Militares bolivianos voltam atrás e dizem que vão reprimir nas ruas

Contrariando a nota emitida à tarde (veja acima) o comando das Forças Armadas bolivianas disse, agora à noite, que irá às ruas reprimir o que chamou de “vandalismo”.

Milhares de indígenas marchavam sobre La Paz e Santa Cruz de la Sierra, mas Evo Morales pediu calma e que se evitassem conflitos.

Anunciou que está indo, asilado, para o México, dizendo que lhe dói “deixar o país por razões políticas” mas que espera voltar “logo, com mais força e energia”.

Haverá muito conflito e muitos impasses no país, mas não creio na reversão do golpe.

Creio serem maiores as possibilidades de uma disputa entre a direita representada por Carlos Mesa e a extremíssima-direita de Luís Camacho, que tomou conta das manifestações anti-Evo.

Com um ou com outro, as populações indígenas vão sofrer intensa repressão e possivelmente ficará sem representação legítima no novo processo eleitoral, marginalizada como sempre ficou, desde que o Movimento Nacionalista Revolucionário, de Victor Paz Estenssoro, e sua dissidência, o Movimento de Esquerda Revolucionário, o MIR de Jaime Paz Zamora, transitaram para a direita.

Evo parece estar dedicado a evitar um banho de sangue.

Novas eleições vão demorar, ao menos três meses. Talvez, até lá, haja um novo quadro, principalmente se o país seguir no caos.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

10 respostas

  1. Carlos Mesa parece que já inicia aproximação para tentar obter o apoio do Movimento Ao Socialismo, de Evo. Agora à noite há muita gente nas ruas de La Paz, apoiadores de Evo, gente de classe média, inclusive levando suas crianças. O mais provável é que as FFAA bolivianas venham a apoiar a ultra-direita de Camacho, depois de atender a um chamado da polícia por reforços. Os militares prometem rondas repressivas por todo o país, contra os partidários de Evo, evidentemente. Talvez a crença de Mesa em que haverá eleições limpas e ele possa ganhá-las não passe de uma ilusão. Se as FFAA estiverem alinhadas com os interesses do governo Trump e de senadores ultra-conservadores dos EEUU, como parecem estar, então a doutrina dominante será um radicalismo delirante com fundo evangélico, a destruição de todas as estruturas do estado boliviano, tal como está a acontecer no Brasil, bem como a entrega aos açambarcadores globais de todos os recursos naturais que, quando foram estatizados, passaram a financiar projetos grandiosos de infraestrutura por todo o país. Não se sabe se haverá condições para um confronto militar entre as FFAA e grupos de indígenas e camponeses que apoiam Evo.

  2. Fica, a população indígena, entre a repressão e banho se sangue imediatos e o extermínio, lento, gradual e irrestrito.

  3. Carlos Mesa parece que já inicia aproximação para tentar obter o apoio do Movimento Ao Socialismo, de Evo. Agora à noite há muita gente nas ruas de La Paz, apoiadores de Evo, gente de classe média, inclusive levando suas crianças. O mais provável é que as FFAA bolivianas venham a apoiar a ultra-direita de Camacho, depois de atender a um chamado da polícia por reforços. Os militares prometem rondas repressivas por todo o país, contra os partidários de Evo, evidentemente. Talvez a crença de Mesa em que haverá eleições limpas e ele possa ganhá-las não passe de uma ilusão. Se as FFAA estiverem alinhadas com os interesses do governo Trump e de senadores ultra-conservadores dos EEUU, como parecem estar, então a doutrina dominante será um radicalismo delirante com fundo evangélico, a destruição de todas as estruturas do estado boliviano, tal como está a acontecer no Brasil, bem como a entrega aos açambarcadores globais de todos os recursos naturais que, quando foram estatizados, passaram a financiar projetos grandiosos de infraestrutura por todo o país. Não se sabe se haverá condições para um confronto militar entre as FFAA e grupos de indígenas e camponeses que apoiam Evo.

  4. Tão pouco os golpistas conseguiram tomar o poder. Eles não calcularam a resistência dos pobres e índios da Bolívia que agora vão passar lutar por sua vida e não mais por bens materiais e tal. Uma situação muito delicada. Existe vácuo de poder onde tudo pode acontecer até mesmo contra golpe.

  5. O ministro da defesa provou q e um homem decente e renunciou ao cargo. Bem intencionado nao vai participar dessa carnificina
    Provavelmente sera preso
    Nao duvido q num delirio Bozo invada a Bolivia p garantir os intersses do pais
    Vai ter gente apoiando a ideia podem crer

  6. Agora entendi a rapidez com que as coisas aconteceram na Bolívia (via analista na Telesur). A OEA lançou um comunicado preliminar dizendo sobre “falhas graves a indicativas” (não falou em fraude nem mostrou provas), recomendando novas eleições. Imediatamente houve um disparo de mensagens a milhões de celulares avisando que houve fraude e que as pessoas deveriam comprar víveres, água e combustível. Iniciou a violência nas ruas, queima de prédios do TSE, de casas, etc. Os sicários contratados e infiltrados implantaram o terror e quartéis da policia cruzaram os braços à violência, de acordo com prévia combinação. A OEA foi a habilitadora do golpe, deu a 1a senha. Os disparos massivos, a 2a. E agora Evo está indo para o México e a direita e a ultradireita vão se digladiar e os povos indígenas vão sofrer pra caramba, como já estão sofrendo.

  7. Evo tinha todo o cenário para avaliar que haveria um golpe. Mas, parece que os governos progressistas não criam estruturas para resistir a eles. Segundo Breno Altman, Evo cometeu o erro de achar que o crescimento do país e a redução da desigualdade neutralizariam a tradição golpista da Bolívia (+ de 150 golpes de estado ao longo da sua história) e não alinhou as forças armadas, historicamente do lado das oligarquias. Além disso, a contradição entre democracia e neoliberalismo é profunda e as reformas neoliberais “não são mais possíveis de serem implementadas preservando as instituições democráticas” – só golpeando. Eu vinha há meses escrevendo no twitter do Evo que a Bolívia era o próximo alvo e, ansiosa, cheguei a sugerir que ele golpeasse antes de ser golpeado. A direita golpeia à vontade e ninguém chama de ditador por causa disso; sabe que os líderes progressistas não têm perfil para golpear, nem que seja preventivamente, como acho que Evo devia ter feito para o bem dos pobres e dos indígenas.

    1. Talvez se ele tivesse investido menos nas ffas e deixado os soldados sem coturno e esfarrapados alem de nao prestigiar tanto o alto oficialato visitando regularmente os quarteis a ponto de passar a noite em alojamento de oficiais alinhasse melhor com a milicolandia de la

  8. “ ..Talvez, até lá, haja um novo quadro, principalmente se o país seguir no caos..” e se os milicos não pegarem gosto

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.