Moro, terrivelmente publicitário por uma cadeira no Supremo

Sérgio Moro está cada vez mais entregue ao seu delírio promocional.

Hoje postou em seu Twitter a imagem de um outdoor promocional que um tal “Endireita Toledo”, onde aparece – ao lado de de um “enfaixado” Jair Bolsonaro – com aquela pose de machão que cruza os braços para levantar os ombros.

Apostando num pacote anticrime que, todos já viram, vai passar – se passar – totalmente diferente daquilo que propôs e numa “reforma constitucional” para fixar a prisão sem trânsito em julgado que, igual, vai esbarrar na má vontade do Congresso e, ainda, na evidente vedação constitucional que tem para se mudar cláusula pétrea e, ainda, em seguida, propor uma vergonhosa declaração de inconstitucionalidade do Código de Processo Penal.

A ofensiva publicitária – frustrada a sua pretensão, pelo TCU de fazê-la na mídia de massa e com dinheiro público – mambembe funciona mais como um sinal de decadência do que de afirmação.

As “massas moristas” puderam ser medidas ontem: remanesce algo em São Paulo e quase nada Brasil afora.

Como sabe que elas estão inseparavelmente grudadas a Bolsonaro – assim como ele ficou depois de ter virado seu ministro – também ele tem de estar, embora sua popularidade mingue junto com a dele.

A razão?

É Lauro Jardim, em O Globo, quem responde:

Mesmo não sendo “terrivelmente evangélico”, o ministro Sergio Moro continua com um objetivo na cabeça: ser indicado para a próxima vaga do Supremo, que se abrirá dentro de um ano com a aposentadoria de Celso de Mello. Por isso, ainda precisará de muito estômago para aguentar as humilhações que Jair Bolsonaro lhe tem imposto.

Portanto, uma inédita “propaganda eleitoral” para o STF.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

10 respostas

  1. Como o Congresso fará para aprová-lo na sabatina obrigatória? Se a lei diz que o candidato precisa ter “notável saber jurídico”, o conge (ou conje?), deverá travar um embate titânico com os senadores, evitando as “rugas” que possam surgir com seu completo desconhecimebto das leis.

  2. Diferentemente, pelas notícias que tenho acompanhado nos principais portais de discussão política, da mídia corporativa, a tentativa de recolher assinaturas para iniciar a votação de uma PEC que, permita o cumprimento de pena após a condenação em segunda instância, anda a passos acelerados dentro do Congresso.

    Independente da má vontade de Maia e alguns de seus “associados”.

    Aparenta que, grupos dentro do próprio Centrão, ligados à pauta moralista de botequim, também devem endossar essa lista de vingança.

    A esquerda e Lula, principalmente, devem redobrar os seus esforços políticos de denúncia e confronto.

    Esses caras já derrubaram o Evo e, seguindo sua tradição golpista, não vão parar porque o Lula está sem mandato.

  3. Como o Congresso fará para aprová-lo na sabatina obrigatória? Se a lei diz que o candidato precisa ter “notável saber jurídico”, o conge (ou conje?), deverá travar um embate titânico com os senadores, evitando as “rugas” que possam surgir com seu completo desconhecimebto das leis.

    1. E se o stf confirmar aquilo que transpira, no sentido de haver aversão ao conje como possível ministro da corte, a declaração de sua suspeição na persecução a Lula, o abateria em pleno vôo de marreco.

  4. Tenho certeza de que esse asno não passaria nem na primeira fase do exame da OAB, que dirá numa sabatina.????????

  5. Ele não tem conhecimento mínimo para tanto, mas não se pode duvidar de nada, neste país onde Bolsonaro chega a ser presidente. Neste caso, vai demorar trinta anos para o Brasil voltar a ter uma face civilizadamente apresentável.

  6. Ele não tem conhecimento mínimo para tanto, mas não se pode duvidar de nada, neste país onde Bolsonaro chega a ser presidente. Neste caso, vai demorar trinta anos para o Brasil voltar a ter uma face civilizadamente apresentável.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *