Janio de Freitas: o arbítrio usa togas, não fardas.

Em meio às escoiceadas do General Hamilton Mourão, do comportamento miliciano dos “bolsominions” e das exibições do circo de horrores da família de Bolsonaro, não podemos correr o risco de esquecer dos perigos a que a democracia está sujeita não estão nas fardas militares, mas nas togas do sistema judicial.

A advertência de Janio de Freitas, em seu artigo de hoje, na Folha, sobre “um petardo proveniente de juiz ou procurador para perturbar a disputa eleitoral” na reta final do primeiro turno, é para ser levada a sério.

Vitória e derrota

Janio de Freitas, na Folha

A preocupação com a possibilidade de que militares oponham as armas ao voto encobre, mas não enfraquece, outra possibilidade negativa.

O juiz e os procuradores da Lava Jato, o tribunal federal da região Sul (o TRF-4), o Tribunal Superior Eleitoral e o Supremo já ganharam parte do seu confronto com a maioria do eleitorado, mas as pesquisas comprovam que há dificuldade para ir além. Lula ficou excluído das eleições, no entanto o PT e seu candidato mais do que sobrevivem. Meia vitória é, no mínimo, meia derrota.

Aquelas forças, que já foram chamadas de partido da justiça ou do Judiciário, há semanas mantêm-se como espectadoras. Não é um silêncio confiável, até por não terem experimentado sequer uma derrota nos seus quatro anos, e não se sabe como a receberiam agora. Ou como recebem a perspectiva de tê-la.

Comparados os anos recentes de militares e do sistema judicial, não é na caserna que se encontram motivos maiores de temer pelo estado democrático de direito. Os avanços sobre poderes do Legislativo e do Executivo, os abusos de poder contrários aos direitos civis, ilegalidades variadas contra os direitos humanos —a transgressão da ordem institucional, portanto— estão reconhecidos nas práticas do Judiciário e da Procuradoria da República.

Em tais condições, seria pouco mais do que corriqueiro o surgimento, nos dez dias que nos separam das eleições, de um petardo proveniente de juiz ou procurador para perturbar a disputa eleitoral, na hierarquia a que chegou.

Além disso, as eleições deste ano têm uma peculiaridade: são vistas por muita gente, não como meio de proceder à sucessão democrática de governo, por vitórias e derrotas, mas como oportunidade de fazer o país retroceder ao período pré-Constituinte de 1988 sem, contudo, a caracterização ostensiva de golpe. E nessa corrente não estão só o general Hamilton Mourão e demais apoiadores de Jair Bolsonaro.

Com a hipótese da caserna encobrindo a de varas e tribunais, a formação dos militares voltou à discussão. Reformá-la é velha questão. Tanto que, nos primeiros anos da década de 1960, ainda antes do golpe de 1964, tal discussão já levara o Exército a formar um grupo para estabelecer novo currículo de ensino aos futuros oficiais. Apresentado o plano ao Estado-Maior, porém, teve rejeição sumária.

Entre as novas matérias, estava introdução à sociologia. Sobre a qual o Estado-Maior emitiu sentença definitiva: é marxismo. A reforma não poderia ser apenas na parte de baixo.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

12 respostas

  1. O preço que o Brasil pagará (e será por longos anos) pela afronta do “partido do judiciário” em se colocar como guardião da moral e dos bons costumes nos coloca, desde já, no sub-solo do reconhecimento internacional pelas Nações ditas livres e por importantes instituições estrangeiras. Estamos passando ao mundo em geral a prova incontestável de que somos uma “piada de república e piada de país”. Não passamos de um bando de jecas caipiras achando que formamos uma Nação. Com essa elite podre, não será nesse século ainda que o Brasil se tornará um país respeitado.

    1. Não esqueçamos, contudo, que foram os jecas e caipiras que ajudaram a construir essa Nação, que se embrenhavam pelos sertões procurando e produzindo riquezas.

      1. Você não aprendeu nada. Procurando e matando Jeca e índio .Nunca ouviu falar nos Bandeirantes. ?

        Prefiro os irmãos Villas Boas e o Marechal Rondon que se embrenharam no mato do interior para proteger a cultura do sertanejo e dos ìndios.

