Moro, a quem a ambição fez servil. Por Celso de Barros:

Na sua coluna da Folha, Celso Rocha de Barros traça de forma irrespondível o retrato da situação de Sergio Moro, transformado em casca, já nem tão vistosa, do processo de submissão da máquina estatal à tortas vontades presidenciais. Moro, cuja imagem serviu para torcer as instituições republicanas, empresta-se agora para sua escravização às vontades – e vontades nada republicanas – de Jair Bolsonaro.

Leitura imperdível, tragédia previsível. O aprendiz de feiticeiro foi aprisionado pelo feitiço e não tem saída senão servir ao mal que invocou.

Aparelhamento bolsonarista

Celso Rocha de Barros, naFolha

Aparentemente, a maneira de parar a Lava Jato era fazê-la de otária. Nada dessa coisa da esquerda de confrontá-la abertamente, nada de tentar desmontá-la em silêncio, como tentou Temer: o negócio era se eleger como campeão da luta contra os corruptos, colocar Moro no Ministério da Justiça, prometer-lhe uma vaga no STF, convocar passeata todo domingo contra a corrupção, e, enquanto isso, aparelhar os tribunais, a polícia, a Receita, o Coaf, todos os órgãos que foram responsáveis pelas investigações de corrupção da última década.

Bolsonaro conseguiu que Toffoli neutralizasse o Coaf, e não deixou que Moro nomeasse gente sua para o órgão. Fez tudo isso enquanto convocava manifestações dizendo que o Coaf era a coisa mais importante de todos os tempos, que se o Coaf não ficasse com Moro o mundo acabaria. No fim, quem tirou o poder de Moro sobre o Coaf foi o próprio Bolsonaro.

Bolsonaro já deixou claro que só nomeará para procurador-geral da República quem aceitar ser submisso ao presidente. A tradição de escolher o mais votado da lista tríplice, defendida pela turma da Lava Jato, acabou, não tem mais, morreu, vai ver era comunismo aquilo.

E qual vai ser a desculpa para descartar todo e qualquer nome que não aceite acobertar esquemas? A moral, é claro.

Cada vez que um candidato der sinais de que tem alguma mínima restrição às picaretagens dos bolsonaristas, eles vão inventar algum esquerdismo para o sujeito. Lembrem-se: o perfil oficial do presidente da República compartilhou um texto que diz que Deltan Dallagnol é tão de esquerda quanto o PSOL. Se você for honesto, não se candidate à PGR sob Bolsonaro: em 15 minutos, sua tia vai receber mensagem no WhatsApp dizendo que você defende distribuir mamadeira de pinto em creche.

E deixo aqui meus parabéns para quem foi domingo protestar contra o STF: começou a dar certo, o Toffoli já parou a investigação do Flávio.

Na semana passada, o desmonte se acelerou na Receita e na Polícia Federal.

O superintendente da Receita no Rio de Janeiro, Mário Dehon, foi atacado por autoridades investigadas e prontamente afastado por Bolsonaro, que também declarou que a Receita persegue sua família.

O superintendente da Polícia Federal no Rio de Janeiro, Ricardo Saadi, foi afastado por não interferir nas investigações sobre Flávio Bolsonaro. Bolsonaro achou que houve abusos na investigação, foi lá, afastou o cara —tudo isso enquanto seus apoiadores estão nas redes sociais pedindo para fechar o Congresso por causa da lei do abuso de autoridade.

E o Moro? Essa é a jogada mais impressionante, pela ousadia. Vários políticos tentaram neutralizar Moro, mas só Bolsonaro foi arrojado o suficiente para neutralizá-lo dando-lhe um cargo.

Desde então, Moro só perdeu poder, teve que silenciar sobre o caso Queiroz e é ridicularizado pelo presidente da República sempre que possível. Pare de prestar atenção no Lula, Moro, esqueça o Greenwald: quem está te derrubando é o Jair.

