Maioria contra reeleição abre disputa na Câmara e no Senado

A Folha noticia que Luís Edson Fachin, Luís Roberto Barroso e Luís Fux, com os três últimos votos, sepultaram a possibilidade de reeleição de Rodrigo Maia e Davi Alcolumbre na presidência da Câmara dos Deputados e do Senado Federal.

Era o que tinha de acontecer se restasse um mínimo de obediência ao texto constitucional, respeito que, por várias vezes, não conseguiu maioria da Corte Suprema.

É provável que, esta semana, “pipoquem” várias candidaturas ao comando das duas Casas, algumas para valer e outras apenas como “marcação de posição” destinada a ser ponto de partida para as negociações do tipo “vocês sabem como é”.

O DEM, embalado pelas vitórias em eleições municipais, quer manter a posição, mas não tem nome algum, com a saída de Maia, senão o de Elmar Nascimento, candidato fraco . E as eleições deixaram mais fraco o pastor Marcos Pereira, da Igreja Universal, com o fiasco de Celso Russomano e de Marcello Crivella.

O PMDB, fora nominalmente do Centrão, tem o temerista Baleia Rossi como nome mais forte e Marcelo Ramos, que está dentro do Centrão, pode voltar a sonhar com o cargo, de olho num eventual apoio dos partidos de centro-esquerda, com os quais tem bom trânsito.

O Centrão, além de Arthur Lira – que tem mais ônus que bônus em ser o candidato de Jair Bolsonaro, tem ainda o nome de Aguinaldo Ribeiro.

No Senado, a impossibilidade de que Davi Alcolumbre continue à frente da Mesa deve abrir apetites dos dois lados: tanto da bancada direitista eleita em 2018, como dos “velhos” que sonham em retornar ao comando real da câmara alta (ao menos no nome) da República.

As cartas se embaralharam e 1) Bolsonaro terá de pagar mais caro para eleger alguém para o lugar do desafeto Rodrigo Maia; 2) Arthur Lira vai ter de se mostrar menos governista e 3) os 132 votos dos partidos que se declaram de centro-esquerda na Câmara terão de encontrar uma articulação que faça valer o seu peso numa balança sem favoritos.

Até fevereiro, esqueçam qualquer votação importante no Parlamento.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.