O que mais falta para entender que Bolsonaro não quer vacinas?

O anúncio de Jair Bolsonaro de que se exigirá um termo de assunção de riscos para todos os que desejarem vacinar-se contra a Covid-19 não terá, pelo absurdo que é depois de uma vacina ser aprovada como segura pela autoridade sanitária é apenas uma peça de propaganda sombria da ‘ideologia’ eugenista e necrófila praticada pelo presidente da República e seu grupo de obscurantistas.

Bolsonaro sabe que isso, muito mais em meio a uma nova escalada de mortes, é algo que não tem qualquer possibilidade de vingar, seja no Congresso, seja perante o Judiciário, onde vai, é claro, terminar esta perversidade.

É apenas o aproveitamento da “supremacia do eu” que é o fundamento da extrema direita atual, porque é assim que ela opera: “tenho arma se eu quiser, ponho filho na escola se eu quiser (o tal homeschooling), tomo vacina se eu quiser”.

E Bolsonaro não quer que as pessoas se vacinem, simples assim.

Adiará o quanto puder o processo de compra de imunizantes, prolongará o quanto conseguir a aprovação regulatória e tentará o quanto for capaz de amedrontar a população para que não se dobre ao que acredita ser um complô comunista para “dominar o mundo” pelo caminho da pandemia.

Vacinar-se, afinal, é coisa de “maricas”, tanto quanto o “fique em casa”.

Jair Bolsonaro avança e recua, avança e recua, mas está permanentemente neste caminho e sua ação já conseguiu, como mostrou o Datafolha, obter o convencimento de um quarto da opinião pública.

Um quarto dos brasileiros loucos é, convenhamos, marca digna do Simão Bacamarte d’O Alienista de Machado de Assis.

Mesmo na contramão do mundo, a nave de loucos bolsonariana vai avançar, singrando um mar de corpos – quase 200 mil até o final do ano – e muitos mais na quadra desgraçada que nos reserva os os próximos meses.

E quando, enfim, começar o precário processo de vacinação – poucas doses, pouca gente imune – ainda será tema do “ganhei mais uma” com que o nosso demônio enfaixado comemora o “fracasso” de todos os conselhos sábios que não se cumprem, enquanto morrem “os que iam morrer mesmo”.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *