Jefferson, Bolsonaro e o PTB. A suprema profanação

Chega a dar calafrios a leitura da reportagem de Paulo Cappelli, em O Globo, em que Roberto Jefferson diz que Jair Bolsonaro está “muito inclinado” a ir para o PTB, segundo uma mensagem para outro correligionário.

Bolsonaro no PTB seria a última e mais grave profanação da legenda criada por Getúlio Vargas como ferramenta de uma política nacional e social que era a antítese do que faz Bolsonaro.

Quando, em 1980, Golbery do Couto e Silva, Ivete Vargas e o TSE tiraram de Leonel Brizola e dos trabalhistas a sigla histórica, muitos acharam que era cenográfico o gesto de amargura do gaúcho de rasgar as três letras escritas no papel.

Poucos, como Carlos Drummond de Andrade, seriam capazes de ver o drama real daquele esbulho histórico e o poeta que sabia o valor das palavras escreveu, no JB de três dias depois:

Vi um homem rasgar o papel em que estavam escritas as três letras que ele tanto amava. Como já vi amantes rasgarem retratos de suas amadas, na impossibilidade de rasgarem as próprias amadas.
Vi homicídios que não se praticaram, mas que foram autênticos homicídios: o gesto no ar, sem consequência, testemunhava a intenção.
Vi o poder dos dedos. Mesmo sem puxar o gatilho, mesmo sem gatilho a puxar, eles consumaram a morte em pensamento.

Sobrou ali o magro esqueleto alfabético de uma criatura histórica, uma espécie de cadáver prostituído que testemunhei, tantas vezes, Brizola tentar resgatar para sepultá-lo dignamente.

Agora, porém, vem a notícia da profanação suprema, entregar a legenda já putrefata a um bandido que é a negação do patriotismo e da preocupação social que a fase final de Vargas representou.

Também a sigla do PTB merece a frase do próprio líder, em sua Carta Testamento: “Quando vos vilipendiarem, sentireis no pensamento a força para a reação.”

Sim, a História fará o que Brizola não teve forças para fazer: resgatará o PTB destas quadrilhas que fazem três letras serem esfregadas na lama.

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

4 respostas

  1. Um Feliz 14 de Julho dia da queda da bastilha, a todos os progressistas! As conquistas sociais estão calcadas neste evento da revolução francesa!

  2. O voto no 17 teve uma parte que foi a mensagem antissistema. Todo politico é ladrão então vou votar no doido. Teve uma parte que foi pragmática. Não quero que o PT volte ao poder. O assustador é que estamos conhecendo uma terceira parte do voto no 17. O cara que votou no Bozo justamente por ser um adulador de torturador, que gostaria de metralhar comunista, que mede negro por arroba, que fraquejou quando teve filha, que é miliciano. Essa terceira parte é aterrorizante, pois ela não se importa com a morte. É desumana, selvagem, sem alma…

    1. Ao primeiro grupo, correspondem os ignorantes. Ao segundo, os oportunistas. O último se compõe da escória de qualquer sociedade, os incivilizados e antisociais. Tal tríade não poderia legar nada de bom a nenhum país, nenhuma peça com tais personagens pode ter um final feliz…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.