Ira da família Bolsonaro é maior perigo do depoimento dos filhos “02” e “03”

A intimação para que Carlos e Eduardo Bolsonaro deponham no inquérito sobre o financiamento dos atos pedindo intervenção militar e o fechamento do STF – este sublinhado pelo lançamento de rojões contra o prédio do Tribunal – é como um fantasma que aparece para assombrar o “Jair Bolsonaro quase civilizado” que surgiu há cerca de três meses.

Possivelmente não haverá – até porque deporão como testemunhas e não investigados – maiores consequências para ambos, até porque não são financiadores, mas sustentados politicamente por estes grupos de aloprados.

O perigo maior é a ira que está ardendo, neste momento, em Jair Bolsonaro.

Num só dia, abre-se uma investigação sobre a notícia de fato de que também em seu gabinete teriam acontecido “rachadinhas” de salários de assessores, coordenadas pelo amigo Fabrício Queiroz e se convoca a sua prole para sentar em uma delegacia da PF não para conversar alegremente sobre pistolas e fuzis, mas para responder perguntas sobre o que – aliás, publicamente já exposto – dizem a respeito de intervenção militar e fechamento da corte suprema.

O pai, vê-se a toda hora, tem uma imensa dificuldade em manter um comportamento civilizado e as juras de amor ao STF feitas na “festa da Covid” da posse de Luiz Fux já se tornaram ranger de dentes.

Hoje está bufando por não poder reagir à carta dos líderes europeus que reclamam dos incêndios florestais.

Agora, vem essa. Com família não se mexe, talquei?

Jair Bolsonaro está usando mais passiflorina do que cloriquina.

Mas acho que a primeira, como a segunda, não funciona para estes casos e é provável que a semana, já pródiga em patadas, tenha novos coices.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *