Mello sinaliza com trava e não com pacto a Bolsonaro

Importante a entrevista do decano do Supremo Tribunal Federal a Rafael Moraes Moura no Estadão.

Nem tanto por reafirmar o óbvio – que o Presidente da República está obrigado a cumprir a Constituição, mas pela dureza com que o diz, a indicar que há intenção autoritária em Jair Bolsonaro e que o Supremo se oporá sistematicamente a ela.

Leia este trecho:

Por unanimidade, o Supremo impôs nova derrota ao Palácio do Planalto e manteve a demarcação de terras indígenas com a Funai. Foi um recado ao presidente Jair Bolsonaro?
Celso de Mello -É fundamental o respeito por aquilo que se contém na Constituição da República. Esse respeito é a evidência, é a demonstração do grau de civilidade de um povo. No momento em que as autoridades maiores do País, como o presidente da República, descumprem a Constituição, não obstante haja nela uma clara e expressa vedação quanto à reedição de medida provisória rejeitada expressamente pelo Congresso Nacional, isso é realmente inaceitável. Porque ofende profundamente um postulado nuclear do nosso sistema constitucional, que é o princípio da separação de Poderes. Ninguém, absolutamente ninguém, está acima da autoridade suprema da Constituição da República.
(…)
O senhor deu um voto contundente, apontando “perigosa transgressão” ao princípio da separação dos Poderes. O Supremo também contrariou o Planalto ao proibir o governo de extinguir conselhos criados por lei e foi criticado pelo presidente Jair Bolsonaro por enquadrar a homofobia e a transfobia como racismo.
Celso de Mello – Aqui (na demarcação de terras indígenas) a clareza do texto constitucional não permite qualquer dúvida, é só ler o que diz o artigo 62, parágrafo 10 da Constituição da República (o texto diz que é vedada a reedição, na mesma sessão legislativa, de medida provisória que tenha sido rejeitada ou que tenha perdido sua eficácia por decurso de prazo). No momento em que o presidente da República, qualquer que ele seja, descumpre essa regra, transgride o princípio da separação de Poderes, ele minimiza perigosamente a importância que é fundamental da Constituição da República e degrada a autoridade do Parlamento brasileiro. A finalidade maior da Constituição é estabelecer um modelo de institucionalidade que deva ser observado e que deva ser respeitado por todos, pois, no momento em que se transgride a autoridade da Constituição da República, vulnera-se a própria legitimidade do estado democrático de direito.
Ninguém, absolutamente ninguém, está acima da autoridade suprema da Constituição da República. No momento em que se transgride a autoridade da Constituição da República, vulnera-se a própria legitimidade do estado democrático de direito.”

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

12 respostas

  1. Ministro Celso tardiamente se manifesta , me parece que leu recentemente o que já devia saber , se esse sempre fora o seu conceito do que é direito teria como decano do tribunal trilhado outro caminho e não estaríamos nesta situação .Celso passou e passará conhecido como ministro do sempre citado por ele ” O largo do São Francisco ” . Muita gente nem sabe aonde fica .

  2. No meu sentir, como costumam dizer esses ministros, foi preciso o Intercept divulgar coisas que atingisse a alma do Supremo para que pudéssemos ler matéria como a acima postada. De repente, à exceção de Barroso, que defende a LJ com unhas e dentes, a maioria dos ministros resolveu abrir a boca para expressar algo que a gente esperou tanto para ouvir. Ninguém pode dizer que Bolsonaro mudou. Ele é isso, o mesmo que mostrou ser durante as eleições. Uma coisa é não ver, e outra, fingir que não enxerga direito.

  3. O Globo trouxe na primeira página de ontem a sintetização de seus sonhos políticos: “Governo Bolsonaro seria melhor sem Bolsonaro”. Isto significaria entregar tudo aos Estados Unidos e tirar todos os direitos dos trabalhadores, mas sem tanta gritaria e tanta marola. Preparem-se para o endeusamento progressivo de um tal de Dória, que é um Bolsonaro descafeinado..

  4. Esse Celso de Mello defensor da Constituição é o mesmo Celso de Mello que ajudou no golpe do impeachment, é o mesmo que ajudou a colocar Lula na cadeia e de não tirar o Lula da cadeia. Seria bom que esse Celso de Mello defendesse a Constituição em todos os momentos. Seria o Celso de Mello um papagaio que sempre fala dos saudosos defensores da lei, mas nos momentos cruciais que tem que defender a lei o papagaio se cala?

  5. Tarde meu velho ,tarde.ESTE DELINQUENTE É CRÍA DE VCS QUE ACEITARAM A ROLO COMPRESSOR E REFRENDARAM ESSA ABERRAÇÃO QUE FOI O GOLPE DA DILMA.
    POR QUÉ SÓ AGORA RESOLVERAM ENFRENTAR A PRESSÃO DOS FARDADOS GOLPISTAS /ENTREGUISTAS????
    COM O TEMPO SABEREMOS.

  6. No julgamento da suspeição do ex-juiz-todopoderoso-aconstituiçãoéminha Sérgio Moro bem que o decano Celso de Mello poderia usar ctrl+c ctrl+v para seu voto com esses argumentos expostos aqui.

  7. Há outro aspecto fundamental nessa fala dele: ela não é apenas uma “peça de informação”, é de formação.

  8. Como brasileiro, é o mínimo que ele poderia fazer, mas o ideal seria decretar o impedimento imediato do presidente traidor da pátria, que está entregando aos estrangeiros, toda a riqueza do país.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.