Morales é deposto, não é uma renúncia

O presidente da Bolívia, Evo Morales,ajoelhou-se ao ultimato militar que recebeu.

Hoje à tarde, o comando das Forças Armadas bolivianas, “sugeriu” sua renúncia.

Não é, pois, um “ato unilateral de vontade”.

Curioso como militares admitem, como no Chile, lançar tropas contra os “vândalos” quando o governo é de direita, mas apelam à renúncia do governo quando é de esquerda.

E que não estava deslegitimado pelas urnas.

Numa curta declaração, Evo disse que renunciava “porque minhas irmãs e irmãos, líderes e autoridades do MAS [Movimiento Al Socialismo, seu partido] não continuem sendo perseguidos, perseguidos, ameaçados” e que era sua “obrigação como presidente indígena buscar essa pacificação”.

Qualquer discussão que houvesse sobre se sua votação superava os 10% de vantagem sobre o segundo colocado – cláusula constitucional para que não houvesse segundo turno – nenhuma delas negava que Morales tinha recebido a maioria dos votos dos bolivianos.

Sequer o país estava em crise econômica, ao contrário, mantinha-se em bons níveis de crescimento.

Além de Evo, também renunciou o vice-presidente Álvaro Linera, que segue firme com Evo e que, como o presidente, tem um mandato constitucional até 21 de janeiro.

Varios ministros, antes deles, já tinha anunciado que deixariam os cargos, depois que suas casas foram queimadas por grupos de oposição.

Deu-se um golpe de estado, simples assim, do qual não se sabe quem emergirá no governo do país ou se farão uma nova eleição ou será dispensada esta formalidade para entregar o governo ao derrotado nas urnas..

Não há um governante que, senão aceitando um banho de sangue de seu próprio povo, pode resistir a um ultimato de seus próprias Forças Armadas.

Se Evo vai resistir, fora do Governo, num eventual processo eleitoral, não se sabe.

Sabe-se, apenas, que a Bolívia voltou à sua triste rotina de golpes de estado.

Hoje cedo falei da historia de Florentino e o Diabo, de seu desafio folclórico. Evo, pelo visto, não teve chances de abrir a boca senão para se entregar.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

15 respostas

  1. – Os maluquetes americanófilos acham que obtiveram uma vitória ao darem o golpe na Bolívia. Mal sabem eles que esta foi a última chance e possibilidade de se comportarem de maneira – se não aceitável, pelo menos tranquilamente civilizada. Temos plena consciência de que até escrever corretamente é crime, é um acinte a este maldito governo.

    1. Segundo Bozo evo foi derrotado nas urnas. Cara tem deficit e ver militar metido a inteligente aceitar esse bisonho mandando no pais deprime e entorpece de tanto odio.

      E a wikipedia brasileira q e cheia de falhas e ausencias q se nao fossem os portugueses seria uma pobreza constrangedora ja diz q o presidente e jose antonio martinez q e presidente do supremo tribunal eleitoral boliviano. Ingles e espanhol segue vacante

  2. – Os maluquetes americanófilos acham que obtiveram uma vitória ao darem o golpe na Bolívia. Mal sabem eles que esta foi a última chance e possibilidade de se comportarem de maneira – se não aceitável, pelo menos tranquilamente civilizada. Temos plena consciência de que até escrever corretamente é crime, é um acinte a este maldito governo.

  3. Esperando o Bozo soltar alguma barbaridade.
    Evo prestigiou os militares como pode. Investiu nas tres forças q antes dele assumir tinha dificuldade ate em vestir os praças. Evo visitava as unidades militares com frequencia mostrando preocupaçao com a defesa de seu pais e com os proprios militares. Deu dignidade ao povo e o paisprospera apesar de parasitas como Gazeta do Povo dizerem q o pais afunda.
    Na questao do gas e do litio se mostrou um estadista. O pais nao seria explorado por grupos estrangeiros.
    Deu protagonismo aos indigenas algo q deve ofender a zelite de la.
    Questoes como segurança alimentar ao agir impedindo q a quinoa sofresse uma especulação dos preços ja q e um alimento basico do boliviano pobre pois os “ricos” de la o desprezavam por ser comida de indio e so quando revelou se o valor nutricional do cereal as zelite quisera dar valo monetario ????
    Tem algo errado. Vamos ter eleiçoes? Tenho quase certeza de q ele venceu no primeiro turno. O fato dele perder na parcial e no final vencer se explica pela clara distribuiçao dos eleitores como o caso do aecio em 2014 q venceu nas 10 primeiras parciais q nao tinham sido reveladas por conta dos fuso de manaus e rio branco e na prieira parcial depois das 19 horas deu Dilma com 33% da apuraçao do Ceara onde obteve uma vitoria significativa.
    No caso da Bolivia se isso foi reaçao a volta de Lula entao pobre bolivia. Se foi uma açao militar q visa desbaratar os rebelados mesa e camacho faz sentido. Mas linera deveria se candidatar. Vale a pena tentar enfrentar esse lixo da zelite encardida da bolivia. Quem sabe se os milicos durante a madrugada encostam camacho e mesa no paredao e… na cabecinha…

    1. Entendo sua argumentação, mas ainda creio que o Evo e seu partido deveriam ter dobrado a aposta, partindo para o confronto de agitação política total, nas ruas. Sei que poderia provocar mais dor do que conquistas, mas, ao menos, o país não teria se dobrado sem deixar de resistir à sua recolonização.

  4. A Bolívia é uma verdadeira montanha de gás e, quando Morales assumiu o governo, apenas 20% dos bolivianos tinham acesso a esse produto, realidade que foi profundamente alterada em seus governos. Talvez – e infelizmente como fez o PT por aqui – ele tenha mantido alianças fortes demais com alguns dos grupos mais reacionários como o latifúndio. E esse pessoal é como o escorpião da fábula. À semelhança do que fez alguém em um blog, peço pela participação do governo fraudulento do Brasil nesse golpe

    1. Recentemente eu acessei o site da petroleira boliviana e por isso o google me presenteou por varios dias com banners de casas na bolivia. Mais de 90% delas em condominio fechado.

  5. Na Bolívia a América Latina retorna ao seu “leito” natural da solução “de sempre” do Golpe Militar, sem disfarces nem complexos, sem escrúpulos de nenhuma natureza. Nossa alegria não há durado nem um dia. Toda nossa solidariedade ao sofrido povo boliviano. Vai ser preciso muitas lágrimas, muito suor, muita luta. Mais uma triste e amarga derrota para nossa jovem democracia e para todos os democratas latino americanos. Espero que as dificuldades e derrotas comuns sirvam para unir todas as forças políticas progressitas, democráticas e populares em um projeto comum.

  6. Já se sabe onde foi o QG do golpe policial-militar contra o Presidente Constitucional da Bolívia: a embaixada dos Estados Unidos.

  7. Nenhuma novidade, são “as veias abertas da América Latina”. Nossa trajetória histórica sempre exposta a uma dominação externa de exploração econômica e de ingerência política desestabilizando nossa democracia.

  8. Fuerza, hermanos.
    Fizeram na Bolívia o que estavam planejando fazer aqui se Haddad vencesse. Torço pra que, dessa vez, não vingue, mas do jeito que anda o mundo e a vontade dos EUA de colonizar tudo com ainda mais força, tenho minhas dúvidas.

  9. Eleições livres? Nem aqui há, nem no.pais que se diz a maior democracia, não se esqueçam, o mais votado não foi quem venceu…..aguardem que o nosso destino não está sendo muito diferente, tanto lá como aqui vige o dedo podre dos golpistas…..

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.