    2. Não me lembro de nada mais escandaloso na judiciário do que a subtração pela corte máxima do país do sagrado direito ao voto de três milhões de cidadãos brasileiros, apenas porque sua própria burocracia é incompetente, arrogante, atrasada e absurdamente inconscientemente sobre seus próprios deveres. É de deixar qualquer um zonzo de perplexidade.

    3. Não somos mais jecas, mas nossos juízes são, sim, pelo menos os que estão nos bastidores ao longo deste movimento golpista, a figura do atraso e do subdesenvolvimento.

  2. O judiciário destruiu a economia e causou a demissão de muito pai e mãe de família. Só que eles tem emprego vitalício (nunca serao demitidos) e ganham acima dos 30 mil reais, isso qdo nao ganham 50, 60 ou 70 mil liquidos. Essa sanha do judiciário afasta os investidores. Quem vai investir num país que não respeita a constituição e as leis. Será que algum investidor quer correr o risco de investir num lugar que pode ter um golpe militar ou outro tipo de golpe a qualquer momento.
    Esta história de jogar a culpa de tudo de ruim nas costas do pt é um tremendo 171. Tem que ser muito leso para cair nessa.
    Precisamos colocar o judiciário no seu lugar através do voto.
    Juiz e procurador não perde o emprego se a economia for a bancarrota.
    E é óbvio o ataque a economia para prejudicar governos e partidos impetrado pela turminha de Curitiba.

  3. O golpismo não saiu deles nem nunca sairá. A terapia gênica engatinha na medicina mas o DNA
    dos quarteis e tribunais é imexível.”A lo largo”, quando o sgt Garcia prender o Zorro, quem sabe…

  4. Já perceberam que la na globosta News o furico de um é a cara do outro! Olha a cara da Cantanhede não é isso mesmo ! Veja a cara do papudinho de cachaça camarrotti não é o furico do Merdal ! E tudo bosta mesmo !

  5. Então a “Caserna Linha-Dura” proibiu o ensino de “Introdução à Sociologia” porque é marxismo? E se for também marxismo? Introdução à Sociologia, uma matéria básica, jamais poderia ser exclusivamente marxismo. Jamais poderia ser um marxismo doutrinário, além de sua própria força de compreensão racional. O livre pensamento republicano não pode ter medo de estudar nada. Estudar não significa doutrinar. Estudar marxismo é fundamental para qualquer sociólogo, qualquer aluno de filosofia ou para qualquer economista, de qualquer escola de pensamento, enfim, para qualquer curso que pretenda passar ao aluno uma ideia geral do conhecimento humano. Marreta foi feita para cabeça de otário.

  6. O problema foi que aos primatas de farda se uniram os delinquentes de toga.A coisa é mais o menos assim,”eu decido de acordo com a minha visão e interesse,se vc não concordar os câes de farda irão por vc”
    É o BRASILl eterno,não somente o pós-golpe,essa situação sempre aconteceu,a diferença é que hoje ,PERDERAM O PUDOR que lhes restava.Eles estão juntos em grupos fechados como a maçonaria.
    Temos muito trabalho pela frente para colocar esses funcionários públicos ,muito bem pagos com os nossos impostos ,a serviço do BRASIL.

  7. Pois você ode ter a maior conhecimento juridico se não disser o quSPOSTA e a BANCA que quer NÃO PASSARÁ se escolher a CORRENTE MAJORITARIA PARA FUNDAMENTAR ARESPOSTA A BANCA VAI DIZER QUE NÃO É A RESPOSTA SE RESPONDER SEGUINDO A CORRENTE MINORITÁRIA A BANCA VAI DIZERQUE NÃO É OQUE ELES QUEREM finalmente só passa se eles quiserem INDEPENDENTE DA SUA POSIÇÃO. FIM DA 3ª FASE ORAL JOGO DE CARTAS MARCADAS.

  8. O presidente da Turquia mostrou a forma de como lidar com um judi$$iário golpista, venal, antipatriota, arcaico e inútil. Demitiu quase todos os juízes a bem do estado, os golpistas, colocou em cana.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.