Lava Jato “camufla” investigação irregular, diz PGR

Leonardo Cavalcanti, no Poder360, revela o que estava por trás da da investida do comando central da Procuradoria Geral da República sobre a Lava Jato do Paraná e que fez as Vestais das Araucárias apresentarem-se como “vítimas” de uma conspiração dos corruptos.

É que a equipe de Augusto Aras percebeu que na denúncia enviada pela Lava Jato a Luiz Antônio Bonat, que substituiu Sergio Moro na 13a. Vara Federal de Curitiba, em dezembro passado apareciam um certo Rodrigo Felinto e outro David Samual, ninguém mais, ninguém menos que os presidentes da Câmara e do Senado, Rodrigo Maia de Davi Alcolumbre, mencionados por sobrenomes que, na vida política, abandonaram.

A suspeita é que a turma de Deltan Dallagnol os tenha investigado sem pedir autorização ao Supremo Tribunal Federal, como seria obrigatório.

“A PGR em Brasília encontrou vários casos semelhantes. Haveria até nomes incompletos de ministros do STF, que podem ter tido seus sigilos quebrados de maneira irregular.
Até agora, não há provas de que de fato os nomes camuflados em denúncias possam ter sido todos investigados. É isso que a PGR em Brasília agora tenta descobrir.”

O ex-intocáveis se defenderam de maneira pífia, dizendo que não investigaram nenhum político com foro qualificado.

Em outra frente, o procurador Lucas Furtado, que atua junto ao Tribunal de Contas da União, pediu a abertura de investigação sobre a compra de três aparelhos de escuta e gravação telefônicas que teriam sido usados pelos procuradores paranaenses e sobre possível fraude na distribuição de processos onde atuaram.

A Lava Jato, agora que cumpriu suas finalidades político-eleitorais tornou-se um quisto que o próprio MPF quer expelir.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

12 respostas

    1. E não tem como não feder pois ela está contaminada com as mais variadas cepas de coliformes fecais, tais como, Moro, Dallagnol e etc…

  1. Uma instituição esteve no centro da explicação da decadência de dois reinos católicos europeus que de potência econômica ponteira foram levados a rabeira do desenvolvimento europeu: A INQUISIÇÃO, instituição de três séculos, não por acaso nossos três primeiros séculos como colônia. No entanto esta instituição foi muito pouco estudada em nossa historiografia ou ficou restrita aos especialistas, perdidos nos estudos da histórias das mentalidades ou da micro história, distante das discussões da história econômica e política tradicional ou da história de longa duração. Poucos sabem mas foi preciso um terrível terremoto e um Pombal em Portugal e um Napoleão Bonaparte na França para por fim a esta terrível instituição.
    A inquisição não foi apenas uma perseguição religiosa, foi antes de tudo uma guerra social e de classes, uma luta encarniçada no interior dos Estados Nacionais. Hereges e cristão novos mais que “pecadores” ou “infiéis” eram homens de negócio detentores de dinheiro, de mercadorias, de contatos e de ligações com as principais cidades e portos comerciais da Europa, Eram poderes econômicos e culturais mais do que os símbolos ou hábitos religiosos distantes o que preocupava e não escapava ao olhar atento e bem terreno dos inquisidores, era a concorrência sobre o poder político e ideológico o que não escapava ao olhar de águia dos inquisidores. O alto clero e os inquisidores e sua teocracia ibérica precisava de um inimigo ideológico interno, um bode expiatório, para aplacar a caldeira tumultuária da turba e para travar o avanço social, político e ideológico dos cristão novos e dos hereges. E para isso valia tudo ali também: sequestro, confisco, desonra, humilhação, fabrico de judeus, leis de limpeza de sangue pelo casamento ou leis impedindo o acesso aos ofícios públicos, as profissões e aos cargos do Estado, como ensina, o historiador português Antonio Borges Coelho em seu ótimo livro sobre a Inquisição de Évora. E o Tribunal da Santa Inquisição foi o palco dessa guerra e sua principal arma de destruição, arma de destruição de duas civilizações aliás, que tiveram que se reinventar e ainda pagam o preço desta noite de muitos séculos. Lições da História.

  2. Desculpe-me, prezado Brito, questão de semântica mas não de “somenas”. A Lava Jato é impessoal e imaterial, não é boa nem má, não tem materialidade, sua existência é virtual. Portanto não é um quisto a ser extirpado. A representatividade material, pessoal e maléfica da lava jato são seus componentes. Eles é que precisam ser extirpados, julgados e provavelmente condenados, por fortes indícios de crimes, inclusive de lesa pátria, coisa que nos EUA pode levar a pena de morte.

  3. A lava jato promoveu abuso de poder a granel. Jose Eduardo Cardozo não conseguiu concluir nem uma sindicância de grampo ilegal na sela do Youssef. Ou seja, Zé Eduardo abusou no uso do “desbrio” de poder.

  4. Agora dá para entender por que tem lavajatista a pular fora do barco. Se esta devassa sobre a Lavajato avançar, como se espera, vai terminar em cadeia por dezenas de anos para muito lavajatista. Além de atuarem diretamente com a justiça e órgãos policiais de país estrangeiro passando por cima das leis e da soberania brasileira, inclusive favorecendo a destruição de empresas nacionais, reportagem do Conjur fala em mais de mil inquéritos abertos por eles nos últimos cinco anos, que não foram encerrados.Além de equipamento de interceptação telefônica, a tal “força-tarefa” adquiriu três guardiões, e dois deles estão sumidos. No ano passado, com o advento da Vazajato, o acervo de gravações foi em grande parte apagado, e há fortes indícios de distribuição fraudada de processos e outras ilegalidades.

  5. Hitler exterminou antigos parceiros, após utilizá-los para conquistar seus objetivos, na famosa Noite das Facas Longas. Teremos aqui algo como ‘A Noite da Vara Longa’, aquela que tudo – que interessava – alcançava?

  6. Chega-se a conclusão que todos estes governos Sarney, FHC e Bozó nunca passaram de Marionetes nas mãos dos FBI. A turma da Lava gatos deve ser investigada e seus integrantes processados (Moro na cabeça da quadrilha) Condenados como traidores da Pátria e pegarem prisão perpétua. Por
    traição a Pátria .

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.