Lava Jato ignorou confissões de Cunha por razões políticas

Os donos da verdade, digo, os procuradores gerais da República, preferiam deixar de lado as informações oferecidas no acordo de delação premiada proposto pelos advogados do ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha, entre elas o envolvimento de Rodrigo Maia com favorecimentos à OAS na privatização de aeroportos, fraudes na escolha de relatores na Comissão de Ética (?) na Câmara de deputados e a propinagem que correu solta na escolha do próprio Cunha como líder do PMDB (primeiro governo Dilma) e presidente da Câmara, no segundo, o qual terminaria por derrubar.

Cunha, é bom lembrar, foi cassado quatro meses depois de “entregar a encomenda” do impeachment da Presidenta, numa evidente “queima de arquivo”.

Os diálogos – nos quais fica claro que os destinos do país foram manipulados numa roda de conversas entre promotores em aplicativo de mensagens- foram revelados em parceria pelo UOL e pelo The Intercept foram resumidos em vídeo que publico abaixo.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

11 respostas

  1. Os integrantes da lava jato apenas entregaram a encomenda, como fez o próprio cunha. Até agora a vaza jato só atingiu os tarefeiros. Entregará os mandantes?

      1. É provável, como no caso Snowden, que aquelas coisinhas que não “interessam” ou que atingem determinado setor ou figurão não irão aparecer. Tudo vai de um modo lento e bem recortado. Após quatro meses e diante do fato de apenas terem causado revolta na esquerda essas denúncias sequer fizeram cócegas no rabo dos interessados. Portanto, seguimos esperando e duvidando.

  2. Publicação anterior da VazaJato, em 5/7, explica melhor a razão pela qual o escroque Eduardo Cunha não fez delação: “Moro barrou delação de Eduardo Cunha: “Sou contra, como sabe”, disse a Dallagnol“. [1] O gangster ficou na dele, não abriu muito o bico, e Moro – capo de tutti capi na orcrim larvajateira – o premiou mesmo sem delação, inclusive inocentando Cláudia Cruz, a madame das compras milionárias no cartão de crédito e que não sofria, segundo o toga bandido, de ‘cegueira deliberada’ dos crimes do marido. A moça dos grandes olhos era tão ingênua!

    – – – – – – – – – – – – – – – –
    [1] https://revistaforum.com.br/politica/vaza-jato/moro-barrou-delacao-de-eduardo-cunha-sou-contra-como-sabe-disse-a-dallagnol/ , em Revista Forum, 05 de julho de 2019

  3. Essa operação foi engendrada em 2013/2014 pela extrema direita em conluio com os americanos, para destruir o PT, tomar o poder (não deu pelo voto, teve que ser por golpe), impor o neoliberalismo fundamentalista, entregar nosso patrimônio e nossas riquezas naturais e estratégicas para a plutocracia mundial e transformar o Brasil em colônia escravagista dos steitis.
    Se prenderam corruptos por conta da operação, isso foi apenas circunstancial.

  4. Moro repassou ao Deltan a ordem do supercomputador para não confiscar o celular do Cunha, talvez nem ele mesmo soubesse por quê. Com absoluta certeza deve ter mandado também não aceitar a delação do Cunha, que todo o país esperava ansiosamente. O isolamento do Cunha era crucial para o andamento do golpe, e ele só foi preso porque estava sobrando no tabuleiro da redistribuição do poder. Solto, seria uma ameaça a todo o esquema. Uma maneira de queimar arquivo sem incendiá-lo.

  5. Fernando Brito! O vídeo está com a mensagem “Desculpe, este video só pode ser visualizado por seu autor”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.