Juiza proíbe show de Caetano para “sem-teto” alegando insegurança

show1

Todo artista tem de ir aonde o povo está.

Desde que com a devida licença da “otoridade”, com uma infraestrutura milionária e ingressos bem caros, como no Rock in Rio.

É assim que deve pensar a a juíza Ida Inês Del Cid, da 2ª Vara da Fazenda Pública de São Bernardo do Campo, que proibiu a apresentação de Caetano Veloso no acampamento do sem-teto em São Bernardo do Campo, na Grande São Paulo.

Ela alega segurança. Vê-se como ela é boazinha, ela é humanitária, à medida que estabeleceu uma multa de “apenas” R$ 500 mil para a desobediência.

Se os sem-terra tivessem R$ 500 mil, montavam o Cirque du Soleil.

A Dona Inês certamente proibiria Tom Jobim de subir o seu piano na Favela da Mangueira, naquele show antológico.

Woodstock, naquele gramado lamacento, jamais!

Engraçado que o shoe não pode, mas tá todo mundo lá, ouvido discurso, mas ninguém pode cantar.

Ninguém pode ter alegria, se sentir gente feita para brilhar.

Ela é dona do mundo, ela é Deus misericordioso.

Faz tudo para proteger o povo de ouvir Caetano.

Se fosse o Belo, tá bem.

Quem sabe, nas suas próximas férias ela vá ao Carneggie Hall, em Nova Iorque.

Ela pode, os pobres, não.

 

contrib1

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email