Isolado, Teich está sendo ‘cloroquinizado” pelo chefe

Deve-se desculpas ao sr, Nélson Teich por ter-se achado que a sua expressão parecia ser apenas de uma espécie de corvo do governo Bolsonaro em meio à mortandade da pandemia do novo coronavírus.

Ele não tem sequer este talento e, dois dias depois de terem começados os ataques das falanges contra ele, o próprio Jair Bolsonaro partiu para o ataque, exigindo que seu ministro adira à já comprovadamente inútil e perigosa hidroxicloroquina e a “prescreve” para todos os casos, ainda que iniciais, em pessoas do chamado “grupo de risco”:

Não é minha opinião porque não sou médico, mas muitos médicos do Brasil e de outros países entendem que a cloroquina pode e deve ser usada desde o início mesmo sabendo que não há uma comprovação científica de sua eficácia. Mas como estamos em uma emergência, sempre foi usada desde 1955, e agora (combinada) com a azitromicina pode ser um alento para essa quantidade de óbitos que estamos tendo no Brasil (…) Vai ser discutido hoje com o ministro. O meu entendimento, ouvindo médicos, é que ela deve ser usada desde o início para quem está no grupo de risco, pessoas com comorbidades, com idade.

Como o assunto “cloroquina” andava adormecido, é de supor que rebrotou por alguma razão, regado por alguém.

É que o imobilismo crônico de Teich – que já por isso desserve à Nação – não serve à estratégia presidencial de criar um clima de guerra interna, confrontando os governadores e atirando sobre eles a “culpa” pelo desastre que enfrenta na epidemia e o que se enfrentará na economia.

Osmar Terra, como um bom soldado da estupidez, continua salivando pelo posto e oferecendo a Bolsonaro – como fez no final de semana, na Globonews – dizer que é a economia que tem de ser salva, não as vidas humanas.

A ambição, a falta de caráter e a perda do espírito médico levaram Teich a esta cobrança precocíssima do Mefistófeles palaciano.

Terá entregue o nome e a alma por menos de um mês de poder nenhum.

Ao menos poderá ir ao salão, liberado por Bolsonaro, dar um jeito no cabelo que lhe dá um ar funéreo

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

16 respostas

  1. Se o espírito dos 70 resucitasse hoje,ficaría na dúvida, de por onde começar.
    Haja candidatos !!

  2. FALAR em ilicitudes deste governo tutelado e COMANDADO por militares é inútil, eu sei..
    ..mas ao exaltar novamente a CLOROQUINA como o OGRO BOZO tem feito, com certeza caracterizaria, já que agora estamos munidos de muito mais estudos do que de suspeitas, caracterizaria mais UM ATENTADO contra a saúde pública, contra a boa fé das pessoas.
    Até quando ?

  3. Poderá sair a tempo de salvar sua biografia, só se ficar claro que saiu por discordância com o cujo. Se for discordância forte, melhor ainda. Caso contrário, o item “ministro da fazenda”, mesmo sendo em tempo de catástrofe, será muito negativo.

  4. Rapaz eu ainda não tinha conhecido alguém com esse biotipo físico nem tampouco psicológico.
    O cara faz sombra a sombra(se preferir use escuridão).

  5. Acabei de ver aqueles tontos da claque bozonarista do chiqueirinho fazendo jogralzinho. Que absurdo! Bando de babacas! Parece que um bando de crianças. Desculpem pelo termo, mas parecem um bando de retardados. É revoltante saber que o voto de um daqueles idiotas tem o mesmo valor que o meu.

  6. Nada me surpreende neste e noutros capachos e compinchas da mesma laia e quilates: Bolsos, Moros, Mourões, Temeres, Dalagnois, Damares, Guedes, etc….os piores capitães do mato e sabujos para a pior oligarquia do mundo, circundada por uma canalha indiferente.

  7. Brito,
    Já, já, o Bolsonaro demite esse ministro e o substitui pelo Osmar Terra, que aliás é o grande desejo dele. É só aguardar.

  8. Quero saber é o que o bolsonaro recomenda para a zica, a chicungunha, e a dengue.
    Naquelas reuniões de “ministros”, que vergonha aqueles senhores de idade alí, com a assessoria médico-científica-anticomunista, araujo/damares/weintraub, e uma conversa final com o olavo de carvalho, que vergonha aqueles senhores de idade alí, sai fácil o remédio para tudo. Qual é a contribuição destes generais de palácio para tanto remédio dos males, coceira, pé de atleta, mau hálito, caspa, etc, do país?
    Já que agora temos a cloroquina, o que bolsonaro e sua assessoria médico-científica-anticomunista, heleno/araujo/damares/weintraub/salles/olavo, recomenda algo para chulé?
    Há remédio para a falta de vergonha absoluta destes generais de palácio?

  9. SÓ ERRA EM RELAÇÃO AO CABELO FUNÉREO… TÉTRICO É O FÁCIES MORTUARIUM DO SUJEITO!
    ADEMAIS, PARECE USAR MEDICAMENTOS* PODEROSOS QUE LHE OBNUBILAM OS SENTIDOS… TÁ SEMPRE DOPADINHO!
    É SIM!

  10. É tão insignificante e deplorável que simplesmente foi usado como tapete para osmar terraplanista ser o ministro da morte dos pobres, favelados, pretos, aposentados, trabalhadores, beneficiários do BPC. E vão levar o país à fome e miséria pois, é esse dinheiro que movimenta a economia. O 1,2 trilhões vão para os bancos e daí para as lavanderias financeiras e pras contas em paraísos fiscais.

  11. A primeira impressão que tive do sinistro da saúde, com aquele seu ar perdido, foi a de alguém não que voltou de alguma viagem de ácido ou de chá de cogumelo, não muito bem dosada. Mas ao assistir essa última entrevista, aquela profusão de platitudes emitidas e frases como “disponibilizar uma linha de raciocínio”, como se ‘raciocínios’ substituíssem leitos hospitalares, respiradores, testes de contágios, etc., tudo me fez lembrar de uma personagem que o retrata à perfeição: Chance (Chauncey Gardiner), vivido pelo genial Peter Sellers em Muito Além do Jardim (Being There). Há quarenta anos, o atual sinistro da saúde foi interpretado. ? https://youtu.be/de1RuEJq_X4.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.