Manchas de óleo: investigação ‘ideológica’ atrasa identificação da origem

A preocupação doentia em “ideologizar” o derrame de óleo nas praias nordestinas está empacando uma investigação que é necessária – e urgentíssima – para que se possa combater os efeitos terríveis das borras de petróleo.

“O óleo é da Venezuela”, gritava o governo, insinuando que provinha dos poços de petróleo daquele país.

Gastaram-se dias até que verificassem que isso seria impossível, por conta das correntes marítimas e dos ventos dominantes terem a direção inversa.

Mesmo depois disso, ficou-se agarrado à tentar determinar o “certidão de nascimento” do óleo, o que é muito pouco relevante, porque essencial mesmo é saber onde vazou ou foi jogado ao mar, por qual navio e de que forma, para tentar mitigar no possível os efeitos do desastre.

Não me parece que óleo texano matasse menos a fauna marinha.

Hoje, revelaram-se dados da Agência Oceânica e Atmosférica dos Estados Unidos, a NOAA (veja o mapa acima) , de que não houve a formação de uma mancha de óleo de grandes proporções nas imagens de satélite, o que sugere uma liberação do óleo em pequenas quantidades e locais diferentes, reduzindo a possibilidade de que seja um transbordo de carga entre dois petroleiros.

A forma de borra pastosa com que o óleo chegou ao litoral também dá sinais de que ele ficou longo tempo no mar, sujeito à ação da água salgada e do sol, o que faz com que se perca parte de seus componentes mais voláteis ou solúveis.

Sobretudo, os barris que chegaram ao litoral, com rótulos perfeitamente legíveis há quase 20 dias. Têm o número do lote absolutamente claro e a Shell, que fabricou o lubrificante que transportavam sabe perfeitamente para quem foram vendidos. Mesmo que tenham sido repassados, vazios, para outra embarcação, são relativamente novos – enchidos em 17 de fevereiro – e não seria nada difícil descobrir seu trajeto.

Mas só ontem o Ibama pediu à Shell informações sobre os barris.

Ainda que não seja deles a maior parte do óleo – o que tem de ser quimicamente avaliado – parte é e coloca sob suspeita uma embarcação que atira tonéis ao mar. É assim que se pode achar, se esta é a fonte, o tal “navio fantasma” que teria originado o vazamento.

A Marinha e a Petrobras têm toda a competência técnica para determinar a origem deste óleo. Mas tudo indica que foram atrapalhadas na sua ação pela necessidade “moriana” de achar um culpado prévio.

O que é mais grave em se tratando de um petróleo “velho”, há muito tempo no mar. Por que de onde ele veio pode haver muito mais.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

8 respostas

  1. Continuo achando que este óleo pode ter vindo de algum dos barcos britânicos ou americanos que visitam as ilha de Ascensão e Santa Helena, possessões inglesas no meio do Oceano Atlântico, entre o Brasil e a África. Ascensão fica a pouco mais de 2000 quilômetros de distância da costa do Nordeste. Aqueles países têm bases militares em Ascensão, e a Inglaterra tem uma rota permanente por estes mares que vai até as Ilhas Malvinas, que ficam próximas da Antártida e que ela considera como suas e as chama de Falklands. Se isso fosse comprovado, seria necessário que tivéssemos café no bule para chegar a eles e exigir explicações, reparações e ressarcimentos por danos. Mas não estamos em condições de exigir nada de ninguém. Pelo contrário, se soubéssemos que foram eles, estaríamos tentando a todo custo não inculpá-los, para não lhes “melindrar”.

  2. Me lembra muitos casos de pais ricos irem aos jornais ( pagarem ) para as notícias sobre seus filhos delinquentes não aparecerem nos jornais , irem as delegacias subornarem os delegados para não investigar o que seus filhos aprontaram , fica tudo em paz e acobertado . Agora imaginemos o ocorrido com uma grande petroleira internacional o quanto irrigou a grande mídia nacional e outras instituições de fiscalizações e o próprio ministério do meio ambiente na pessoa do Sr. Salles , com grande precedente quando estava na secretaria do meio ambiente do estado de São Paulo . E vê se ainda hoje os grandes grupos de mídia navegando juntamente com o governo neste assunto . Se acompanharmos ao longo do tempo teremos páginas e pautas inteiras da grande mídia falando , divulgado alguma petroleira dessas que estão por aí . tomando conta do pré sal .

  3. Esse petróleo todo veio dos dutos da Petrobrás, que governado pelos BOSTAS cortou verba de investimento em segurança ! Só não vê quem não quer ! Situações semelhantes ocorreram no DESGOVERNO do velhoGAGÁ em que tivemos uma plataforma de bilhões de dólares afundando sob o olhar de milhões de brasileiros que investiram todo seu dinheiro do FGTS nela meses antes. Ou ainda os vazamentos “inevitáveis” que ocorriam todo ano na Baía da Guanabara, tal qual as queimadas anuais da Amazônia. Bem vindo ao neoliberalismo, bem vindo à idade da pedra lascada ou melhor, do povo lascado.

  4. O Brasil fico avacalhado depois de 2016, sujam a sua varanda, pisam na sua sala com sapato cheio de cocô.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *