Maia bate onde dói, na economia. Governo Bolsonaro é um espantalho

Na pancada que deu nos ministros Abraham Weintraub (Educação) e Ricardo Salles (Meio Ambiente), o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, além de cutucar Jair Bolsonaro, mandou um recado para Paulo Guedes, da Economia:

— Como é que faz para o investidor olhar que o Brasil tem um ministro da Educação desse? Então esse país não tem futuro. E parece que tem um passado ruim, porque conseguiu fazer um cara desse ministro da Educação.

É obvio que investidores estrangeiros não estão muito preocupados com a Educação – e bem pouco com o meio-ambiente, mas este tem repercussão midiática.

O que acredito que tenha sido dito à plateia reunida em evento do banco Credit Suisse – a “turma da bufunfa” – é que ele está a caminho de tirar o seu aval às políticas de Paulo Guedes.

Dizer que “então este país não tem futuro”, mesmo que Weintraub seja uma prova viva do atraso em que a Educação foi metida, é, convenhamos, frase para deixar investidor estrangeiro nada animado.

Como o dinheiro do mundo pondo máscara contra o coronavírus, é o tipo de abraço de tamanduá que Guedes não queria.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

12 respostas

  1. Pois é que Maia é igual, somente menos declarado. Todos raposas do rentismo que estão se lixando para o Brasil e para o povo. So’ com Lula e PT mesmo. E se assim não for quem sair por ultimo pode apagar as luzes.

    1. Apesar deste pedaço que passamos, não deixa de ser um momento didático, mas se não aprendermos nada deste aperto. adeus Brasil , para sempre!! Incluo , veementemente, os militares que até o dia de hoje nunca olharam para o Brasil, e sim em primeiro lugar para os EUA / Banqueiros / interesses próprios. Assim não há ser humano que resistam esta eternidade de discrepâncias anti-patrióticas. Vamos aguardar para ver a consciência cívica retorne as cabeças pensantes.

  2. Tem artigo do J. Miola no 247 que faz uma avaliação importante de como a esquerda carniceira tem detonado o PT e o Lula. Se tivesse havido união em torno do PT quando do impitim da Dilma não teriamos tido nem golpe nem Lula preso politico. Se assim continuar a esquerda nanica carniceira destruira’ o PT e deve evaporar. PCO, cirinho da massa, Psol e outros nanicos so’ existem porque esquartejam as sobras que a direita deixa apos devorarem o PT. Estupido. O PDT não merece isso. Viva Brizola que sabia fazer politica e ficava do lado certo quando necessario.

    1. Nada, a não ser multidões nada ruas, teriam impedido o golpe. E, mesmo assim, tenho minhas dúvidas.Em algum momento, vai-se perceber que infelizmente o PT foi seu próprio coveiro ao acreditar que poderia governar aliado às forças mais reacionárias do país, como o latifúndio e à mídia e tudo que ela representa, como aliás fez Evo Morales. O capitalismo é incompatível com a democracia, que existe em pouquíssimos países e que vai muito além de poder votar
      O PCO foi o mais aguerrido defensor do Lula Livre, mais do que o próprio PT, que de há muito esqueceu-se do povo, supostamente sua razão se ser e preocupa-se apenas com as eleições. Lula tornou-se um estorvo para a ala direita do PT (Wagner,D Rui Costa, Tarso e quiçá o próprio Haddad). Dino, por sua vez, parece que faria aliança até com o Bolsonaro, se possível fosse.

  3. Provavelmente estejamos testemunhando o pipocar das contradições entre as forças que elegeram Bolsonaro. O presidente do Itaú manifestou em Davos sua “preocupação” com o meio ambiente, ele que, há alguns meses, dizia que o discurso do Bolsonaro não afetava os negócios. Maia é DEM, o partido do latifúndio e das forças mais reacionárias. A burguesia era PSDB e, na sua falta, corre para os braços do Maia. O próprio latifúndio já coloca suas barbas de molho.
    August Thalheimer, teórico do PC alemão, dizia que a burguesia, com o fascismo, preferia entregar seu poder político a um ditador para garantir seus lucros. Pode ser que agora estejam percebendo a merda que fizeram ao eleger um desqualificado

  4. Falta espelho na casa de muitos….o Brasil também não tem futuro nenhum com esse congresso, com figuras tão ou mais vergonhosas do que esse ministro, TODOS dessa turma estão empenhados em destruir o futuro do país em detrimento dos abutres do rentismo genocida…..

  5. Reforma tributária chilena prioriza idoso e aumenta impostos para ricos

    “Dentre as medidas que vão entrar em vigor, estão impostos maiores sobre propriedades que custam mais de 400 milhões de pesos chilenos, e um aumento de 40% nos impostos cobrados sobre rendas anuais superiores a 184 milhões de pesos (R$ 975.698) ou 146 milhões mensais (R$ 79.540).”

    https://jornalggn.com.br/noticia/reforma-tributaria-chilena-prioriza-idoso-e-aumenta-impostos-para-ricos/

  6. A bandeira do Maia é bc livre; Brasil e políticas públicas atrelados aos interesses da banca. Sinto muito: o Waitraste é diversionismo.

  7. Fernando, considero que há um erro de avaliação na esquerda, e que vem fazendo a alegria dos que realmente mandam. O impedimento da Dilma foi apenas o escancarar de um parlamentarismo ‘branco’. Mesmo no governo Lula, a elasticidade do círculo de aliança já demonstrava isso, jogando pras calendas reformas realmente estruturais, como a tributária e democratização da informação.

    Olho esta briga pela Presidência da República como uma louca corrida pelo ouro de tolo. A preocupação deve ser a de formar maioria progressista no Congresso, tendo a corrida pela Presidência como um dos vetores para se alcançar essa maioria e, claro, como bonificação.

    Lembremos do Temer, infinitamente mais passivo do impedimento, mas segurado pelo Congresso, mais de uma vez, por representar os interesses que aquela maioria formada também representava.

    A porta foi aberta e escancarada com a derrubada da Dilma. Qualquer um que seja eleito no campo progressista, com uma maioria ordinária como a que temos – e já há um bom tempo -, governara com a Espada de Dâmocles sobre a cabeça. Terá que ajoelhar-se, implorar por alguma melhora na política social e esquecer qualquer projeto estrutural de País.

    A questão da prefeitura de São Paulo, com a tentativa de preservação do Haddad para a corrida presidencial, é uma amostra gritante deste erro de leitura.

    O Brasil só conseguirá dar meia volta neste retrocesso louco e assustador que nós estamos se a corrente que enxerga a redução das desigualdades, a tributação progressiva, a responsabilidade do Estado com saúde e educação, a liberdade e democratização da comunicação, o fim das castas públicas como premissas para a construção de uma sociedade verdadeiramente civilizada formar uma maioria necessária no Congresso.

    Não adianta ter novamente um Lula sustentado por um Sarney. Será novamente um fugaz voo de galinha, cuja queda é sempre mais acentuada pela capacidade que eles tem de baixar o nível do mar. Né não?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.