Jogo pesado: miliciano teria dito que ia ver Bolsonaro para encontrar assassino de Marielle

Da Veja, sobre reportagem do Jornal Nacional:

A Polícia Civil do Rio de Janeiro teve acesso ao caderno de visitas do condomínio Vivendas da Barra, na Zona Oeste do Rio, onde têm casa o presidente Jair Bolsonaro e o ex-policial militar Ronnie Lessa, acusado da morte da vereadora Marielle Franco. No dia 14 março de 2018, horas antes do crime, o ex-PM Élcio Queiroz, outro suspeito do crime, anunciou na portaria do condomínio que iria visitar Jair Bolsonaro e acabou indo até a casa de Lessa, segundo informações divulgadas pelo Jornal Nacional nesta terça-feira.

O caderno de registros do condomínio informa que, às 17h10 do dia do crime, uma pessoa de nome Élcio a bordo de um Logan prata anunciou que iria até a casa número 58, que pertence ao presidente Jair Bolsonaro. No condomínio, também mora o filho Carlos Bolsonaro na casa 36.

À polícia, o porteiro afirmou que ligou para a casa 58. E que uma pessoa que ele identificou como sendo o “seu Jair” liberou a entrada de Élcio Queiroz. O suspeito, no entanto, foi até a casa 66, onde mora Ronnie Lessa. O porteiro, então, telefonou novamente, e o mesmo “seu Jair” teria dito que sabia para onde ele estava indo. Conforme a reportagem, no dia da visita, no entanto, Bolsonaro estava em Brasília e não em sua casa no Rio de Janeiro. O então deputado federal registrou a presença em duas votações na Câmara.

Lessa é acusado pela polícia de ser o autor dos disparos que mataram Marielle o seu motorista, Anderson Gomes; e Queiroz é suspeito de ser o motorista do carro que levava o matador. Os dois foram presos no dia 12 de março deste ano.

A história é cheia de contradições, há documentos que, em tese, confirmam e negam a possibilidade de contato entre o motorista do assassino e é ainda mais estranho que tenha coincidido com a “resurreição”, em áudio, do ex-PM Fabrício Queiroz.

As consequências jurídicas são duvidosas, por que a Constituição diz que “0 Presidente da República, na vigência de seu mandato, não pode ser responsabilizado por atos estranhos ao exercício de suas funções”.

Chegamos ao impensável: a quadrilha miliciana que envolve o clã Bolsonaro, literalmente, na própria casa presidencial.

Veja aqui a reportagem do Jornal Nacional.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

8 respostas

  1. Realmente estranho. A reforma da previdência passou. Não era isso que muitos queriam? Agora vemos reaparecer Fabrício Queiroz. E essa matéria no JN. Deve ser coincidência.

  2. Mais que coincidências, vejo os trânsitos astrológicos sobre a estrela Unukalhai (O Coração da Serpente), que, entre outras coisas, fala sobre imoralidade, violência, acidentes e destrutividade. O falso messias tem Saturno, planeta que cobra austeridade e honestidade, em conjunção com essa estrela, e juntos podem trazer crimes secretos, insanidade, envenenamento, drogas, prisão e até suicídio. Até o fim do ano teremos mais algumas passagens de planetas por esse ponto, culminando com a de Marte, por volta de 23/Dez.

  3. Fernando Brito, não sei se o Brizola lhe comentou alguma vez, mas aqui no sul, costumamos chamar os atuais fatos da política, como briga de bugio. Não dá para ficar perto, que sobra merda para todos os lados.

  4. Brito, não deixem deletar o meu comentário!!!Eu estou começando a achar que o fio deste novelo tá perto do final.
    A fala intempestiva do Bozo acabou por jogar mais gasolina na fogueira.
    Ô dó!!!!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.