Moares também pede cópia de gravações, acabou o sigilo

“Diante de notícias veiculadas apontando indícios de investigação ilícita contra ministros desta corte [STF], expeça-se ofício ao juízo da 10ª Vara Federal Criminal de Brasília solicitando cópia integral do inquérito e de todo o material apreendido”.

O despacho de Alexandre de Moraes, o segundo, depois de Luiz Fux, a pedir cópia dos arquivos apreendidos com os “hackers de Araraquara”.

Está evidente que, se existem entre os materiais apreendidos, cópia dos arquivos dos diálogos obtidos pelo The Intercept, já não existe segredo sobre seu conteúdo.

A desqualificação das mensagens virou uma estratégia fracassada.

E fracassou mesmo se não há, entre o material apreendido, um arquivo com as conversas entre Moro, Deltan & Companhia.

Neste caso, ficaria patente a armação dos tais “hackers”, dos quais só há, até agora, evidências de que era estelionatários.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

19 respostas

  1. Muito provavelmente não coincidirá o material apreendido com o material ao qual o Intercept teve acesso, embora possa haver alguma coisa em comum entre eles. Uma indagação: Se o que foi apreendido não for o mesmo do Intercept, então qual seria sua origem? Qual a origem do material atribuído aos “hackers”? Seria algo conseguido sabe-se lá como, para montar uma armação e tentar prender o jornalista? Uma coisa é certa, quem assistiu ao filme “De Volta ao Futuro” deve lembrar-se que a fotografia das pessoas ia desaparecendo quando elas ameaçavam nunca terem existido. Pois pode ser que ainda venha a apagar-se, mas parece que a imagem do Supremo está voltando a surgir na fotografia com toda a nitidez.

  2. O que não era prova juridicamente válida, agora passará a ser!! Acabou o último argumento! Claro, se ainda houver um resto de Justiça neste país.

  3. Muito provavelmente não coincidirá o material apreendido com o material ao qual o Intercept teve acesso, embora possa haver alguma coisa em comum entre eles. Uma indagação: Se o que foi apreendido não for o mesmo do Intercept, então qual seria sua origem? Qual a origem do material atribuído aos “hackers”? Seria algo conseguido sabe-se lá como, para montar uma armação e tentar prender o jornalista? Uma coisa é certa, quem assistiu ao filme “De Volta ao Futuro” deve lembrar-se que a fotografia das pessoas ia desaparecendo quando elas ameaçavam nunca terem existido. Pois pode ser que ainda venha a apagar-se, mas parece que a imagem do Supremo está voltando a surgir na fotografia com toda a nitidez.

    1. Caro,vc acredita msm no STF!!!!!???? Isso é só balão de ensaio. Estão todos dominados e supostamente chantageados. Descubra os podres deles. Joguem tudo no ventilador. E aí vc tira o poder de quem domina eles. Caso contrário. Tenho dito que os blogs de esquerda deveriam se unir em um mega crowfunding para descobrir o que há por trás dessa letargia do STF. Assim saberíamos quem está puxando as cordas e desmontava a farsa.

    2. Judiciário que agora, só agora, vendo que estavam sendo atacados também, tomou uma atitude contra esses fascistinhas. Vai ser boa a guerra entre stf (minúsculo mesmo) e a farsa jato.

  4. E com essa, o Fux não poderá colocar tudo no fundo de sua gaveta. Pelo jeito, já podem dizer “in Fux we trust”.

  5. Independente de que entre o material apreendido com os araquers de Araraquara encontre-se ou não arquivos que coincidam com aqueles que o Intercept revela, a decisão de Moraes significa que ele reconhece a autenticidade do que está sendo revelado na vaza jato. E nestas alturas do jogo, ninguém com 2 neurônios funcionais tem dúvidas mais, mesmo aqueles que dizem o contrário.

  6. Não há evidência, até agora, de que estes “hackers” presos tenham realmente o
    mesmo material que o The Intercept. Ao contrário, mensagem trocada com o
    vazador e publicada por Glenn Greenwald põe em XEQUE isso:

    “Nós não somos ‘hackers newbies’ [amadores], a notícia [sobre moro ter sido hackeado] não condiz com nosso modo de operar, nós acessamos telegrama com a finalidade de extrair conversas e fazer justiça, trazendo a verdade para o povo”.

  7. Sério mesmo que se discutirá o hacker de araraquarovski, que já foi denunciado pelo Glenn como falsidade, armação da PF e do MPF, da elite, e o escambau, e se deixará de lado a essência, que são os vazamentos, o conteúdo dos vazamentos em poder do Intercept? O suposto material do russo de Araraquara é tão verdadeiro quanto uma nota de 3 reais. E vai mais carnaval para calar os vazamentos do Intercept. Quanta ilusão com o “stf com tudo, pára onde está”…..ou seja, pára na prisão do Lula e pára na destruição do PT e do campo progressista. E pára na continuação da espoliação das riquezas do país. E todos os dias a dose opiácea da estória do hacker de Araraquara. E lá se vão as entregas.

  8. Esse “hacker de Araraquara” e “Outrossim” são duas caras da mesma criatura do “juiz ladrão”, finalizada em duas visitas aos EUA.
    Arquivo da Polícia Federal pode estar cheio de Procuradores “patriotas” analizando “corrução” de “ôtoridades” brasileiras. Fux e Kojak terão a Vazajato pra comparação.

  9. A farsa da LavaJato comprovada pelo Intercept demonstra de forma cabal a importância da Liberdade de Imprensa e a extrema necessidade de uma democratização dos meios de comunicação. Só quem tem pretensões tirânicas é que vai se manifestar contra (Globo e os fascistas).

  10. Agora que o stf pediu cópias das mensagens , os hackers mudam repentinamente a versão sobre a obtenção e a abrangência das mesmas. Matéria na Folha SP.

  11. Não há prova, exceto a conversa de um estelionatário, de que os arquivos entregues ao jornalista Greenwald são os mesmos que estão no inquérito da PF.

  12. Dá para perceber é que o Hackers ,mexeram na panela dos Ministros. Quando era só com o Lula podia tudo, mas foi só mexerem na panela deles, então criou um rebuliço. Com o Lula podia ,as com eles não. Mas, será que eles pensam que requisitando as provas o Glen vai parar de publicar as senvergonhices deste pessoal????

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *