“Indice de decepção’ mostra um Brasil que quer um líder

A pesquisa mundial do Instituto Ipsos, divulgada hoje, não mostra nenhuma novidade em registrar que os brasileiros (69%) acreditam no óbvio: o fato de nosso país estar declinando.

Basta ver os “pacotes humanos”, embrulhados em papelões e farrapos nas calçadas de nossas cidades para percebermos, nem mesmo pesquisas são necessárias.

Também não surpreende que 3 a cada 4 brasileiros (82%) enxergue que a elite política e econômica não se preocupa com os trabalhadores, o segundo maior índice mundial.

Ou que percentagem igual creia que a economia [do país] é manipulada para favorecer os ricos e poderosos.

Muito menos que haja ampla maioria (78%) considerando que os partidos tradicionais são incapazes de resolver os problemas das pessoas comuns.

O dado mais importante é que a maioria crê que um líder forte é essencial para consertar o país. São 62%, bem mais do que o diziam em 2016 e em 2019.

Reside aí o problema de uma terceira via que não tem força própria a exibir e que depende, para ser competitiva, de que Jair Bolsonaro se desmanche totalmente ou de que haja um veto – militar, midiático ou judicial – a uma candidatura de Lula

Conseguiu que houvesse, em 2018, mas o fracasso que disso resultou tornou esquálidas a elas próprias.

A polarização do processo eleitoral não é uma invenção de Lula, é o que corresponde ao sentimento de exclusão em que a população se percebe nestes tempos.

Não será revertida por chororô ou marquetagem.

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *