A mídia em duas conspirações. Por Nílson Lage

midiagolpe

Em palestra na Udesc, Florianópolis, semana passada, comparei a imprensa brasileira em dois momentos, os que precederam a deposição de João Goulart por abandono do cargo, em 1964, e de Dilma Rousseff, por impeachment, em 2016 – em ambos os casos, com razões formais e ação política.

Em 1964, eu era redator-chefe de Última Hora, rede de diários que tirava 700 mil exemplares/dia rodando em quatro capitais; dois anos antes, editei por uns dois meses o Jornal do Brasil, joia da modernidade editorial da época, justo quando o obrigaram, por irresistível pressão bancária, a aderir à conspiração em curso. Estudo o assunto desde então.

A principal diferença entre os dois períodos é que atualmente a mídia é unânime no que importa e concentrada em cinco ou seis grupos geradores de informação; antes, era plural em tudo e divergia. O Rio de Janeiro, que recém-deixara de ser a capital, reunia os principais formadores de opinião que, hoje, estão em São Paulo, onde fica o estômago da Rede Globo.
A televisão alcançava os mais ricos e urbanos; o rádio era a mídia eletrônica do grande público, dominado ainda pela Nacional, emissora estatal gerida com isenção política. Revistas, duas principais, O Cruzeiro e Manchete
.
A opinião fluía mesmo é nos grandes jornais do Rio, editados por empresas sólidas que ocupavam prédios centrais próprios, de cinco a sete andares.

O JB, fundado em 1891, conquistara influente faixa de leitores entre intelectuais e gestores oriundos do processo de modernização do país. Tentou manter a dignidade com linha editorial errática; depois, perdeu importância.

O Correio da Manhã, de 1901, tinha tradição oposicionista e redação que pesava na formulação da linha editorial; sua repercussão era tal que elegeu em 1966 dois redatores deputados federais – ambos com mandatos cassados nos anos seguintes.

O Diário de Notícias, de 1930, de orientação nacionalista e penetração no meio militar, patrocinara, em 1958, a formulação de um documento acadêmico que se tornaria plano de governo de Jânio Quadros; em 1966, associou-se à campanha pela “frente ampla” que reuniria Carlos Lacerda, João Goulart e Juscelino.

Ultima Hora, de 1951, órgão de linha trabalhista, tinha a peculiaridade de ser um jornal popular orientado por intelectuais do porte de seu diretor de redação, Moacyr Werneck de Castro, uma das pessoas mais cultas que já conheci. No dia mesmo do golpe de Estado, foram empasteladas ou desativadas suas oficinas em São Paulo, Recife e Porto Alegre. No Rio, a redação foi depredada, mas o jornal circulou por alguns anos mais.

O Correio da Manhã e o Diário de Notícias foram asfixiados e seus proprietários perseguidos. Desapareceram na década de 1970.

O Globo, de 1925, participou com os Diários Associados, de Assis Chateaubriand, do núcleo que armou o golpe de Estado. Em 1965, surgiu a TV Globo do Rio e a de São Paulo, que seriam o embrião da “rede de TV da revolução”, montada com verbas públicas entre 1972 e 1982; é hoje quem domina a opinião publica do país, ao lado de dois jornais e uma revista paulistas.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

7 respostas

  1. A preocupação em combater a concentração da propriedade dos meios de comunicação constituiu o fundamento das grandes democracias desde o início do século XX. O Cartel da Mídia, entidade política oculta que vocaliza o discurso autoritário e monocórdio da plutocracia brasileira, é o principal entrave para o desenvolvimento da democracia em nosso país. Entendo que a interdição do debate sobre os verdadeiros problemas nacionais é a raiz de todas as nossas mazelas políticas, econômicas e sociais, porque é impossível estabelecer consensos que não passem pelo crivo dos poderosos donos da verdade, os barões da mídia. Estes se apossaram do espaço público da Comunicação Social, constituíram feudos regionais e tornaram-se suseranos. Embora os “barões” se digam capitalistas “liberais”, na verdade representam uma transmutação do velho coronelismo para essa espécie de feudalismo midiático, por meio do qual exercem o real poder sobre todas as instituições da República.

  2. Os liberais são a favor de um Estado mínimo, desde que se “socializem” o prejuízo e “privatizem” o lucro e que o governo financie o investimento privado com taxas mínimas. Esse filme é antigo. Pedem diminuição de impostos, de taxas, isenções disso e daquilo mas, lá na ponta, o preço ao consumidor final não baixa. Essa é a lógica deles.

  3. BRITO, o jornal Última Hora, do Rio Grande do Sul, foi fechado pelo golpe militar. Na mesma época foi dada a concessão para os Sirotski, que fundaram a Zero Hora, hoje Grupo RBS. Golpistas iguais à Globo.

