La Paz em guerra

La Paz é um nome, hoje, impróprio para a capital da Bolívia.

A cidade está tomada por manifestantes pró-Evo Morales, a maioria da vizinha El Alto, cidade gêmea, pobre e maior que a capital propriamente dita.

A Polpicia, onde o chefe foi derrubado hoje de manhã por não soltar a tropa contra o povo, pediu arreglo e solicitou, formalmente, que as Forças Armadas passem a exercer a repressão para assegurar a ordem interna.

O Exército disse que vai fazer a segurança das instalações de água, energia e dos demais serviços públicos, mas não da ordem interna, que disse ser atribuição da policia.

É imprevisível o que vai ocorrer no país.

Trocou-se uma nova eleição, com a qual o governo havia concordado, pelo golpe.

Agora, que se enfrentem as consequências.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

11 respostas

  1. O povo boliviano tem que fazer o mesmo que o chileno não sair das ruas resistir até reverter o golpe. Nada de desistir facilmente como os golpistas querem o momento é de resistência.

  2. São bem amadores esses golpistas, a resistência nem precisaria do Putin, bastaria pedir a ele o contato do pessoal do Iêmen e pedir alguns Drones emprestados. Não sobra um golpista em pé, afinal são totalmente covardes e sofrem de frouxidão aguda.

  3. A Esquerda do Chile e da Bolívia fazem a Esquerda brasileira corar de vergonha. São guerreiros. Lutam nas ruas e não nas redes sociais com postagens de “indignação”.
    Os congressistas de Esquerda daqui recebendo seus gordos salários não conseguem organizar o povo nas ruas. Se prenderem Lula criminosamente de novo, vão continuar dando uma de João sem braço.
    Povo fraco esse daqui. Merecem apanhar desses fascistas pra aprenderem a lutar.

    1. Não são as esquerdas que estão nas ruas do Chile e da Bolívia e sim o povo. Aqui, o povo não existe como protagonista , é um mero expectador.

    2. extamente o que sempre digo: militância de teclado. mirem-se nos chilenos e bolivianos e votem que nem, atualmente, os argentinos

  4. Concordo plenamente com Walfrido Dias. Lembram-se que começaram testando o impitimam devagarinho, devagarinho perceberam que o leão não tinha dente, aí derrubaram depois prenderam o maior líder, e pasmem, não houve nadinha.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.