Ainda não se sabe se o aparelhamento bolsonarista será bem-sucedido. A Polícia Federal, a Receita, os procuradores vão reagir. E parece cada vez menos provável que Moro termine o ano no cargo de ministro. Mas, em termos de popularidade presidencial, talvez não dê em nada: talvez a indignação toda tenha sido mesmo só cinismo.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

19 respostas

  1. Talvez Bozo não seja o idiota que parece ser… ele está seguindo Maquiavel à risca:: mantenha seus amigos próximos, e mantenha seus inimigos mais próximos ainda. Moro poderia ser um problema à frente, com suas ambições – já pensou se o ex-juiz resolve se tornar presidente investigando o gangsterismo bozonarista? Melhor queimá-lo agora, e até os ossos. Um inimigo a menos…

    1. Não entendí, vc sugere que o criminoso,gopista ,empregado da CIA, sergio marreco ,faría investigações de miliciasno se fosse presidente ????
      Bolsonaro é um delinquente,não existe inteligência nesse infinito vazio mental,não continúem a lhe atribuir estratégias ,ainda que básicas e esse absoluto imbecil .

      1. Não, o que sugeri é Moro usaria o que sabe sobre milicianos cariocas para se eleger presidente, “superMoro contra o crime organizado”. De repente o Queirós, nesse momento, não passa de uma garantia…

    2. Não entendí, vc sugere que o criminoso,gopista ,empregado da CIA, sergio marreco ,faría investigações de miliciasno se fosse presidente ????
      Bolsonaro é um delinquente,não existe inteligência nesse infinito vazio mental,não continúem a lhe atribuir estratégias ,ainda que básicas e esse absoluto imbecil .

  2. O brazil está revivendo a história recente de países como Nicarágua, Haití e outros que tiveram clãs criminosos colocados no poder pelos EUA. Filho de presidente indicou o futuro PGR, eas panelas seguem silenciosoas, enfiadas pelo cabo nas b… dos paneleiros.

  3. A censura chegou ao Tijolaço? Outros blogs que se dizem “progressistas” já a colocam em prática desde 2017, ano a partir do qual o Duplo Expresso passou a desmascarar muitos deles. Eu e outros leitores que fazemos críticas a tas blogs temos sido “banidos” da relação de comentaristas.

    1. Romulus Maya e Wellington Calasans (Duplo Expresso), são infiltrados na esquerda, divulgando informações mentirosas, tentando jogar militantes contra as direções dos partidos de esquerda e dos movimentos populares.

  4. Não se enganem. Moro e Bolsonaro são dois lados da mesma moeda. Moro não é uma vítima do Bolsonaro, mas seu cúmplice!

  5. E quem aparelhava as instituições era o PT. Realmente, o gado que elegeu o bozo acredita em qualquer estupidez que incrimine o PT e a esquerda, principalmente quando quem de fato faz o crime é a direita.

  6. ELES SÃO DA TERRA
    Seus seguidores chamam-no de mito,
    Embora tenha pouca humanidade;
    Eles se irmanam na brutalidade
    E são figuras de saber restrito.

    Da besta humana não se espera nada,
    Como nada se espera dos que o seguem,
    Dos que pré-julgam, prendem e perseguem
    Quem quer nossa nação civilizada;

    Quem luta por total soberania,
    Quem caminha no rumo da utopia,
    Sabendo ser um caminhar eterno.

    O Bozo e seus asseclas são demônios,
    Todos carentes de muitos neurônios,
    Reduzindo o Brasil a grande inferno!
    Tarcísio Arruda
    18/08/19

  7. O Queiroz fica com a Procuradoria Geral da República? Um mineiro exclamou: ” Ara, sô! Ainda num tá como eu sonhei.”

  8. Pelo menos podemos rir da elite do funcionalismo público, que não se acha público, por terem compactuado com o Golpe de 2016 e agora só servem como bobo da corte.

  9. Do ponto de vista da sociedade brasileira, Moro foi importante protagonista do golpe de Estado, mas, do ponto de vista da plutocracia norte-americana, sempre foi um agente auxiliar, um sargento. Agora, Bolsonaro apenas o despiu da imagem heroica construída pelo Cartel da Mídia e o colocou em sua posição real: um reles peão da Casa Branca. Sua ambição de ser promovido a rei não passou de uma ilusão alimentada de maneira muito hábil pelos orquestradores do golpe.

  10. Para os parvos, esta barulheira toda é pra abafar a economia que está indo pro brejo.
    Aguardemos!!!

  11. O Marreco de Maringá está sem saída. Se ficar o bicho pega se esconder o bicho acha. Se fugir para os EUA a Interpol o encontrará.
    Então, não ha saída para o Marreco de Maringá!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *