Inflação sobe a 0,75% em março, mas a imprensa não via

O número divulgado hoje pelo IBGE para a inflação de março, medida pelo IPCA não é preocupante, é apavorante.

Era, entretanto, previsível, ainda que isso tenha sido negligenciado pela grande imprensa.

Não houve nenhum fenômeno que o justificasse, como em junho de 2018, mês da paralisação dos caminhoneiros. Muito menos seca, algum tarifaço ou coisas do gênero.

0,75% não é brincadeira: se anualizado, este índice corresponderia – a conta não quer dizer que será assim, é claro – a 9,4% ao ano.

É muito acima do que previa o mercado financeiro, que na sexta-feira passada, no Boletim Focus, do Banco Central, apostava em 0,55%.

A taxa acumulada em 12 meses foi a 4,58% e, ao final de março, será maior, beirando os 5%, pois os indicadores de inflação medido por outros índices seguem altos.

Hoje a Fundação Getúlio Vargas divulgou o Índice Geral de Preços de Mercado dos primeiros dez dias de abril e a taxa ficou em 0,62%, mas no Índice de Preços ao Consumidor – assemelhado ao IPCA – a elevação foi de 0,65%, superior aos 0,47% registrados na mesma medição no mês anterior.

Para quem não tem memória, é bom lembrar que foram os meses de inflação alta no início de 2015 que derrubaram a aceitação de Dilma Rousseff no início do seu segundo mandato.

Com a diferença, claro, que a imprensa via, destacava e até punha colar de tomates no pescoço.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

17 respostas

  1. Num raciocínio bem simplista podemos elencar uma série de fatores para que a inflação retorne com força total, todos eles (des)controlados pelo governo.
    Desde os preços de combustíveis até o aumento dos insumos agrícolas, cujo único balizamento é o dólar, a mão invisível do mercado bancada por esse miliciano psicopata e imbecil, mostra sua força para a população que o elegeu.
    A política do cada um que se vire vai avançando e destruindo tudo em sua volta.
    A água começa a subir e a expectativa é do que acontecerá quando alcançar as vias nasais do povão. Parece que só assim haverá alguma reação dessa massa insana.
    Até lá continuamos descendo a ladeira sem freio.

    1. Quando a água alcançar as vias nasais do povão, o (des)governo que nunca tem um “tusta” vai milagrosamente arrumar dinheiro para comprar balas de borracha e bombas de gás lacrimogênio e efeito moral.

  2. O Twiter não me deixa postar essa matéria, insinua que eu sou um robot, kkkkk

  3. E essa é a inflação oficial. Imaginem a real.
    A derrocada do consumo deve estar fazendo com que muitos comerciantes tenham que reajustar seus preços, para não ficarem no prejuízo.
    Essa derrocada do consumo é uma bola de neve. Se essas políticas neoliberais não forem interrompidas, a bola vai ficar maior que o Brasil.

  4. Não falta vontade entre os empresários de aumentar os preços. O que falta é consumo para suportar esse desejo. No velho conflito distributivo os empresários buscam recuperar suas margens de lucro, sempre que tenham poder de mercado, aumentando os preços e reduzindo os salários, o que é claro aumenta a paralisia econômica. É como a estória do escorpião, está no seu dna. A política de terra arrasada não podia produzir outra coisa que destruição. Recordo dos chiliques dos mercadistas com o “centro da meta de inflação” durante a presidência de Dilma. Pouco antes da solução Bolsonaro, recordo esses mesmo tarados dizendo que o centro da meta e a rigidez em relação as metas de inflação não era assim tão importante. O que esses picaretas escrevem no início d pregão não fica de pé até a hora do almoço. Canalhas …

  5. A inflação é uma forma de baixar os salários, de modo que o trabalhador só perceba no longo prazo. Os militares usaram e abusaram disso e a consequência direta disso foi o fortalecimento do movimento sindicalista nos anos 80. Trabalhador nenhum, por mais coxinha aloprado que seja, gosta de ganhar menos, já que os preços são reajustados todos os dias e os salários uma vez por anos, e olha lá.

  6. A grande imprensa só vê quando lhe interessa. Ela está preocupada em ajudar a aprovar mais um massacre sobre os pobres. Os mesmos pobres que ajudaram a colocar estes bandidos no poder. É o famoso foda-se!

    1. Certíssimo, a imprensa só apoia o que o “mercado” apoia e este para aprovar qualquer coisa exige um pressuposto: “medida dura, amarga (trad.: foder o povo). Se não foi cumprido esse pressuposto essencial é “medida populista”. :-)

      1. Já fez o dever de casa hoje? Já tomou o remedinho amargo?

        É nojento como os comentaristas da Globo tratam o povo como criancinha de pré-escolar.

  7. 0,75% ao mês equivale a 9,34% ao ano e, de fato, não significa que sera assim. Poderá ficar abaixo.
    Mas também poderá ficar acima, e bem acima.
    Só para lembrar, a última quinzena já registra dois aumentos nos preços dos combustíveis, o que poderá puxar para cima os demais preços.

  8. Os preços de vários itens importantes estão subindo a pontapés, mas muita gente ainda finge que não está sentindo no próprio bolso. A mídia empresarial está pisando em ovos para não assanhar nada, até que a destruição da previdência esteja garantida.

    1. Também admito que ele está até superando todas as minhas expectativa.
      E é essa “superação” o que mais me incomoda!

  9. A inflação dos 12 meses, pelos números do gráfico, é maior, 5,20%, o que não invalida a análise feita nem a conclusão. Claro que é preciso analisar os componentes para ver como se comportaram em geral e o núcleo da inflação em particular.
    O que salta aos olhos e reforça a crítica à grande imprensa é o prazo transcorrido desde que a inflação tomou impulso e a inclinação da reta nesse período. Se fosse Dilma, a essa altura já teria apanhado mais do que boi em roça de milho.
    O que é dito não é tão importante quanto o não dito:
    1 – a “deforma” da previdência é a única bala no trabuco enferrujado do Guedes
    2 – mesmo que o trabuco dispare, o tiro deve sair mais fraquinho do que ele imagina
    3 – além do mais a mira é torta, vai acertar as fuças do pobre e da classe média e errar o emprego, renda e retomada da economia
    4 – Alguém, em sã consciência, acredita nessa balela de que o tal do ganho de 1 trilhão vai virar “investimento governamental na veia” ou chamar de volta a “fadinha da confiança” enchendo o país de novas obras em infra-estrutura, fábricas e o escambau? Lembram do Meireilles? Mentiroso e safado, anda mais sumido do que o Queiroz…
    Resumo da ópera, a imprensa brasileira, golpista até a medula e comprada e paga pelo capital rentista, o único que ganha com essa treta, precisa esconder a verdade, porque a verdade divulgada seria um balaço mortal nessa zorra.

    1. O (des)governo alega que a previdência gera déficit público.

      Se tal déficit for zerado (ou diminuído de forma severa) com a destruição da previdência, haverá a posterior desculpa de que não se deve investir porque senão vai gerar déficit novamente.

      E vão ficar de braços cruzados esperando a iniciativa privada investir.

  10. Agora vai ser colar de laranjas. A imprensa está calada também sobre o comerciante de veículos e sobre os mandantes do assassinato da vereadora Marielle. Onde estão?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *