveis’ lavajateiros que o escudam na empreitada.
      Apesar disso, caro Spinoza, não apenas resistiu e não deixou que o desconstruíssem, como surge hoje como o mais bem avaliado pelo povo para assumir pela terceira vez a presidência do Brasil, crescendo continuamente nas pesquisas, mesmo após tamanha razia empreendida para destruí-lo.
      Por outro lado, o candidato que tu defende, atacando Lula, somado aos golpistas, caso não saiba, em duas campanhas para presidente não resistiu sequer a alguns dias, ao ser fustigado pelo mesmo monopólio da mídia que fustiga Lula há mais de quarenta anos, por causa de frases inadequadas ditas em entrevistas provocativas.
      Spinoza, vá chupar um picolé de limão para refrescar a cuca e aproveite para informar-se melhor sobre seu candidato e aceitar que será sempre um bom e valoroso político, jamais um líder que resiste as intempéries e períodos de aridez, da política. Aceita que dói menos.
      Abraço!

      1. Amigo, tu abraçou direitinho a estória das mídias. Falei de bancos, não empreiteiras, lava-jato investiga banco?

        1. Cara, se tivesse discernimento, nessa altura saberia que a operação lavajateira foi organizada para tirar o PT do governo, primeiro pelo voto, onde perderam, depois pelo golpeachment, onde tiveram sucesso com o probo eduardo cunha e a santa bancada Deus & Família, portanto, qualquer pensante observador dos fatos, sabe que a dita “investiga” qualquer coisa desde que envolva o PT e Lula e como nos bancos apareceriam outros, que não o partido e líder, desejados, não vieram e jamais virão ao caso, conforme demonstrado em depoimento de Palhocci, ao oferecer-se para delatar bancos & mídia, com o imparcial fazendo-se de morto, pois não vinham ao caso ou seja, não envolviam o PT e Lula. Agora vá chupar picolé de chuchu para refrescar a língua e deixar de replicar besteira.

  8. Será que, por causa disso, a UERJ será a próxima Universidade Pública a ser invadida pela polícia fascista (pf)?

    1. A PF, polícia fascista, não tem jurisdição sobre uma universidade estadual – embora a Lei e a Jurisdição pouco ou nada valham em ditaduras como a que se abateu sobre o Brasil, após o golpe de Estado; isso nos faz supor que será a PM fluminense a que invadirá o campus da UERJ, espancando pessoas, lançando bombas, usando cavalaria e o escambau. A polícia fascista federal invadirá as universidades federais situadas no RJ: UFRJ, UFF, UNIRIO, UFRRJ, quiçá também os CEFETs e os IFES.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.