“Jair Paz e Amor’ não durou dois dias: “eu não vou me vacinar, imbecil”

O “Jair Paz e Amor” do lançamento, ontem do plano nacional de vacinação (que deveria chamar-se plano de vacinação sem vacinas) não durou dois dias.

Hoje, em um ato em Porto Seguro, o “Mito” anunciou que não vai se vacinar, quando houver uma vacina, alegando que, como já teve Covid, está imunizado.

“Alguns falam que eu dando um péssimo exemplo. Ou é imbecil (palmas) ou o idiota que dizendo que eu dou péssimo exemplo, eu já tive o vírus. Eu já tenho anticorpos. Pra que tomar vacina de novo?”

Esqueçam discussões imunológicas, porque é simples desculpa.

Bolsonaro, como já se repetiu aqui, não quer que a população se vacine.

Aceita uma vacinação “meia-boca” como aceita uma democracia meramente formal, por não ter condições políticas de extingui-la.

Fará o possível para dificultar e tem os impensáveis instrumentos para isso: o Ministério da Saúde, a Anvisa e os militares, sem os quis é impossível executar em prazo curto ou médio a imunização dos brasileiros.

Ascânio Seleme, na edição de hoje de O Globo converte em número os brasileiros que, dizem as pesquisas, não querem tomar a vacina: 46 milhões. Mais serão, se considerarmos que a vacina possível, hoje, é a chinesa.

O país, sob o governo de ou louco furioso, enlouquece: chegamos ao paradoxo de que a vacina, vista no mundo como a grande esperança humana, aqui venha a ter de ser tornada compulsória por medidas administrativas, como decidiu o Supremo.

Está evidente – não é Rodrigo Maia? – que quem concede ao Diabo a ele perderá a alma.

Bolsonaro não é um fenômeno político, é um fenômeno psiquiátrico.

Em Hitler se podia ver o sonho do renascimento alemão, ainda que tornado pesadelo, nele só se pode ver a aniquilação do Brasil.

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.