Minions sem coxinhas

Durante a campanha, Jair Bolsonaro conseguiu completar seu objetivo de transformar “coxinha” em “minion”.

Não foi, convenhamos, transmutação das mais difíceis, dadas as semelhanças entre as duas substâncias.

Teria sido impossível, porém, sem alguns catalisadores.

Primeiro, a reunião que a mídia proporcionou, permitindo a gente sem identidade identificar-se com um grupo igualmente vazio. Corrupção e “moralidade” funcionaram como amálgama. Segundo, o ojetivo comum – e abençoado pelo sistema – de derrubar um governo e, consequentemente, estabelecer outro que não permitisse a volta das forças derrotadas pelo golpe.

Reinaldo Azevedo, em sua coluna na Folha, diz que as manifestações de domingo terão uma única virtude: a de permitir saber quantos soldados tem Bolsonaro. Tem razão, mas acrescento outra: será uma oportunidade de vê-los em estado quase puro, sem boa parte dos confeitos de classe média que, a partir de certo ponto, os cobriu da massa de “coxinhas”.

Isso é o que, possivelmente, se revelará agora, e é visível pela quantidade de dissensões que surgiram nas forças de direita, onde muitos personagens buscam se afastar do núcleo fanático e tresloucadamente sectário do bolsonarismo.

Porque este tem uma natureza, além de repulsiva, repelente: afasta, intriga, conflita, xinga, desqualifica. De forma bem simples, chama até Kim Kataguiri de esquerdista. Afigurou-se de tal forma tosco e grosseiro que a high society quer suas política, mas não a sua companhia.

É absolutamente irrelevante que o presidente procure descaracterizar como seus os arroubos golpistas da turma. O que estará na rua, tenha o tamanho que tiver, será Jair Bolsonaro.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

15 respostas

  1. “minions sem coxinhas”!! até aqui eu não tinha entendido a equação com clareza! de fato, um enigma para a maioria de nós: quem são e o que “pensam” estes voluntariosos enigmas que classificam de esquerdistas gente como Kim e Janaína? (inevitável, perdoem, sentir alguma diversão em ver Reinaldo sendo a voz sensata e imaginar como o pessoal do MBL está se sentindo ao ser vítima do mesmo movimento que ajudou a criar. dá quase pra fingir que a esquerda nunca auto-tretou ;P )

    1. Antigamente se dizia que “a esquerda só se une na cadeia”. Agora está sendo divertido ver a direita na mesma situação…

      1. Há dez anos eu não me achava “de esquerda”, apesar do coração comunista. O rótulo não teria me incomodado, mas conheço pessoas que se ressentem. Agora o Kim é uma delas. :D

  2. Imaginem se as manifestações de domingo, de uma ou de outra forma (com muita grana), coloquem muitas pessoas na rua, tingindo de amarelo o domingão da paulista. Bozo vai se sentir prestigiado e dirá go, go, go e agora vamos. Ora, mas isso será mais uma tentativa de atribuir ao bozo poder para governar. Mas ele não sabe governar. Vai ser a continuidade do desastre. Einstein definia idiotia como aquele que faz um experimento e dá errado e continua repetindo as mesmas condições muitas vezes esperando que, agora, vai dar certo!

    1. Bem, se isso acontecer, o Brasil estará caracterizado como uma nova Venezuela: dividido. Os golpistas conseguiram cumprir a profecia a qual tanto diziam ter medo.

      1. EXATAMENTE, e olha tenho este medo, pelo simples fato, quanto maior for a massa fanática de extrema direita, mais força ganha também alas fanáticas e sectárias do Partido dos Trabalhadores (e outros PIORES penduricos) … ai sim … ferrou de vez (Não que este governo já não tenha ferrado o povo)!

  3. Empresários e remediados golpistas precisam sentir na pele a desgraça do governo dos 115 generais de Bolsonaro.

  4. É verdade. Essa manifestação só vai reunir minions puros, aqueles que teriam votado no traste mesmo se o oponente fosse de centro ou de direita.
    Pouco provável que os coxinhas tenham se arrependido de seu voto, mas também pouco provável que participem dessas manifestações. O que queriam já conseguiram, que era impedir o retorno do PT. Não têm porque comprometerem sua imagem agora, se associando com o fascismo e a extrema direita.

    1. Verdade. Quem vai é o pessoal da extrema-direita. Os oportunistas (gente com forte instinto de sobrevivencia) não vão aparecer….O presidente & filhos vão poder tirar a prova dos nove de quem realmente apoia esse governo….A direita mercadista e a elite endinheirada já estão treinando o general Mourão para assumir a vaga presidencial. Como era previsto, Bolsonaro perdeu a serventia.

  5. A idiotia sem limites. Será que não bastou as barbaridades e erros grosseiros até aqui cometidos? Não basta? E os que foram atingidos na honra(?) e se aquietaram, estarão lá?
    Comemorarão a desgraça do país?

  6. É como robôs não tem autonomia motora, ainda, as manifestações serão como as que já vimos pro marreco de Maringá

  7. É o mesmo que dizer “minions sem globo”.

    É fato que alguns empresários, sabe-se lá por que, vão mandar seus funcionários pra rua, vão lotar ônibus e levar o “povão” pra protestar(?). Mas é fato também que tais manifestações tendem a ser isoladas nas grandes capitais do sul e sudeste, isto é, não serão nacionais, como ocorreu no 15M, e nem terá seu tamanho. Como disse Rui Costa Pimenta, se levarem 150 mil pessoas será um fiasco total.

  8. Boa, Brito! Só terá um número razoável de minions porque será mais uma micareta pela Lava-Jato… Daí é possível que haja coxinhas também (em menor número, é claro…). Enfim, triste de ver!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *