Isolamento político de Bolsonaro salvou Eletrobras da privatização

O governo Jair Bolsonaro não desistiu das privatizações, como dizem alguns, diante da saída do “privatizador” Wilson Ferreira do comando da Eletrobras.

É que entre privatizar a empresa elétrica e conservar uma base no Congresso, Jair Bolsonaro decidiu-se, óbvio, pela segunda hipótese.

O exemplo do Amapá deixou os deputados dos estados do Norte do país – e alguns do Nordeste – de cabelo em pé pelas consequências políticas que lhes poderiam advir de privatizações no setor sem que haja – até pela falta de retorno rápido – motivação para investir em sistemas elétricos já em estado precário.

E, no caso do Nordeste, há a questão do controle da Companhia Hidrelétrica do São Francisco e, no de Minas, o de Furnas, ambas empresas com grande impacto no desenvolvimento econômico-social das suas regiões de atuação.

A privatização da Eletrobras, por si complicada, por mesclar negócios atraentes com outros deficitários e um acúmulo pesado de dívidas, nunca andou com rapidez e, agora, com uma equipe econômica que nem acertar um sorvete na testa consegue e pelo desinteresse em investir num Brasil que se afunda na crise, atolou de vez.

Isso não quer dizer que não haja quem compre – com preço de banana e condições favoráveis, aquilo que está pronto, amortizado e funcionando, como as refinarias da Petrobras.

Mas a margem de manobra do governo caiu bastante, com o esvaziamento ainda maior do já murcho Paulo Guedes, que dá a impressão de ter se tornado um Pazuello econômico, em alto grau de exílio.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.