  4. Para este artigo vale replicar comentário feito em outro:
    Primeiro,o conceito:TODA A RIQUEZA REAL VEM DA TERRA.TODO O RESTO É DERIVADO.
    Agora a constatação: É impossível imprimir dinheiro infinito num mundo finito.
    Dado que a indústria financeira,mera prestadora de serviços,virou protagonista deste mundo o que temos no momento quer acreditem ou não,quer aceitem ou não é um “MAR GIGANTESCO” de papéis perseguindo os recursos ( a riqueza real ).
    Promessas não serão cumpridas.Os protagonistas estão correndo para transferir “todo o papel pintado” e sem lastro EM COISAS REAIS!
    Colocaram e o mundo aceitou que lobos tomassem conta dos galinheiros.
    Isto não passa no JN e nunca passará.
    Tudo já foi privatizado,tudo e há muito tempo.Usaram a ferramenta > o lobby.
    O que estão a fazer agora é formalizar ,na marra,as posses.
    A corrupção é pândemica.Governos são apenas sombras das corporações sobre a sociedade.
    Capitalismo se foi.O que temos agora é “capitalismo de compadrio” que antecede o retorno ao feudalismo.

    “Dê-me o controle da moeda de uma nação e não me importo com quem faz suas leis”.
    Barão de Rothschild.
    “O mundo não será destruído por aqueles que praticam o mal mas por aqueles que os assistem sem nada fazer”.
    Einstein.

    Estão PRIVATIZANDO OS LUCROS E SOCIALIZANDO OS PREJUÍZOS.
    O que foi Globalizado > miséria e fraudes.
    Nota importante:
    O FED (Federal Reserve = BC Americano) tem de FEDERAL apenas o nome.
    A maioria dos “bem informados” americanos sequer sabem disto:
    O FED é uma instituição PRIVADA fundada em 1913.
    Uma panelinha de uma dúzia de bancos detém o todo poderoso FED!
    Uma instituição privada EMITE o dinheiro americano. Uma instituição privada DETÉM O MONOPÓLIO DA MOEDA DE RESERVAS INTERNACIONAIS.
    Se o governo americano precisa de dinheiro ele emite títulos da dívida e o FED IMPRIME A P…. DO DINHEIRO! Vejam o tamanho da MERDA.
    Então vai-se conclusão óbvia:
    Dinheiro = dívida
    Dívida = dinheiro
    Obama conseguiu em 10 anos fazer o que todos os outros levaram 200 anos para fazer.
    Em 200 anos os EUA atingiram $10 trilhões em dívidas e no “governo” de Obama a conta saltou praticamente a U$20 trilhões.
    Mas esperem um minuto, ainda não acabou.
    Além deste número deve-se considerar OS PASSIVOS a descoberto e aí a “porca torce o rabo”. Passivos a descoberto são as dívidas sem garantias e assim eles tem um montante INACREDITÁVEL > mais de U$ 100 trilhões em faturas a pagar, alguns estudiosos alegam que pode passar de 150 tri.
    É disparada a nação “soberana” que mais deve no mundo e matematicamente é insolvente. Nunca será pago de volta.
    E todo o sistema centralizado dos BC’s mundo afora estão executando desta forma.
    Vou quebrar o galho ,principalmente dos “irmãos gêmeos > petralhas e coxinhas” e não vou entrar no assunto acerca dos “DERIVATIVOS”.Isso é grande,muito grande.
    Estima-se a dívida global em U$217 trilhões. Pesquisem o PIB global e façam as contas. Todos INSOLVENTES.
    Então dado que:
    TODA A RIQUEZA REAL VEM DA TERRA. TODO O RESTO É DERIVADO.
    Entendo agora o que significa Petrobrás e todas as reservas brasileiras (e com clareza. Não precisa desenhar).
    E o nióbio, onde 11 em cada 10 que questiono sabe sequer o que é Nióbio.
    Entendo agora a pressa em permitir a compra de terras por estrangeiros.
    Entendo agora a criminosa lei de migração do pilantra Aloísio Nunes.
    Entendo agora o corte de gastos por 20 anos.
    Entendo agora cortes na defesa e estrangulamento das Forças Armadas.
    Entendo agora porque o Almirante e Físico Nuclear Othon Pinheiro de 77 anos foi condenado a 43 anos de prisão.
    Entendo agora porque atacam o BNDES, Banco do Brasil e CEF.
    E a lista vai longe…………………………………………………………………………………………
    E NÃO VOU ENTENDER, dado que nunca votei no PT, que algum abestado rotule isto de Lulismo ou algo do gênero. Meu desejo (usando o português claro) é que eles se danem, pois pavimentaram o caminho, quer seja deliberada ou ingenuamente, para este governo diabólico que aí está.
    Não se trata de rótulos aqui, trata-se de algo muito maior que tudo isso e tem nome: BRASIL.
    Fumaça e espelhos é isso o que temos. Nós vamos ficar segurando o saco.
    Se quero comprar ativos baratos tenho que arrumar um jeito em desvalorizá-los!
    Dado que tenho o as máquinas de impressão e as tecnologias,então deixa comigo.Vou jogar merda no ventilador!
    Tv é para nos entreter. Intoxicação ideológica para nos dividir.
    A arte da guerra: DIVIDIR PARA MELHOR CONQUISTAR.
    O PRÉ-SAL FOI A MAIOR DESCOBERTA DO SEGMENTO NO MUNDO NOS ÚLTIMOS 20 ANOS!
    A INDÚSTRIA DO PETRÓLEO DE XISTO em breve estará em lágrimas.Será um banho de sangue.
    Tomemos JUÍZO ,deixemos de preguiça mental e tenhamos a coragem de PROCURAR ONDE ESTÁ A CAUSA.

  5. “atualmente a mídia é unânime no que importa e concentrada em cinco ou seis grupos geradores de informação; ”
    informação ?????????????????????????????

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.